Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

"Hipótese cultural" do subdesenvolvimento desmistificada

HuxleyHuxley Member
editado December 2016 em Religião é veneno
Ver uma excelente resenha do excelente livro cujo trecho de texto porei abaixo: http://www.mundorama.net/2012/12/07/resenha-de-por-que-as-nacoes-fracassam-as-origens-do-poder-da-prosperidade-e-da-pobreza-de-daron-acemoglu-e-james-robinson-por-gustavo-resende-mendonca/  

Retirado do capítulo 2 do livro “Porque as Nações Fracassam” de James Robinson e Daron Acemoglu (Editora Elsevier):

HIPÓTESE CULTURAL 

A segunda teoria que goza de ampla aceitação, a hipótese cultural, correlaciona prosperidade e cultura. A hipótese cultural, do mesmo modo que a geográfica, é de linhagem distinta, remontando no mínimo ao grande sociólogo alemão Max Weber, que defendia que a Reforma Protestante e a ética protestante dela decorrente desempenharam papel central na facilitação da ascensão da moderna sociedade industrial na Europa Ocidental. A hipótese cultural já não se baseia exclusivamente na religião, mas enfatiza igualmente outros tipos de crenças, valores e éticas. Por mais que não seja politicamente correto dizê-lo em público, ainda há quem mantenha, e não são poucos, que os africanos são pobres por serem desprovidos de uma boa ética de trabalho, insistindo em acreditar em feitiçaria e magia ou resistindo às novas tecnologias ocidentais. Muitos acreditam também que a América Latina jamais enriquecerá devido ao caráter intrinsecamente libertino e carente de seu povo, que além disso sofre do mal da cultura “ibérica”, a tendência a deixar tudo para mañana (amanhã). Evidentemente, muitos já acreditaram que a cultura chinesa e o confucionismo fossem incompatíveis com o crescimento econômico, muito embora a importância da ética de trabalho chinesa como motor do crescimento na China, Hong Kong e Cingapura seja agora alardeada. Será que a hipótese cultural é útil para compreender a desigualdade mundial? Sim e não. Sim, no sentido de que as normas sociais, que são relacionadas à cultura, exercem profunda influência e podem ser difíceis de mudar – além de, por vezes, darem sustentação às diferenças institucionais que, segundo este livro, são o que explica as desigualdades mundiais. Em sua maior parte, porém, não, à medida que os aspectos culturais que se costuma enfatizar – religião, ética nacional, valores africanos ou latinos – não têm importância para entendermos como chegamos até aqui e por que as desigualdades do mundo persistem. Outros aspectos, como até que ponto as pessoas confiam umas nas outras ou são capazes de colaborar, são importantes, mas constituem basicamente um resultado das instituições, não causas independentes.

Voltemos a Nogales. Como já observamos, diversos aspectos culturais são idênticos, de um lado e de outro da cerca. Não obstante, detectam-se certas diferenças marcantes de práticas, normas e valores, ainda que elas sejam não causas, mas consequências da divergência entre os rumos do desenvolvimento dos dois lugares. Por exemplo, nas pesquisas, os mexicanos normalmente dizem confiar em outras pessoas menos do que os cidadãos dos Estados Unidos declaram confiar nos outros. Contudo, a falta de confiança dos mexicanos não surpreende, tendo-se em vista que seu governo mostra-se incapaz de eliminar os cartéis de drogas ou assegurar um sistema jurídico imparcial. O mesmo vale para as Coreias do Norte e do Sul, como discutiremos no próximo capítulo. O Sul é um dos países mais ricos do mundo, ao passo que o Norte enfrenta fomes periódicas e uma pobreza abjeta. Embora, hoje, a “cultura” dos dois países seja muito distinta, ela não fez a menor diferença nos destinos econômicos divergentes dessas duas meias-nações. A península coreana tem um longo período de história comum. Até a Guerra da Coreia e a divisão no paralelo 38, apresentava uma homogeneidade sem precedentes em termos de idioma, etnicidade e cultura. Como em Nogales, o importante é a fronteira. Ao norte fica um regime diferente, que impõe instituições singulares e cria outros incentivos. Eventuais divergências culturais encontradas nas terras ao sul e ao norte da fronteira que corta Nogales ou a Coreia em duas é, pois, consequência, e não causa das diferenças nos níveis de prosperidade. E a África e a cultura africana? Historicamente, a África subsaariana sempre foi mais pobre do que a maior parte do resto do mundo e suas civilizações antigas chegaram a desenvolver a roda, a escrita (exceto por Etiópia e Somália) e o arado. Embora tais tecnologias não tivessem utilização mais ampla até o advento da colonização formal europeia, no final do século XIX e início do XX, as sociedades africanas tomaram conhecimento de sua existência muito antes. Os europeus começaram a circum-navegar sua costa ocidental no final do século XV, e embarcações asiáticas chegavam à África Oriental já muito antes disso.

