Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

FIM DE SEMANA EM CUBA

ENCOSTOENCOSTO Member
editado August 2017 em Religião é veneno
FIM DE SEMANA EM CUBA
http://www.pontocritico.com/artigos-anteriores/fim-de-semana-em-cuba/n21082017082954/

ANO XIV - Nº 007/14 - 21.08.2017
CURIOSIDADE - Aproveitando a minha estada em Ft. Lauderdale, Flórida, resolvi passar o final de semana em Havana, a pobre capital da Ilha do Dr. Castro. Como a distância é relativamente pequena preferi fazer a viagem por via marítima, num pequeno, mas confortável navio.
 CONFERIR - O que me levou a voltar a Cuba, depois de 15 ou 16 anos quando lá estive pela primeira vez, foi a curiosidade. Queria ver, sentir e conferir de perto, na minha ótica, o que mudou nesse período na bela Ilha do Caribe, destroçada intencionalmente pelo comunismo liderado pelos irmãos Castro.
 RECEPÇÃO - O navio aportou em Havana, em frente a Plaza de San Francisco, pontualmente às 7 horas da cálida manhã de sábado, onde vários cubanos, cheios de expectativa de obter uma boa féria, já estavam a postos para recepcionar os quase 2000 turistas ávidos por conhecer Cuba. 
BOTES SALVA-VIDAS - Por ter sido um dos últimos a deixar a embarcação percebi, ao descer, que todos botes salva-vidas, que ficam nas laterais do navio, haviam sido baixados e estavam fazendo manobras em torno. Por curiosidade perguntei ao oficial se era algum treinamento. Em em voz baixa ele respondeu: aqui é preciso ficar atento para evitar que algum cubano venha a escalar o casco do navio em busca de refugio. Ou seja, a vontade de cair fora da Ilha é constante.
DUAS COISAS - Já em terra e dando início a minha caminhada até o centro histórico de Havana, ou Old Havana, onde se concentram os museus e centros culturais, percebi duas coisas bem distintas, desde quando  estive na Ilha:
1- as ruas e calçadas estão ainda mais esburacadas e sujas, com zero de conservação. A maioria dos prédios permanece ali, não apenas mais envelhecidos mas ainda mais deteriorados e cheios de infiltrações, por absoluta falta de manutenção. Mais: pessoas pobres e mal vestidas à vista por todos cantos e andares. 
2- os poucos prédios que foram contruídos, restaurados e/ou estão em fase de construção, são do ramo hoteleiro, que está investindo pesado em Cuba. Prova de que o governo cubano aposta forte no turismo, para  sustentar a economia.
VENDEDORES DE SERVIÇOS - Ao longo da minha caminhada até a Obispo, tradicional rua de comércio e restaurantes da capital cubana, não parei de ser assediado por alegres e gentis vendedores de serviços, tipo bici-taxi, moto-taxi, carruagens puxadas por cavalos e, obviamente, os marcantes automóveis enormes e coloridos, cujos modelos antecedem aos anos l959. Todos oferecendo, principalmente, passeios, visitas a cooperativas fabricantes de charutos, convites para frequentar os restaurantes -Paladar- e quartos para alugar, por uma ou mais noites. 
LIVROS - Na mesma rua, Obispo, lotada de turistas, entrei na livaria (FJ - Fayad Jamis) querendo verificar quais tipos de livros estavam à disposição. Não por acaso, os livros sobre política, ciências sociais e economia que podem ser vendidos (por imposição do governo) são aqueles que elogiam o sistema comunista. Isto é altamente fiscalizado. Eis alguns que o triste povo cubano tem direito a ler:
1- El Estado Virtuoso Como Proyecto Político del Libertador Simon Bolivar;
2- Con Grasmci en el ALBA de Nuestra America;  
3-  Fé por Cuba;
e,
4- Biografia de Frei Beto. Pode?DIREITOSPor certo não preciso dizer que o que mais falta em Cuba é LIBERDADE. E o que mais sobra é POBREZA, que não passa da mais pura consequência da falta de liberdade. Ainda assim, conversando com aqueles que atuam no ramo do turismo, vê-se uma certa vibração com a tímida abertura econômica, que consiste no direito de:
1- abrir seu próprio restaurante -Paladar-;
2- alugar um quarto de sua casa para turistas;
e,
3- vender charutos, abertamente. 
IMPRESSÃO PESSOAL - Chama muito a atenção o fato de  ninguem falar no celular nas ruas de Havana. Internet? Só nos hoteis e mesmo assim com a obrigação de digitar senha. Papel higienico nos lavatórios? Nem pensar. É preciso levar no bolso.Com tamanha falta de liberdade, o que mais ouvi dos passageiros do navio foi: os cubanos e a sua capital não mereciam a vida que levam. Mais: de que adianta ser alfabetizado se o povo só tem direito a ler somente aquilo que o governo permite?Amanhã, para completar, disponibilizo um link de fotos, tiradas aleatoriamente, para que tenham uma ideia do que existe e se passa na capital da Ilha do Dr. Castro.

Comentários

  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    editado August 2017
    O fundador do Religião é Veneno, comunista fanático, visitou Cuba no ano passado e voltou falando maravilhas. Entretanto, algumas coisas conseguiram atravessar as lentes cor-de-rosa dos seus óculos, mesmo ele tendo depois tentado justificar e relativizar os problemas. Se até ele percebeu isto, que dirá uma pessoa com a mente aberta...

    1. O transporte público é nulo
    2. Não dá para comer nos restaurantes públicos. São muito ruins
    3. As padarias públicas são uma pobreza
    4. As pessoas têm medo de criticar a ditadura em público
    5. Os moradores não podem reformar suas casas - mesmo porque não têm dinheiro para isto - e o governo não o faz. O resultado é que, tirando os locais turísticos, o resto da cidade está caindo aos pedaços.
    6. A população está dividida em pobres (os negros) e ricos (os brancos).
    7. Cuba não consegue gerar riqueza suficiente para se manter e depende de esmolas. No passado, vinham da URSS, depois, da Venezuela e agora estão tentando os EUA.
    8. O governo monopoliza a economia e restringe a iniciativa privada. Até para alugar um quarto, é preciso autorização oficial. Pelo menos até recentemente, usar o próprio carro como táxi era ilegal.
    9. A Internet é caríssima em relação ao salário de fome dos cubanos.
    10. Os mercados públicos têm poucas opções e os funcionários (públicos) tratam mal os clientes.
    11. A produtividade dos trabalhadores é baixa, já que ganham pouco e não têm chance de serem promovidos.
    12. A sociedade é acomodada e sem ambição, nivelando-se por baixo.

    Uma das fotos que ele mostrou como exemplo de riqueza e fartura mostrava uma padaria: o visual era tosco e só havia um tipo de pão à venda.
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    Fernando_Silva disse: O fundador do Religião é Veneno, comunista fanático, visitou Cuba no ano passado e voltou falando maravilhas. Entretanto, algumas coisas conseguiram atravessar as lentes cor-de-rosa dos seus óculos, mesmo ele tendo depois tentado justificar e relativizar os problemas. Se até ele percebeu isto, que dirá uma pessoa com a mente aberta...

    Em outras palavras, se a propaganda do defensor incondicional mostra que o lugar é uma merda, é porque é ainda pior do que parecia.
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.