Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Brexit

Já fazem mais de 9 meses que o povo do Reino Unido, em votação histórica, escolheu deixar a União Europeia e finalmente, após uma troca de mandatário e diversos recursos burocráticos tentando atrasar ou bloquear a medida, está tudo pronto para acionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa e começar oficialmente o processo de saída de Brexit.

A data já está marcada: 29 de março. A partir desta data, começa o período de dois anos de negociações entre as partes, com a saída se consolidando em 29 de março de 2019. Na pauta, estão o futuro de cidadãos europeus que vivem e trabalham na Grã-Bretanha sob o regime de movimento livre da união (e vice-versa), as relações comerciais entre o país e o bloco e o restante da conta a pagar por suas obrigações com a UE até 2020.

De um lado, está a hiper-popular Primeira-Ministra Theresa May, com a missão de fechar um acordo que não prejudique seu país e do outro, Tusk, Tajani, Juncker e o resto da elite europeia, em busca de uma saída que impeça o dissolvimento do Projeto Europeu. O ministro inglês em cargo do Brexit, David Davis, pôs o momento em palavras contundentes – “Estamos no limite da negociação mais importante para este país em uma geração.”

Dentro de 48 horas após o Artigo 50 ser acionado, a União Europeia irá enviar o rascunho das principais linhas de negociação para as 27 capitais de países membros do bloco, em preparação ao primeiro debate sobre o tema numa cúpula extraordinária em abril ou maio – já sem a presença do Reino Unido.

O processo afetará não somente as duas partes envolvidas, mas as relações internas e externas da UE no mundo e podem ter efeito nas eleições locais dos países membros, além de balançar também o status quo do próprio Reino Unido, com movimentos para assegurar um novo referendo sobre a independência da Escócia para 2019.

É o começo de um novo mapa geopolítico – resta saber só o quão “novo” ele será.

http://lolygon.moe/2017/03/brexit-baby/
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

Comentários

  • PugIIPugII Member
    Brexit é nocivo para os britânicos, talvez, mesmo para todo o Ocidente.
    Ainda sim valeu pena e valerá concretizar a saída de um bloco capitalista ainda pior.
  • Brexit é um bom apelido para genitálias.
    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Os ingleses são fodhas, em todas ocasiões em que foi necessária uma decisão sobre seus rumos, tomaram decisões ao largo de outras nações de forma controversa as vezes, mas que no final sempre se mostraram acertadas. Não há sombra de dúvidas de que o Brexit será mais uma dessas decisões boas.
    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Senhor disse: Os ingleses são fodhas, em todas ocasiões em que foi necessária uma decisão sobre seus rumos, tomaram decisões ao largo de outras nações de forma controversa as vezes, mas que no final sempre se mostraram acertadas. Não há sombra de dúvidas de que o Brexit será mais uma dessas decisões boas.

    Ingleses e Americanos são os que mais tem os sacos roxos no planeta .
    O campo do saber é denso e inesgotável , isso é fascinante e muitas vezes frustrante .
    O canto, o lamento, a tragédia do herói morto !
    "Eu canto com a minha alma, com o meu corpo, com o meu sexo... Eu canto inteira! "
     Janis Joplin


     
  • Brexit: apoio nunca esteve tão alto. Agora 55% são a favor.brexit-statement-e1492404245497.jpgNos meses que se passaram após a independência reconquistada pelos britânicos com o BREXIT – que fez com que o Reino Unido saísse da União Européia – o apoio à saída aumentou cinco pontos.Agora 55% apoiam a saída. O nível de desaprovação é o mais baixo: cerca de 45%. Os dados são de um estudo da Orb International.A esquerda vinha alimentando um mito de que havia “arrependimento pelo Brexit”, e até diziam que os britânicos votariam de forma diferente em um segundo referendo.Ao jornal The Telegraph, Johnny Heald, diretor da Orb International, disse: “Desde novembro, os britânicos estão lentamente ficando mais confortáveis com a ideia do Brexit e, mensalmente, a aprovação à saída aumenta, principalmente pela forma coma qual o governo está tratando as negociações”.Porém, um índice precisa ser trabalhado pelos que lutaram pelo Brexit: apenas 58% acreditam que o Reino Unido conseguirá aumentar o controle da imigração. http://www.ceticismopolitico.com/brexit-apoio-nunca-esteve-tao-alto-agora-55-sao-a-favor/
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Reino Unido: Montadoras japonesas alertam que Brexit pode significar saída do país

