Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

A inconveniente história da Madame Efunroye Tinubu – A Yourubá que vendia gente



Pelo que aprendemos de escravidão no colégio a África era um paraíso puro e inocente com gente saltitando e cheirando flores, aí chegaram os portugueses e passaram a correr atrás de negros com redes de borboleta, para em seguida colocá-los em navios e levar para o Brasil e os Estados Unidos. Não foi bem assim.

700 anos antes da Europa sequer saber que existia algo do lado de cá da poça, o tráfico árabe de escravos já ia de vento em popa1. Em verdade ele durou mais de um milênio, só foi acabar mais ou menos com a colonização européia no começo do Século XX.

Entre os vários entrepostos o mais famoso era Zanzibar, hoje Tanzânia, que nos deu Freddie Mercury e 50 mil escravos vendidos por ano, mais 80 mil que morriam no caminho, trazido de várias tribos do interior, capturados por forças inimigas. Mas não fique com muita pena, quando eles ganhavam as batalhas a situação se invertia.
Cypriani Asmani, escravo em Zanzibar. Tentou fugir com 6 anos de idade, como punição seu mestre árabe o acorrentou a uma tora de 15Kg. Ele a carregou por um ano até que foi resgatado por um missionário, em Julho de 1885.

E não, o tráfico árabe de escravos não tinha nada de benigno. Homens eram levados para trabalhar em minas, guerrear ou exercer trabalho braçal, e as mulheres e meninas, bem… dá pra imaginar. Só digo que nenhuma mulher parecida com o Tião Macalé foi escravizada.

O Dr David Livingstone (sim, aquele do velho meme) quando explorava o Congo encontrou uma caravana de escravos, e relatou2:

“Nós passamos por uma mulher morta amarrada pelo pescoço a uma árvore, as pessoas da região explicaram que ela não foi capaz de acompanhar os outros escravos, e seu mestre determinou que ela não iria virar propriedade de outro se ela acordasse depois de descansar por algum tempo. Menciono aqui que nós vimos outras amarradas de forma similar, e uma jogada no caminho, baleada ou esfaqueada. A explicação que sempre recebíamos era que o árabe que era dono dessas vítimas se enfurecia por perder dinheiro com escravos incapazes de caminhar, e extravasava era raiva assassinando-os.”

O tráfico árabe de escravos foi tão punk que em 2010 Muamar Kadafi fez m pedido de desculpas formal diante de líderes africanos:

“Eu lamento o comportamento dos árabes… eles trouxeram crianças africanas para o Norte da África, as transformaram em escrevas, as venderam como animais, as tomaram como escravos e as negociaram de forma vergonhosa. Eu lamento e me envergonho quando nos lembramos dessas práticas, peço desculpas por isso”

Quando um ditador sanguinário acha que a situação merece um pedido de desculpas, dá pra imaginar que foi punk a coisa.

Do outro lado do continente, o tráfico não era um grande problema, era complicado atravessar a África toda, mas isso mudou com a chegada dos portugueses no final do Século XVI.

Eles não trouxeram nenhum conceito novo, escravidão era um fato da vida nas nações africanas, o que eles trouxeram foi dinheiro, muito dinheiro, na forma de armas, aguardente, ferramentas, tecidos… escravos eram bens valiosos mas agora valiam literalmente ouro, impérios surgiram tendo como fonte única de renda seus recursos humanos, se me permite o cruel trocadilho.

Impérios como o Bamana (Mali) e o Khasso (Senegal) viviam em guerra por causa disso. Mesmo perdendo algumas vezes, o lucro compensava.
“A escravidão na África era diferente, era uma escravidão humanizada…”

Reinos como Dahomey sofreram uma rápida wakandização, sendo que ao invés de Vibranium ganhavam dinheiro com o Motumbo. Quando os ingleses mudaram de idéia e decidiram que escravizar outras pessoas não era uma atitude muito legal, enfrentaram forte resistência principalmente de Portugal, Brasil e África. Em vários casos tinham que usar a boa e velha diplomacia de canhoneira para convencer o pessoal a abrir mão de sua maior fonte de renda, e muitos reinos simplesmente faliram.

