Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Quando pegar uma imagem da internet pode sair caro

Direitos Autorais. Sim, a matéria é muito importante para produtores de conteúdo dentro da internet. Fotografia é minha área, mas o pessoal que escreve, faz música ou até mesmo podcasts, pode ter o seu produto roubado e distribuído por outras pessoas com objetivos comerciais. A maior parte das pessoas ainda não entende, mas isso é crime. Se está na internet não é público, alguém é dono dessa bagaça. O fato de compartilhar na internet não transforma o produto em algo em gratuito.


Quem aprendeu isso a duras penas foi o comerciante Dan Dasilva . Algum tempo atrás ele procurou algumas imagens na internet para utilizar em uma de suas lojas on-line. Procurou no Google Images e encontrou as fotos perfeitas para seu objetivo. Fez um download e começou a utilizá-las sem a menor preocupação. Algum tempo depois chegou em sua residência o nosso amigo Processinho. O detentor dos direitos autorais da imagem estava iniciando uma ação judicial por uso indevido das fotos. Dan percebeu que se a disputa acabasse em um tribunal ele teria que desembolsar algo em torno de US$ 150 mil por cada imagem. Ele foi esperto (e deve ter recebido bons conselhos do advogado) e entrou em um acordo com o fotógrafo pagando “apenas” US$ 37 mil entre direitos autorais e custos do processo. Aprendam crianças, é muito difícil ganhar um processo de infração de direitos autorais contra o autor do produto que foi utilizado indevidamente.


Para desabafar, Dan fez o vídeo que se encontra abaixo. Ele fala de todo o rolo em que se meteu e, além de avisar as pessoas sobre os perigos de utilizar imagens da internet, o animalzinho parece não ter entendido o que ele fez de errado. Ele avisa que existem pessoas mal intencionadas que ficam compartilhando fotos na internet só para utilizar como isca e processar as pessoas que utilizam essas fotos. Ou seja, ele ainda acha que a culpa é de quem fez a imagem. Nos Estados Unidos, assim como no Brasil, não é necessário nenhuma marca na foto ou aviso para que o direito autoral seja reconhecido e preservado. A imagem é protegida já no momento em que você aperta o botão do disparador.

http://meiobit.com/374266/quando-pegar-uma-imagem-da-internet-pode-sair-caro/
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

Comentários

  • Eu tenho uma dificuldade danada, pois em Biologia não dá para você ter sempre à sua disposição material para você mesmo fazer a foto ou esquema que precisa para suas apostilas ou apresentação em aula. Sempre que possível, faço as minhas próprias, mas tem vez que não dá. Contudo, sempre faço a advertência aos meus alunos para que tenham cuidado com isso de imagens e fontes (elas também têm direito autorais).
    E para piorar a minha situação, ouvi falar que, ao contrário dos livros e assemelhados, cujo direito torna-se público após setenta anos da morte do autor, isso NÃO ACONTECE com as figuras. Assim se eu pegar uma figura feita lá no século XIX e usar numa publicação, vou me ferrar...
  • Um cara aqui perto de casa precisou mudar o nome da lancheria. Era Malibu e virou "Maligu". 
  • BotânicoBotânico Member
    editado October 31
    E tinha um cara  não sei onde que era dono no Bar  do Xuxa (que era o apelido dele desde criança) e, advinhou: a Dona Xuxa caiu de pau em cima dele, dizendo que Xuxa era marca registrada dela, etc e tal... Ao que soube ela perdeu o processo e o cara disse:
    _ Era só ela falar e eu vendia o bar para ela....
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Botânico escreveu:
    E tinha um cara  não sei onde que era dono no Bar  do Xuxa (que era o apelido dele desde criança) e, advinhou: a Dona Xuxa caiu de pau em cima dele, dizendo que Xuxa era marca registrada dele, etc e tal... Ao que sou ela perdeu o processo e o cara disse:
    _ Era só ela falar e eu vendia o bar para ela....
    Além do quê, o nadador Fernando Scherer também era conhecido como Xuxa.
  • Burra mesmo é ela não permitir a exibição do filme Amor, Estranho Amor nos cinemas... Gente, filmes de grande sucesso e de muito melhor qualidade mofam nas cinematecas e vão querer me dizer que cinemas gostariam de exibir esse filme, cujas cenas com ela podem ser baixas na Internet numa boa?
  • Direitos Autorais — a regra vale para os dois lados


    Sim, mais um pouco de Direitos Autorais. Esse tema é muito presente em tempos de fotografia digital e internet. O normal é que algum incauto achou uma foto legal no Google Imagens e acabou utilizando ela para algum uso comercial. Como ele não entende nada de direito moral e direito patrimonial, acaba levando um processinho por uso indevido da imagem quando o autor descobre esse uso. Quando a treta é contra grandes veículos de comunicação é tudo mais suculento, pois teoricamente eles deveriam ser mais responsáveis para com a legislação de direitos autorais. Mas, esse caso que aconteceu nos Estados Unidos é muito mais complicado.

    Tudo começou com o fotógrafo Jon Tannen, de Nova Iorque. Ele entrou com uma ação contra a CBS Interactive por utilizar fotos suas sem autorização na sessão de esportes. O 247 Sports publicou em janeiro de 2017 um artigo sobre um jogador de futebol do Bronx que Tannen fotografou em 2016. Nessa reportagem a CBS utilizou essas fotos de Tannen sem a sua permissão. O fotógrafo reclamou dessa violação em seu twitter e logo depois entrou com a ação judicial pedindo US$ 150.000,00 pelo uso indevido de seu material.


    Alex Gleitman, editor chefe do 247Sports respondeu ao fotógrafo que as imagens foram encaminhadas para eles pelo próprio atleta e que foi citado na reportagem a autoria das fotos. Por esse fato eles pensaram que estava tudo certo. As fotos foram retiradas do ar logo após a reclamação, mas o fotógrafo não aceitou as justificativas e partiu para o enfrentamento judicial,


    Porém, algo incomum aconteceu. Em vez de apenas se defender, a CBS decidiu atacar. Um ataque totalmente fora no normal. A empresa fez uma investigação nas redes sociais do fotógrafo e descobriu que ele utilizou screenshots de uma série de TV de 1958 (Gunsmoke) cujos direitos pertencem à CBS. A empresa entrou com um processo por violação de direitos autorais contra o fotógrafo por utilizar imagens estáticas de um material de vídeo que pertence ao grupo. O valor do processo contra Tannen é de US$ 150.000,00 por uso indevido do material. Em seu processo, a CBS acusa Tannen de ser um hipócrita, processando a CBS por infração enquanto ele próprio usa um quadro imóvel protegido por direitos autorais sem permissão.


    E agora? Ninguém sabe. Nos Estados Unidos esse tipo de compartilhamento é considerado um uso justo. Blogs, críticos culturais e sites especializados em entretenimento utilizam sem problemas screenshots de séries e programas de TV. Tecnicamente esse material é protegido pelos direitos autorais, mas eles próprios se beneficiam da exposição e propaganda feita por esses sites. Todo mundo concorda que a CBS só quer trollar o fotógrafo, mas o processo é real e pode abrir um precedente muito estranho na mídia americana.



    http://meiobit.com/375017/cbs-gunsmoke-direitos-autorais-a-regra-vale-para-os-dois-lados/
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.