Podemos compreender por que essas tecnologias não foram adotadas com base na história do Reino do Congo, na foz do Rio Congo, que deu seu nome à moderna República Democrática do Congo. O Mapa 6 mostra a localização do Congo em relação a outro importante Estado centro-africano, o Reino Bacaba, que discutiremos mais à frente neste livro. O Congo entabulou intensas relações com os portugueses após ser visitado pela primeira vez pelo navegador Diogo Cão, em 1483. Na época, o Congo era um reino altamente centralizado pelos padrões africanos, cuja capital, Mbanza, contava com uma população de 60 mil habitantes, o que a tornava mais ou menos do mesmo tamanho da capital portuguesa, Lisboa, e maior do que Londres, com sua população de cerca de 50 mil habitantes em 1500. O rei do Congo, Nzinga a Nkuwu, converteu-se ao catolicismo e mudou de nome para João I. Mais tarde, o nome de Mbanza seria mudado para São Salvador. Graças aos portugueses, os congolenses aprenderam sobre a roda e o arado, cuja adoção foi mesmo incentivada por missões agrícolas lusitanas em 1491 e 1512. Contudo, todas essas iniciativas fracassaram. Não obstante, os congolenses estavam longe de ser avessos às modernas tecnologias em geral; foram muito rápidos, por exemplo, em adotar outra venerável inovação ocidental: a pólvora. Usaram essa nova e poderosa ferramenta para responder a incentivos de mercado: a captura e exportação de escravos. Não há nenhum indício de que a cultura ou os valores africanos de alguma maneira concorressem para impedir a adoção de novas tecnologias e práticas. À medida que se estreitavam seus laços com os europeus, os congolenses adotariam outras práticas ocidentais: a escrita, estilos de indumentária e arquitetura habitacional. No século XIX, não poucas sociedades africanas tiraram proveito também das crescentes oportunidades econômicas engendradas pela Revolução Industrial, mudando seus padrões de produção. Na África Ocidental, verificou-se rápido crescimento econômico com base na exportação de óleo de palma e amendoim; em todo o sul do continente, os africanos desenvolveram produtos a serem exportados para as áreas industriais e de mineração em acelerada expansão no Rand,j na África do Sul. Contudo, esses promissores experimentos econômicos foram obliterados, não pela cultura africana nem pela incapacidade dos africanos comuns de tomar iniciativas em prol de seus próprios interesses, mas pelo colonialismo europeu, em primeiro lugar, e mais tarde pelos governos africanos pós-independência. A verdadeira razão por que os congolenses não adotaram uma tecnologia superior foi o simples fato de que lhes faltaram incentivos para tanto. Enfrentavam elevado risco de expropriação e tributação de sua produção pelo monarca todo-poderoso, houvesse ele se convertido ao catolicismo ou não. Com efeito, a insegurança imperava, não só no que dizia respeito à propriedade, mas a continuidade de sua própria existência encontrava-se sempre por um fio. Muitos eram capturados e vendidos como escravos – condições que dificilmente serviriam de estímulo para investimentos que aumentassem a produtividade em longo prazo. Tampouco o rei dispunha de incentivos para adotar o arado em larga escala ou para fazer do aumento da produtividade agrícola sua maior prioridade; a exportação de escravos era muito mais rentável. Talvez se possa afirmar que, hoje, os africanos confiam menos uns nos outros que outros povos, de outras partes do mundo – o que seria, contudo, fruto de uma longa história de instituições que solaparam os direitos humanos e de propriedade na África. A possibilidade de serem capturados e vendidos como escravos sem dúvida exerceu alguma influência sobre o grau de confiança dos africanos entre si ao longo do tempo.