Essa é uma das causas da situação atual da África, países nunca tiveram uma história industrial pois tinham dinheiro de sobra para importar tudo que precisavam, até que o ouro negro secou, e o petróleo ainda não seria descoberto por pelo menos 100 anos, pra analogia voltar a fazer sentido.
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
«1

Comentários

  • Entra a Madame Tinubu

    Nascida Efunporoye Osuntinubu Olumosa, em algum momento da primeira década do Século XIX na aldeia de Abeokuta, no que hoje é a Nigéria, e logo se casou, mas o marido morreu logo depois. Ela sustentou a si mesmo e dois filhos vendendo casca de árvore e folhas medicinais, mas sempre sonhou alto, bem alto.

    Um belo dia ela conheceu um sujeito que estava visitando a região, um tal de Oba Adele Ajosun que veio com o velho papo “Oi gata, sabia que eu sou um Rei?” E era, um rei de Lagos exilado, mas um Rei. Tinubu não pensou duas vezes, se fez de Cinderela e se casou com o Rei, afinal era 1833 e ela não seria zoada por dizer que era esposa de Adele.

    Eles se mudaram para a cidade costeira de Badagry, e como Tinubu não nasceu pra ser dona de casa, resolveu fuçar nos negócios do marido, e descobriu que era ÓTIMA comerciante. Logo ela estava coordenando uma rede de comércio que trazia escravos de Abeokuta e os trocava por sal e tabaco com os portugueses no entreposto local.

    Algum tempo depois o sucessor de Oba Adele, Oba Idewu, morreu e Adele foi convidado para assumir o trono de volta. Tinubu foi junto e continuou a agir por baixo dos panos, influenciando a política e fazendo mais e mais negócios com os europeus. Nessa época ela também negociava com armas e munições, afinal é a Regra de Aquisição 34: Guerra é bom para os negócios.

    Quando Oba Adele morreu em 1837, Tunibu apoiou o filho adotivo dos dois, Oluwole como sucessor, e assim aconteceu. Logo depois ela casou com Yesufu Bada, um capitão do exército, talquei?

    Madame Tinubu estava sempre de olho no que acontecia nos bastidores do poder, e quase sempre apoiava o lado vencedor, ganhando favores com isso. Em 1841 Oluwole morreu, e ela indicou como sucessor Akitoye, seu cunhado, que ao contrário daquele parasita que mora no seu sofá, foi bem grato e quando foi escolhido Oba, concedeu vários contratos comerciais generosos à Madame Tinubu.

    Ela por sua vez investia em prensas de algodão para vender matéria-prima processada por preços melhores, e basicamente monopolizava o mercado de escravos.

    Seu comércio de armas e munições acabou sendo importantíssimo durante as guerras Abeokuta-Dahomey, quando ela armou o povo Egba até os dentes, conseguindo uma rara vitória contras as Amazonas de Dahomey. O fato de Madame Tinubu empregar mulheres em suas tropas provavelmente ajudou3.

    O auge de seu poder foi entre 1879 e 18814, quando reinou o Oba Oyekan, mas todo mundo sabia que quem mandava mesmo era Madame Tinubu.

    Seus negócios eram tocados por nada menos que 60 escravos e um escrivão alfabetizado. Ela chegou a ter no auge de suas posses 360 escravos, o que é um número absurdo para uma cidadã privada.

    Nos EUA em 1860 somente 11 mil fazendeiros, 3/4 de 1% da população branca tinha mais de 50 escravos. Só 2358 tinham mais de 100 escravos em suas plantações. O dono de escravos médio morava em uma cabana de madeira, era agricultor e não fazendeiro e tinha entre quatro e seis escravos, raramente alguém tinha mais de cinco5.

    Detalhe: Toda essa fortuna foi conseguida na base do contrabando. Os ingleses tecnicamente aboliram o Tráfico de Escravos do Atlântico em 1807, então todas as cargas que a Madame Tinubu negociava estavam sujeitas a busca e apreensão pelos navios de guerra de Sua Majestade. Por causa disso ela pegou uma raiva quase patológica de europeus, missionários e… brasileiros.

