Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

O mundo islâmico não precisa de uma reforma

EmmedradoEmmedrado Member
editado October 2017 em Religião é veneno
O mundo islâmico não precisa de uma reforma
Por que um muçulmano John Locke seria muito mais útil do que um muçulmano Martin Lutherlead_960.jpg?1509377868
Os peregrinos muçulmanos descansam na frente de um mural retratando a Kaaba na Grande Mesquita durante a peregrinação haj. Mohammed Salem / Reuters Mais importante ainda, alguns protestantes primitivos, que buscavam desesperadamente a liberdade religiosa por si mesmos, encontraram inspiração para isso no Império Otomano, que era então mais tolerante à pluralidade religiosa do que a maioria dos reinos católicos. Jean Bodin, ele mesmo católico mas crítico, admirava abertamente esse fato. "O grande empereour dos turcos", escreveu o filósofo político na década de 1580, "não detesta não a religião das outras; mas para a contrariagem que cada homem possa viver de acordo com sua consciência ". É por isso que o próprio Lutero havia escrito sobre protestantes que" querem que o turco venha e governe porque eles acham que nosso povo alemão é selvagem e não civilizado ".Certamente, esses dias já se foram. Os grandes distúrbios que começaram no Ocidente com a Reforma Protestante levaram ao Iluminismo, ao liberalismo e à democracia liberal moderna - juntamente com os frutos mais escuros da modernidade, como o fascismo e o comunismo. 

Enquanto isso, a tolerância pré-moderna do mundo muçulmano não evoluiu para um sistema de direitos e liberdades iguais. Pelo contrário, diminuiu as correntes do nacionalismo militante e do fundamentalismo religioso que começaram a ver os não-muçulmanos como inimigos internos. É por isso que hoje são os muçulmanos que procuram a liberdade que olham para a outra civilização, o Ocidente, admirando que isso "permite que cada homem viva de acordo com sua consciência".E é também por isso que existem pessoas hoje, especialmente no Ocidente, que pensam que "um muçulmano Martin Luther" é desesperadamente necessário. No entanto, por mais que desejados, eles estão errados. Porque, enquanto o legado principal de Lutero foi a ruptura do monopólio da Igreja Católica sobre o cristianismo ocidental, o islamismo não tem esse monopólio que precisa ser desafiado. 

Simplesmente não há "Papa muçulmano", nem uma organização central como a hierarquia católica, cuja autoridade sufocante precisa ser quebrada. Muito pelo contrário, o mundo muçulmano - pelo menos o mundo muçulmano sunita, que constitui sua maioria esmagadora - não tem autoridade central, especialmente desde a abolição do califato em 1924 pela Turquia republicana. O caos subsequente em si parece ser uma parte do "problema".De fato, se o mundo muçulmano de hoje se assemelhar a qualquer período da história cristã, não é a pré-reforma, mas sim a era pós-reforma . O último era um momento em que não apenas os católicos e os protestantes, mas também as diferentes variedades destes últimos estavam na garganta uns dos outros, reivindicando a justiça para serem os verdadeiros crentes, enquanto condena outros como hereges. Foi uma época de guerras religiosas e a supressão de minorias teológicas. 

Seria um grande exagero dizer que todo o mundo muçulmano está passando por conflitos sectários tão sangrentos, mas algumas partes disso - como o Iraque, a Síria e o Iêmen - são indubitàvelmente.Além disso, vários movimentos de "reforma" já surgiram no mundo muçulmano nos últimos dois séculos. Assim como a Reforma de Lutero, esses movimentos alegaram voltar às raízes bíblicas da religião para questionar a tradição existente. Enquanto alguns dos reformistas tomaram esse passo com a intenção de racionalização e liberalização, dando-nos a atual promessa chamada " modernismo islâmico ", outros o fizeram com o objetivo exato e oposto do dogmatismo e do puritanismo. A última tendência nos deu salafismo, incluindo a versão saudita do Wahhabism, que é mais rígida e intolerante do que o mainstream tradicional. E enquanto a maioria dos Salafis não eram violentos, os violentos formaram a mistura tóxica chamada " jihadismo Salafi ", que nos deu a selvageria da Al Qaeda e do Estado islâmico.Porque não existe uma autoridade religiosa central, considere a única autoridade definitiva disponível, que é o estado.