E a ética protestante de Max Weber? Embora seja verdade que países predominantemente protestantes, como Holanda e Inglaterra, foram os primeiros grandes sucessos econômicos da Era Moderna, há pouca ligação entre religião e prosperidade econômica. A França, país predominantemente católico, rapidamente reproduziu o desempenho econômico dos holandeses e ingleses no século XIX, e a Itália é tão próspera quanto qualquer desses países hoje. Olhando mais para o Oriente, veremos que nenhum dos sucessos econômicos do Leste Asiático guarda qualquer relação com a religião cristã, de modo que tampouco aí a tese de uma conexão especial entre o protestantismo e o êxito econômico encontra grande respaldo.

Voltemo-nos para uma das regiões favoritas dos entusiastas da hipótese cultural: o Oriente Médio, onde os países são preponderantemente islâmicos, e os que não produzem petróleo são muito pobres, como já notamos. Os produtores de petróleo são mais ricos, mas esse golpe de sorte pouco contribuiu para a instalação de economias modernas e diversificadas na Arábia Saudita ou Kuwait. Esses fatos não constituem uma demonstração cabal da influência da religião? Por mais plausível que seja, esse argumento também não está correto. Sim, países como Síria e Egito são pobres e suas populações são basicamente muçulmanas. Contudo, apresentam outras peculiaridades bem mais significativas para efeitos de prosperidade. Em primeiro lugar, todos foram províncias do Império Otomano, o que afetou intensa e adversamente o modo como se desenvolveram. Após o colapso do domínio otomano, o Oriente Médio foi absorvido pelos impérios coloniais inglês e francês, que continuaram tolhendo suas possibilidades. Após a independência, a exemplo de boa parte do antigo mundo colonial, desenvolveram regimes políticos hierárquicos e autoritários, de que faziam parte poucas das instituições políticas e econômicas que, como mostraremos, são cruciais para a geração de prosperidade econômica. Essa trajetória de desenvolvimento foi moldada, em grande parte, pela história dos domínios otomano e europeu. A relação entre religião islâmica e pobreza, no Oriente Médio, é basicamente espúria.

O papel desses acontecimentos históricos, e não de fatores culturais, na conformação do percurso econômico da região pode ser constatado também no fato de que aquelas partes do Oriente Médio que escaparam temporariamente ao jugo do Império Otomano e das potências europeias (como o Egito, entre 1805 e 1848, sob Muhammad Ali) mostraram-se capazes de enveredar por um caminho de acelerado crescimento. Muhammad Ali usurpou o poder logo após a retirada das forças francesas que haviam ocupado o país sob o comando de Napoleão Bonaparte. Aproveitando-se da tibieza do controle exercido pelos otomanos sobre o território egípcio na época, logrou fundar sua própria dinastia, que, de uma forma ou de outra, governaria o país até a revolução encabeçada por Nasser, em 1952. As reformas de Muhammad Ali, embora tenham sido impostas por coerção, promoveram o crescimento do país à medida que a burocracia estatal, o Exército e o sistema de arrecadação fiscal foram modernizados, gerando crescimento na agricultura e na indústria. Não obstante, tal processo de modernização e crescimento chegou ao fim com a morte de Ali, quando o Egito voltou a cair sob influência europeia. Todavia, essa talvez seja uma forma errada de considerar a presença da cultura na equação. Talvez os fatores culturais mais importantes não estejam ligados à religião, mas a “culturas nacionais” específicas. Quem sabe a influência da cultura inglesa não seja importante e explique a prosperidade de países como Estados Unidos, Canadá e Austrália? Por mais sedutora que essa ideia possa parecer à primeira vista, também não funciona. Sim, Canadá e Estados Unidos foram colônias britânicas, mas Serra Leoa e Nigéria, também. As variações de prosperidade entre as ex-colônias inglesas é tão grande quanto entre os demais países do mundo. O legado britânico não é a causa do enriquecimento da América do Norte. Entretanto, há ainda outra versão da hipótese cultural: talvez a questão não seja ingleses versus não ingleses, mas europeus versus não europeus. Será que os europeus são de algum modo superiores em virtude de sua ética do trabalho, perspectiva de vida, valores judaico-cristãos ou legado romano? É verdade que a Europa Ocidental e a América do Norte, cuja população é primordialmente de ascendência europeia, são as regiões mais ricas do mundo. Talvez o legado europeu e sua superioridade cultural sejam as razões da prosperidade – e o derradeiro refúgio da hipótese cultural. Infelizmente, essa versão da hipótese oferece tão pouca capacidade de explicação quanto as demais. Argentina e Uruguai apresentam descendentes de europeus em proporções maiores de sua população total que o Canadá e os Estados Unidos, mas o desempenho econômico tanto de uma quanto do outro deixa muito a desejar. Japão e Cingapura nunca tiveram mais que uma gota de descendentes de europeus entre seus habitantes, mas são tão abastados quanto muitas áreas da Europa Ocidental.