    O Império Britânico tentava acabar com o tráfico de escravos, mas era virtualmente impossível. O governo local, pressionado por Londres fingia que patrulhava os portos e tornou ilegal a captura de escravos para exportação, mas Lagos, de uma população de 25000 habitantes em 1858, 90% eram escravos. Alguns comuns, outros escravos domésticos, que era uma forma mais branda de escravidão, onde havia uma remota chance do escravo ser libertado, e ele poderia até ser parente. Mais ou menos como um estagiário, mas com mais dignidade6.

    O que não descia na goela da Madame Tinubu eram os Saros, nome dado aos escravos libertos do Brasil, Cuba, Índias Ocidentais e Serra Leoa, que emigravam para Lagos. Eles traziam várias idéias desagradáveis, como cristianismo, e como eram patrocinados pelos ingleses, acabaram tendo várias vantagens econômicas, e eram preferidos aos comerciantes locais.

    Que muitos dos Saros acabaram comprando escravos para uso próprio e até para comércio é uma ironia que não pode passar não-mencionada.

    Em uma rara derrota política, a Madame Tinubu organizou uma revolta contra os Saros, que não deu certo, para alegria de seu maior inimigo, o Cônsul Britânico Benjamin Campbell, que odiava como ela monopolizava o comércio na região e agia livremente, com seu descarado esquema de contrabando de armas e escravos. Campbell exigiu que ela fosse exilada, e quando o Oba hesitou, ele mostrou várias canhoneiras britânicas no porto7, o que convenhamos é um excelente argumento.

    Madame Tinubu foi exilada em Maio de 1856 para sua cidade natal, mas não mexeram nos negócios dela, que prosperavam cada vez mais, com três fazendas produzindo roupas, algodão e uma penca de outros produtos que eram negociados com os europeus e com outros reinos das proximidades.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

  • A inconveniente história da Madame Efunroye Tinubu – A Yourubá que vendia gente
    Cardoso 11/02/2019

    Pelo que aprendemos de escravidão no colégio a África era um paraíso puro e inocente com gente saltitando e cheirando flores, aí chegaram os portugueses e passaram a correr atrás de negros com redes de borboleta, para em seguida colocá-los em navios e levar para o Brasil e os Estados Unidos. Não foi bem assim.

    700 anos antes da Europa sequer saber que existia algo do lado de cá da poça, o tráfico árabe de escravos já ia de vento em popa1. Em verdade ele durou mais de um milênio, só foi acabar mais ou menos com a colonização européia no começo do Século XX.

    Entre os vários entrepostos o mais famoso era Zanzibar, hoje Tanzânia, que nos deu Freddie Mercury e 50 mil escravos vendidos por ano, mais 80 mil que morriam no caminho, trazido de várias tribos do interior, capturados por forças inimigas. Mas não fique com muita pena, quando eles ganhavam as batalhas a situação se invertia.
    Cypriani Asmani, escravo em Zanzibar. Tentou fugir com 6 anos de idade, como punição seu mestre árabe o acorrentou a uma tora de 15Kg. Ele a carregou por um ano até que foi resgatado por um missionário, em Julho de 1885.

    E não, o tráfico árabe de escravos não tinha nada de benigno. Homens eram levados para trabalhar em minas, guerrear ou exercer trabalho braçal, e as mulheres e meninas, bem… dá pra imaginar. Só digo que nenhuma mulher parecida com o Tião Macalé foi escravizada.

    O Dr David Livingstone (sim, aquele do velho meme) quando explorava o Congo encontrou uma caravana de escravos, e relatou2:

    “Nós passamos por uma mulher morta amarrada pelo pescoço a uma árvore, as pessoas da região explicaram que ela não foi capaz de acompanhar os outros escravos, e seu mestre determinou que ela não iria virar propriedade de outro se ela acordasse depois de descansar por algum tempo. Menciono aqui que nós vimos outras amarradas de forma similar, e uma jogada no caminho, baleada ou esfaqueada. A explicação que sempre recebíamos era que o árabe que era dono dessas vítimas se enfurecia por perder dinheiro com escravos incapazes de caminhar, e extravasava era raiva assassinando-os.”