    Enquanto as montadoras se inquietam com a demora na aprovação do Rota 2030 no Brasil, o Reino Unido passa por uma situação parecida, mas com pressão ainda mais forte, praticamente oficial por parte do governo japonês. O embaixador nipônico no país comunicou a preocupação de Tóquio em relação à saída da Grã-Bretanha da União Europeia.

    Koji Tsuruoka declarou que sem rentabilidade nas operações das empresas privadas – não só as japonesas – nenhuma delas poderá continuar com seus negócios no país. O embaixador do Japão no Reino Unido expressou preocupação com a situação das empresas nipônicas no país. Honda, Nissan e Toyota já haviam participado de uma reunião com o governo de Theresa May com a mesma preocupação em relação ao Brexit.

    Atualmente, as três montadoras japonesas representam quase metade da produção de carros no Reino Unido, que foi de 1,67 milhão de veículos em 2017. Desde que chegaram ao país nos anos 80, essas empresas já investiram US$ 56 bilhões por conta da relação entre a Grã-Bretanha e o continente europeu, vital para as operações automotivas.

    Com a aproximação do prazo oficial para o Reino Unido sair da União Europeia, o que deve acontecer em março de 2019, os fabricantes de veículos instalados no país e mais aqueles de origem local estão preocupados com a possível imposição de barreiras tarifárias no comércio com o restante da Europa.

    Uma reunião de cúpula entre Reino Unido e União Europeia foi prometida para o mês de março, a fim de que possa ser firmado um acordo comercial onde o país permaneceria livre de tarifas alfandegárias com o continente, vital para as relações entre os dois lados sem atritos após a saída do bloco. As montadoras esperam que tal acordo aconteça para que suas operações continuem no país.



    Por ora, existe alguma confiança de que um acordo será firmado, embora não haja consenso no parlamento britânico sobre o assunto, pois o livre comércio entre Reino Unido e União Europeia será regido pelas leis do bloco econômico como acontece atualmente e não por novas regras que seriam criadas em outra situação.

    Além das três montadoras japonesas, o Reino Unido ainda possui grandes operações da Ford – que já está mudando suas operações financeiras para a Alemanha por conta do Brexit – PSA (Vauxhall), BMW (MINI) e Jaguar Land Rover, fora as operações menores de Rolls-Royce e Bentley. Na Vauxhall, a PSA diz que as operações locais precisam ser enxugadas e já demitiu uma boa parte dos empregados da marca inglesa, ligada à alemã Opel, ambas compradas pelo grupo francês. Obviamente, o temor de um Brexit “duro” ajuda nesse processo de esvaziamento da empresa.

    A BMW já declarou que pode mudar a produção da MINI para a Holanda e outras plantas caso não haja acordo comercial. A Jaguar Land Rover esta expandido suas operações para Eslováquia e Áustria, mas mantém firme a proposta de permanecer no país. A Bentley já tem parte de suas operações no continente.

    No caso da Ford, o problema nem está diretamente ligado ao Brexit, mas às operações europeias, que não estão completamente saudáveis. Até rumores de uma possível saída da Europa ventilaram, mas a empresa reafirmou que não tomará o mesmo caminho da GM. Em três quartos do ano passado, a montadora teve lucro de US$ 178 milhões no bloco, ante US$ 1,04 bilhão de prejuízo no mesmo período em 2016.

    [Fonte: Auto News Europe/Forbes]

    https://www.noticiasautomotivas.com.br/reino-unido-montadoras-japonesas-alertam-que-brexit-pode-significar-saida-do-pais/
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.