A China, apesar de umas tantas imperfeições em seu sistema econômico e político, tem sido o país de crescimento mais rápido nas três ultimas décadas. Sua pobreza até a morte de Mao Tsé-Tung nada tinha a ver com a cultura chinesa, mas com o modo desastroso como Mao organizou a economia e conduziu a política. Na década de 1950, ele promoveu o Grande Salto Adiante, drástica política de industrialização que acarretou fome em massa. Nos anos 1960, propagou a Revolução Cultural, que levou à perseguição maciça de intelectuais e eruditos – qualquer um cuja fidelidade ao partido pudesse ser posta em dúvida –, o que mais uma vez provocou enorme desperdício dos talentos e recursos da sociedade. Da mesma forma, o atual crescimento chinês nada tem a ver com os valores ou mudanças na cultura local; é fruto de um processo de transformação econômica deflagrado pelas reformas implementadas por Deng Xiaoping e seus aliados – que, após a morte de Mao Tsé-Tung, foram pouco a pouco abandonando as instituições e políticas econômicas socialistas, primeiro na agricultura, depois na indústria.

Como no caso de sua correlata geográfica, a hipótese cultural tampouco tem serventia para explicar outros aspectos do atual estado de coisas. Há, evidentemente, diferentes crenças, valores e atitudes culturais entre Estados Unidos e América Latina; porém, assim como as que separam Nogales, Arizona, e Nogales, Sonora, ou as Coreias do Sul e do Norte, tais disparidades são consequências das diferentes instituições e histórias institucionais distintas dos dois lugares. Fatores culturais que enfatizem o modo como a cultura “hispânica” ou “latina” moldou o Império Espanhol não dão conta das divergências no seio da própria América Latina – por exemplo, por que Argentina e Chile são mais ricos que Peru e Bolívia. Outros tipos de argumentos culturais – por exemplo, os que salientam a cultura indígena contemporânea – saem-se igualmente mal. Argentina e Chile tinham população nativa relativamente pequena, se comparada ao Peru e Bolívia. Embora seja verdade, a cultura indígena como explicação também não funciona. Colômbia, Equador e Peru têm níveis de renda similares, mas a Colômbia hoje apresenta muito poucos indígenas, ao contrário do Equador e Peru. Por fim, as atitudes culturais, em geral de modificação tão lenta, dificilmente responderão por si pelos milagres do crescimento no Leste Asiático e China. Por mais persistentes que sejam as instituições, em determinadas circunstâncias podem transformar-se rapidamente, como veremos.

Comentários

  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado December 2016
    Sei não...
    Alguns conceitos me pareceram errados, mas pode ser que os erros sejam da resenha e os temas sejam tratados com mais detalhes e correção no livro.