    O tráfico árabe de escravos foi tão punk que em 2010 Muamar Kadafi fez m pedido de desculpas formal diante de líderes africanos:

    “Eu lamento o comportamento dos árabes… eles trouxeram crianças africanas para o Norte da África, as transformaram em escrevas, as venderam como animais, as tomaram como escravos e as negociaram de forma vergonhosa. Eu lamento e me envergonho quando nos lembramos dessas práticas, peço desculpas por isso”

    Quando um ditador sanguinário acha que a situação merece um pedido de desculpas, dá pra imaginar que foi punk a coisa.

    Do outro lado do continente, o tráfico não era um grande problema, era complicado atravessar a África toda, mas isso mudou com a chegada dos portugueses no final do Século XVI.

    Eles não trouxeram nenhum conceito novo, escravidão era um fato da vida nas nações africanas, o que eles trouxeram foi dinheiro, muito dinheiro, na forma de armas, aguardente, ferramentas, tecidos… escravos eram bens valiosos mas agora valiam literalmente ouro, impérios surgiram tendo como fonte única de renda seus recursos humanos, se me permite o cruel trocadilho.

    Impérios como o Bamana (Mali) e o Khasso (Senegal) viviam em guerra por causa disso. Mesmo perdendo algumas vezes, o lucro compensava.
    “A escravidão na África era diferente, era uma escravidão humanizada…”

    Reinos como Dahomey sofreram uma rápida wakandização, sendo que ao invés de Vibranium ganhavam dinheiro com o Motumbo. Quando os ingleses mudaram de idéia e decidiram que escravizar outras pessoas não era uma atitude muito legal, enfrentaram forte resistência principalmente de Portugal, Brasil e África. Em vários casos tinham que usar a boa e velha diplomacia de canhoneira para convencer o pessoal a abrir mão de sua maior fonte de renda, e muitos reinos simplesmente faliram.

    Essa é uma das causas da situação atual da África, países nunca tiveram uma história industrial pois tinham dinheiro de sobra para importar tudo que precisavam, até que o ouro negro secou, e o petróleo ainda não seria descoberto por pelo menos 100 anos, pra analogia voltar a fazer sentido.
    Entra a Madame Tinubu

    Nascida Efunporoye Osuntinubu Olumosa, em algum momento da primeira década do Século XIX na aldeia de Abeokuta, no que hoje é a Nigéria, e logo se casou, mas o marido morreu logo depois. Ela sustentou a si mesmo e dois filhos vendendo casca de árvore e folhas medicinais, mas sempre sonhou alto, bem alto.

    Um belo dia ela conheceu um sujeito que estava visitando a região, um tal de Oba Adele Ajosun que veio com o velho papo “Oi gata, sabia que eu sou um Rei?” E era, um rei de Lagos exilado, mas um Rei. Tinubu não pensou duas vezes, se fez de Cinderela e se casou com o Rei, afinal era 1833 e ela não seria zoada por dizer que era esposa de Adele.

    Eles se mudaram para a cidade costeira de Badagry, e como Tinubu não nasceu pra ser dona de casa, resolveu fuçar nos negócios do marido, e descobriu que era ÓTIMA comerciante. Logo ela estava coordenando uma rede de comércio que trazia escravos de Abeokuta e os trocava por sal e tabaco com os portugueses no entreposto local.

    Algum tempo depois o sucessor de Oba Adele, Oba Idewu, morreu e Adele foi convidado para assumir o trono de volta. Tinubu foi junto e continuou a agir por baixo dos panos, influenciando a política e fazendo mais e mais negócios com os europeus. Nessa época ela também negociava com armas e munições, afinal é a Regra de Aquisição 34: Guerra é bom para os negócios.

    Quando Oba Adele morreu em 1837, Tunibu apoiou o filho adotivo dos dois, Oluwole como sucessor, e assim aconteceu. Logo depois ela casou com Yesufu Bada, um capitão do exército, talquei?

    Madame Tinubu estava sempre de olho no que acontecia nos bastidores do poder, e quase sempre apoiava o lado vencedor, ganhando favores com isso. Em 1841 Oluwole morreu, e ela indicou como sucessor Akitoye, seu cunhado, que ao contrário daquele parasita que mora no seu sofá, foi bem grato e quando foi escolhido Oba, concedeu vários contratos comerciais generosos à Madame Tinubu.

    Ela por sua vez investia em prensas de algodão para vender matéria-prima processada por preços melhores, e basicamente monopolizava o mercado de escravos.

    Seu comércio de armas e munições acabou sendo importantíssimo durante as guerras Abeokuta-Dahomey, quando ela armou o povo Egba até os dentes, conseguindo uma rara vitória contras as Amazonas de Dahomey. O fato de Madame Tinubu empregar mulheres em suas tropas provavelmente ajudou3.

    O auge de seu poder foi entre 1879 e 18814, quando reinou o Oba Oyekan, mas todo mundo sabia que quem mandava mesmo era Madame Tinubu.

    Seus negócios eram tocados por nada menos que 60 escravos e um escrivão alfabetizado. Ela chegou a ter no auge de suas posses 360 escravos, o que é um número absurdo para uma cidadã privada.

    Nos EUA em 1860 somente 11 mil fazendeiros, 3/4 de 1% da população branca tinha mais de 50 escravos. Só 2358 tinham mais de 100 escravos em suas plantações. O dono de escravos médio morava em uma cabana de madeira, era agricultor e não fazendeiro e tinha entre quatro e seis escravos, raramente alguém tinha mais de cinco5.

    Detalhe: Toda essa fortuna foi conseguida na base do contrabando. Os ingleses tecnicamente aboliram o Tráfico de Escravos do Atlântico em 1807, então todas as cargas que a Madame Tinubu negociava estavam sujeitas a busca e apreensão pelos navios de guerra de Sua Majestade. Por causa disso ela pegou uma raiva quase patológica de europeus, missionários e… brasileiros.

    O Império Britânico tentava acabar com o tráfico de escravos, mas era virtualmente impossível. O governo local, pressionado por Londres fingia que patrulhava os portos e tornou ilegal a captura de escravos para exportação, mas Lagos, de uma população de 25000 habitantes em 1858, 90% eram escravos. Alguns comuns, outros escravos domésticos, que era uma forma mais branda de escravidão, onde havia uma remota chance do escravo ser libertado, e ele poderia até ser parente. Mais ou menos como um estagiário, mas com mais dignidade6.

    O que não descia na goela da Madame Tinubu eram os Saros, nome dado aos escravos libertos do Brasil, Cuba, Índias Ocidentais e Serra Leoa, que emigravam para Lagos. Eles traziam várias idéias desagradáveis, como cristianismo, e como eram patrocinados pelos ingleses, acabaram tendo várias vantagens econômicas, e eram preferidos aos comerciantes locais.

    Que muitos dos Saros acabaram comprando escravos para uso próprio e até para comércio é uma ironia que não pode passar não-mencionada.

    Em uma rara derrota política, a Madame Tinubu organizou uma revolta contra os Saros, que não deu certo, para alegria de seu maior inimigo, o Cônsul Britânico Benjamin Campbell, que odiava como ela monopolizava o comércio na região e agia livremente, com seu descarado esquema de contrabando de armas e escravos. Campbell exigiu que ela fosse exilada, e quando o Oba hesitou, ele mostrou várias canhoneiras britânicas no porto7, o que convenhamos é um excelente argumento.

    Madame Tinubu foi exilada em Maio de 1856 para sua cidade natal, mas não mexeram nos negócios dela, que prosperavam cada vez mais, com três fazendas produzindo roupas, algodão e uma penca de outros produtos que eram negociados com os europeus e com outros reinos das proximidades.

    Foi durante essa época que ela ajudou a defender Abeokuta dos Dahomey, financiando armas, treinando mulheres para funcionarem como enfermeiras de combate e vestindo um traje de guerreira e ficando ela mesma de prontidão em um posto de guarda. Por essas e outras ela ganhou o título de Iya Lode, “Primeira Dama”, isso dava a ela acesso direto às instituições políticas, incluindo poder se sentar nas reuniões dos Conselheiros do Rei. Pela primeira vez ela teve poder político oficial, sem ser por bastidores ou influência econômica.