    A referência a Weber é um caso.
    Em a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, como o próprio título deixa explícito, é apresentada uma explicação sobre como a ética protestante favorece o sucesso do Capitalismo Liberal.
    Na resenha a tese de Max Weber é apresentada como uma fórmula para a prosperidade das nações, o que é absurdo.  Weber obviamente sabia que houve nações pré-capitalistas que se tornaram prósperas antes que a ética protestante ou mesmo cristã existisse, exemplo óbvio do Império Romano, que prosperou pela conquista militar e construção de uma sociedade escravagista decorrente.  A prosperidade romana era imoral, mas nem por isto menos próspera.
    Weber apresenta a fórmula pela qual capitalismo e liberdade produzia riqueza sem a intervenção do Estado e seus argumentos são incontestáveis, mas ele em ponto algum do livro diz que este é o único modo de se produzir riqueza.

    Outras citações da resenha são tão superficiais que espera-se que em algum ponto adiante os autores desenvolvam melhor o tema.
    O rei do Congo converteu-se ao catolicismo?
    E daí???
    Apresentar como fato consumado que a - suposta - conversão do monarca é o suficiente para tratar o Congo como uma sociedade de cultura ocidental cristã é simplesmente ridículo.

    E o caso do Japão e da China...
    O Japão copiou o modelo ocidental de desenvolvimento econômico, aprendendo e implementando as técnicas industriais do Ocidente, com a questão relevante de que - tal como os romanos - tenderam a prosperar como uma nação militarista e expansionista, cuja prosperidade seria sustentada pela conquista militar.

    Com os chineses há muito mais detalhes interessantes.
    Eles desenvolveram os potenciais técnicos para a construção de uma sociedade industrial muito antes dos ocidentais, mas fracassaram miseravelmente na empreita, estagnaram como sociedade e terminaram dominados pelo ocidente no fim do século XIX.  O caminho da prosperidade só veio, de novo, quando se aliaram ao Ocidente, a quem se ofereceram como fonte global de mão de obra barata.

    Outras contradições podem ser apontadas, mas lembrando que o problema pode ser a resenha e não o livro.
  • HuxleyHuxley Member
    editado December 2016
    Acauan, acho que você se enganou. O texto postado no tópico é uma seção do livro. A resenha do livro é um texto mais curto que é acessado apenas através do link que pus no post.
     
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    Bem, tomara que estas questões tenham sido melhor trabalhadas no conjunto do livro.
     
  • VolpiceliVolpiceli Member
    editado August 10
    Fazendo essa pergunta para o Brasil. Por que São Paulo se desenvolveu enquanto o Norte e Nordeste do Brasil ficaram para trás? Brasileiros tem praticamente cultura igual, idioma igual, religião igual. Teria a ver com o clima (o Nordeste tem as frequentes secas que lhe destroem) enquanto São Paulo, e o Sul, tem clima mais ameno e terras mais férteis? A etnia da população (no Sul a população é mais europeia enquanto no Nordeste é mais africana e no Norte é mais indígena)? Tipos diferentes de colonização?
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    editado August 10
    Volpiceli disse: Fazendo essa pergunta para o Brasil. Por que São Paulo se desenvolveu enquanto o Norte e Nordeste do Brasil ficaram para trás? Brasileiros tem praticamente cultura igual, idioma igual, religião igual. Teria a ver com o clima (o Nordeste tem as frequentes secas que lhe destroem) enquanto São Paulo, e o Sul, tem clima mais ameno e terras mais férteis? A etnia da população (no Sul a população é mais europeia enquanto no Nordeste é mais africana e no Norte é mais indígena)? Tipos diferentes de colonização?
    O clima certamente influenciou, tanto na disposição para o trabalho quanto nas espécies vegetais que era possível se cultivar. Isto, mais a escassez de terras férteis, limitou o que se poderia produzir. O mesmo ocorreu no sul dos EUA, que também dependia da cultura do algodão e tinha fazendas com "coronéis" poderosos como os do nordeste.

    Que eu saiba, até recentemente, não havia países avançados como os EUA e os da Europa nas regiões tropicais.

    Não sei até que ponto foi importante, mas o isolamento geográfico deve ter pesado. Enquanto o sul recebeu levas sucessivas de imigrantes trazendo novidades e se manteve mais em contacto com a Europa, o nordeste permaneceu meio medieval e demorou a se industrializar.
     
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.