    Não que ela não continuasse a exercer poder de bastidores, escolhendo os sucessores do Rei e ampliando sua influência até Lagos, onde também foi escolhida como Iya Lode pelo Oba local.

    Em primeiro de Dezembro de 1887 Madame Tinubu teve um mal súbito, e no final da tarde do dia seguinte, estava morta. Sem nenhum filho sobrevivente para receber sua herança, e com a maioria de suas propriedades sendo conhecidas apenas por seus escravos, o espólio se tornou um pesadelo jurídico que corre até hoje, com parentes e descendentes de parentes disputando propriedades que sequer sabem onde ficam8.

    Efunroye Tinubu entrou para a História como uma daquelas personalidades maiores que a vida, um Francesco Matarazzo ou um Rockfeller, seus feitos ajudaram a moldar o futuro de um país que nem existia, ela foi implacável em seus objetivos, mas nunca se preocupou muito com luxo e opulência. Ganhar dinheiro era mais divertido do que gastar.

    Em uma época em que mulheres eram pouco mais que objetos decorativos ela se impôs em um continente implacável, começando do nada.

    Sim, ganhar dinheiro vendendo escravos não é algo que alguém deva se orgulhar, mas era a realidade de seu tempo. Faz muita diferença não negociar escravos e viver em uma sociedade toda baseada em escravidão?

    Por isso é quase criminoso o que estão fazendo com Efunroye Tinubu. De 2012 para cá uma campanha de “limpeza de reputação” está tentando reescrever a História, dizendo que ela se arrependeu quando descobriu como os escravos eram tratados nas Colônias, e passou a combater o tráfico.

    Isso é ridículo. Os ingleses aboliram o tráfico em 1807, antes mesmo de Tinubu nascer, toda sua carreira foi feita na ilegalidade, ela sabia muito bem o que era escravidão, e não faltavam escravos libertos para contar a história.

    Citando Maria Emília Madeira Santos:

    “Não se deveria estranhar, por isso, que os principais opositores ao avanço imperial da Europa sobre a África ocidental tenham sido, de Madame Tinubu a Samori, irredutíveis em sua determinação de produzir e vender escravos. Mesmo depois de cessado o tráfico transatlântico, continuaram eles a ter na escravização e venda do inimigo a base econômica de seu poder militar9.”

    Certa vez ela foi acusada em Abeokuta de tentar vender um menino escravo. Levada diante das autoridades, ela explicou: “Tenho uma casa grande, com muita gente, tenho que alimentá-los, preciso de dinheiro pra isso10“.

    Na mesma biografia é contada uma conversa entre Tibunu e o infame traficante de escravos brasileiro Domingos Martinez, quando os negócios iam mal, depois do tratado de 1852 abolindo a escravidão em Lagos (quá!).

    Eles conversavam sobre um lote de 20 escravos que não conseguiram vender. Madame Tibunu diz que preferia afogar todos eles a ter que vendê-los com desconto.

    Comerciante até a alma.

    Madame Tibunu foi homenageada com a Praça Tibunu, em Lagos, Nigéria, um monumento digno a uma figura complicada de um país complicado em um continente complicado. Esperemos que ela continue lá, até a militância brasileira aparecer para explicar aos nigerianos que 167 anos depois eles ainda devem viver traumatizados pela escravidão como se tivessem sido diretamente atingidos por ela, e é hora de derrubar a estátua dessa mulher malvada!
    Bibliografia

    Bethwell A. Ogot, Zamani: A Survey of East African History, (East African Publishing House: 1974), p.104
    Loso Kiteti Boya: D.R. Congo: the Darkness of the Heart: How the Congolese Have Survived 500 Years of History, (Xlibris Corporation: 2010), p.71
    Cheryl Johnson-Odim, Nina Emma Mba: For Women and the Nation: Funmilayo Ransome-Kuti of Nigeria, (University of Illinois Press: 1997), p.7
    Moshood Ademola Fayemiwo, PhD & Margie Neal-Fayemiwo, Ed.D: ASIWAJU: The Biography of Bolanle Ahmed Adekunle Tinubu, (Strategic Book Publishing & Rights Agency: 2017), p.14
    The Old South: Images and Realities (Digital History: 2016)
    Robert Sydney Smith: The Lagos Consulate, 1851-1861, (University of California Press, 1979), p.72
    Emmanuel Kwaku Akyeampong: Dictionary of African Biography, Volumes 1-6, (Oxford University press, 2012), p.29
    Akioye Seun: Madam Tinubu: Inside the political and business empire of a 19th century heroine, (The Nation, 2014)
    Maria Emília Madeira Santos: A Africa e a instalação do sistema colonial (c.1885-c.1930), (Instituto de Investigação Científica Tropical, Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga, 2000), P.211
    Yemitan, Oladipo. Madame Tinubu: Merchant and King-maker. University Press, 1987. p. 28.

    https://contraditorium.com/2019/02/11/a-inconveniente-historia-da-madame-efunroye-tinubu-a-youruba-que-vendia-gente/
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Ora, "é da cultura deles, temos que respeitar"
  • Quer ver um esquerdista (branco ou negro) pular mais que cabrito em véspera de foice é dizer que Zumbi tinha escravos escravizados no seu quilombo...
  • E disto resulta que um povo que se escravizam merecem ser escravizados.

    um branco que casa com um negro é considerado não racista, mas negros que preferem casar com brancos são racistas?
  • Ô Criaturo, o caso não é de merecer, mas de desmentir um mito. Querem os esquerdistas vender a ideia de que a África era um paraíso para os negros que lá viviam, mas virou um inferno quando os brancos lá chegaram e passaram a escravizar os nativos.
  • E disto resulta que um povo que se escravizam merecem ser escravizados.

    Povo que não tem virtude acaba por ser escravo.


  • índios possuem virtudes
  • Criaturo, isso não é o caso. Os que não têm virtudes ferram os que têm e não zelam por ela. O PT & Cia Bela ficaram lá no Congresso tentando obstruir pauta e entre outras jogadas, quiseram convocar o Ministro da Educação para se explicar sobre ter chamado os brasileiros de antropófagos. Onde se viu um colombiano insultar a gente do país onde vive?
    Mas o cara tem toda razão. Brasileiros que viajam em classe executiva às vezes roubam travesseiros e cobertores do avião. É só para fazer graça é óbvio, pois é uma gente com tanta grana que não precisaria disso. O Alexandre Garcia, quando estava deixando um Hotel em Buenos Aires, teve de abrir suas malas. Não tinha nada de errado e aí o gerente desculpou-se, dizendo que com brasileiros era norma fazer isso, pois eles têm o costume de roubar lençóis, cobertores, abajures... Vejam só a nossa casta de magistrados, políticos & Cia Bela: ganham salários altíssimos, mas inventam auxílios, verbas indenizatórias, assessores, etc e tal...
    Este é um país que vai pra frente, mas não com esse povo...
  • índios possuem virtudes

    Os povos indígenas mais avançados foram massacrados por 1/2 duzia de espanhóis e um cavalo.

  • ENCOSTO disse:
    índios possuem virtudes

    Os povos indígenas mais avançados foram massacrados por 1/2 duzia de espanhóis e um cavalo.

    o mais racional escraviza ?

    os tupi guaranis possuíam suas culturas e virtudes e foram escravizados pelos portugueses avançados e civilizados.

    os mais civilizados e avançados, phoderão ainda destruir o planeta!
  • Botânico disse: Criaturo, isso não é o caso. Os que não têm virtudes ferram os que têm e não zelam por ela. O PT & Cia Bela ficaram lá no Congresso tentando obstruir pauta e entre outras jogadas, quiseram convocar o Ministro da Educação para se explicar sobre ter chamado os brasileiros de antropófagos. Onde se viu um colombiano insultar a gente do país onde vive?
    Mas o cara tem toda razão. Brasileiros que viajam em classe executiva às vezes roubam travesseiros e cobertores do avião. É só para fazer graça é óbvio, pois é uma gente com tanta grana que não precisaria disso. O Alexandre Garcia, quando estava deixando um Hotel em Buenos Aires, teve de abrir suas malas. Não tinha nada de errado e aí o gerente desculpou-se, dizendo que com brasileiros era norma fazer isso, pois eles têm o costume de roubar lençóis, cobertores, abajures... Vejam só a nossa casta de magistrados, políticos & Cia Bela: ganham salários altíssimos, mas inventam auxílios, verbas indenizatórias, assessores, etc e tal...
    Este é um país que vai pra frente, mas não com esse povo...

    governos corruptos são gerados por povos corruptos
  • o mais racional escraviza ?

    os tupi guaranis possuíam suas culturas e virtudes e foram escravizados pelos portugueses avançados e civilizados.

    os mais civilizados e avançados, phoderão ainda destruir o planeta!



    mimimi

  • evolução das espécies ruins
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    editado February 23
    CRIATURO disse: o mais racional escraviza ?

    os tupi guaranis possuíam suas culturas e virtudes e foram escravizados pelos portugueses avançados e civilizados.

    os mais civilizados e avançados, phoderão ainda destruir o planeta!
    E tinham seus defeitos e costumes bárbaros também, tipo matar bebês com defeitos físicos ou um dos gêmeos.

    Ou viverem em guerras uns com os outros, não porque quisessem expandir o território, mas para provarem que eram grandes guerreiros. Além de praticarem o canibalismo.

    Não esquecendo que o povo dos sambaquis, que tinha chegado talvez uns 10 mil anos antes, foi exterminado por eles.

    Quanto aos incas, astecas e outros povos, tinham escravos e faziam sacrifícios humanos, inclusive de crianças.

  • Modelo tribal é ultrapassado, fato. Mas o pesspal se engana achando por eles serem mais simplorios e mais em contato com a natureza logo são seres puros e inocentes.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Fernando_Silva disse:
    CRIATURO disse: o mais racional escraviza ?

    os tupi guaranis possuíam suas culturas e virtudes e foram escravizados pelos portugueses avançados e civilizados.

    os mais civilizados e avançados, phoderão ainda destruir o planeta!
    E tinham seus defeitos e costumes bárbaros também, tipo matar bebês com defeitos físicos ou um dos gêmeos.

    Ou viverem em guerras uns com os outros, não porque quisessem expandir o território, mas para provarem que eram grandes guerreiros. Além de praticarem o canibalismo.

    Não esquecendo que o povo dos sambaquis, que tinha chegado talvez uns 10 mil anos antes, foi exterminado por eles.

    Quanto aos incas, astecas e outros povos, tinham escravos e faziam sacrifícios humanos, inclusive de crianças.

    de fato não existe santidade humana e somos responsáveis por boa parte dos nossos sofrimentos!
  • o mais racional escraviza ?


    Você puxa carroça enquanto o cavalo vai de boas sentado no banco dela?

  • se tivesse ferido ,puxaria!
    sou contra todo tipo de escravidão!
    o mais racional deseja impor sua razão ao custo de acabar não tendo mais razão.
  • @Judas temos material pro dossie aqui.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • CRIATUROCRIATURO Member
    editado February 26
  • Nossa essa piada foi tão ruim.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • foi um doce de piada!
  • JudasJudas Moderator
    CRIATURO disse: foi um doce de piada!


    kkkkkkk

    Eita, Criaturo...
  • CRIATURO disse: foi um doce de piada!

    Doce como o seu (*).

      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Gulosa e dos grandes que tu gosta.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado March 8
    ENCOSTO disse: Povo que não tem virtude acaba por ser escravo.

    A citação completa é "Povo que não tem virtude acaba por se escravo, tchê!"
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    CRIATURO disse: índios possuem virtudes

    Nisto ele tá certo!
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    ENCOSTO disse:
    Os povos indígenas mais avançados foram massacrados por 1/2 duzia de espanhóis e um cavalo.

    Foi pedido recontagem.
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.