É por isso que aqueles que esperam ver um mundo muçulmano mais tolerante, livre e aberto devem buscar o equivalente não da Reforma Protestante, mas do próximo grande paradigma da história ocidental: o Iluminismo. O mundo muçulmano contemporâneo não precisa de um Martin Luther, mas um John Locke , cujos argumentos para a liberdade de consciência e a tolerância religiosa plantaram as sementes do liberalismo. Em particular, o Iluminismo britânico mais religioso, em vez do francês, pode servir como um modelo construtivo. (E, como eu argumentava em outro lugar, uma atenção especial também deveria ser dada ao Iluminismo judeu , também chamado Haskalah , e seus pioneiros como Moisés Mendelssohn. O Islã, como uma religião legalista, tem mais pontos comuns com o judaísmo do que com o cristianismo.)Por sorte, os esforços para uma iluminação muçulmana estiveram presentes desde o século 19, sob a forma do "modernismo islâmico" acima mencionado.

O historiador britânico Christopher de Bellaigue demonstrou habilmente as conquistas desta tendência em seu recente livro, The Islamic Iluminismo . Ele também observou com razão que esta era promissora - também chamada "a era liberal" do pensamento árabe pelo historiador tardio Albert Hourani - experimentou um grande passo atrás no século 20 com o colonialismo ocidental e as reações que provocou. Então veio uma onda de "contra-iluminação", que é o avivamento fundamentalista que criou o islamismo e o jihadismo.Como resultado, o mundo muçulmano de hoje é um lugar muito complexo, onde os secularistas, os reformistas liberais, os conservadores ilibórios, os fundamentalistas apaixonados e os jihadistas violentos gozam de diferentes graus de influência de região para região, de nacional a nação. A questão urgente é como mover este mundo em uma direção positiva.

Porque não há uma autoridade religiosa central para liderar o caminho, deve-se considerar a única autoridade definitiva disponível, que é o estado. Quer nos agrada ou não, o estado tem influenciado bastante a religião ao longo da história do Islã. Tornou-se ainda mais no século passado, quando os muçulmanos adoptaram de forma esmagadora o Estado-nação moderno e suas poderosas ferramentas, como a educação pública.Realmente importa, portanto, se o estado promove uma interpretação tolerante ou intolerável do Islã. Realmente importa, por exemplo, quando a monarquia saudita, que durante décadas promoveu o wahhabismo, promete promover o "Islã moderado", como o Príncipe Herdeiro Mohammed bin Salman fez recentemente , dando alguma esperança para o futuro. 

É especialmente importante que este apelo à moderação implique não apenas combater o terrorismo, mas também liberalizar a sociedade, restringindo a "polícia religiosa", capacitando as mulheres e sendo "aberto ao mundo e a todas as religiões".Esse argumento pode parecer contraintuitivo para alguns liberais ocidentais, que são propensos a pensar que a melhor coisa para um estado é simplesmente ficar fora da religião. Mas, na realidade, onde o estado já está profundamente envolvido na religião, seus passos em direção à moderação e à liberalização devem ser bem-vindos. Também vale a pena lembrar que o sucesso do Iluminismo na Europa foi em parte graças à era dos "déspotas iluminados", os monarcas que preservaram seu poder mesmo quando realizaram reformas políticas, sociais e educacionais cruciais.

Quando olhamos para o Oriente Médio, vemos que países com monarquias esclarecidas, como Marrocos ou Jordânia, promovem e exemplificam a moderação religiosa, ao contrário das muitas repúblicas "revolucionárias" que terminam como estados autoritários de partido único ou tiranias da maioria iliberal. (Somente a Tunísia se destaca como um ponto excepcionalmente brilhante.) E na Malásia, onde recentemente tive a chance inesperada de me familiarizar com a "polícia de polícia de religião", são os sultões que tentam manter tão fanáticos e seu apoio popular, em cheque.Uma iluminação islâmica de pleno direito exigiria outras características, como o aumento da classe média muçulmana (que exigiria economias baseadas no mercado em vez de estados rentiários) e uma atmosfera de liberdade de expressão em que idéias inovadoras poderiam ser discutidas sem perseguição. No entanto, mesmo esses dependem muito das decisões políticas que os estados farão ou não fazem.

Se a Reforma Protestante nos ensina qualquer coisa, é que o caminho da fraturação religiosa e a tolerância religiosa é longo e sinuoso. O mundo muçulmano está em algum lugar dessa estrada no momento, e mais torções e voltas provavelmente nos aguardam nas próximas décadas. Enquanto isso, seria um erro observar as forças mais sombrias dentro da atual crise do Islã e chegar a conclusões pessimistas sobre sua essência supostamente imutável.
https://www.theatlantic.com/international/archive/2017/10/muslim-reformation/544343/
O campo do saber é denso e inesgotável , isso é fascinante e muitas vezes frustrante .
Não tenho motivos pra acreditar em ima Divindade .
"Eu canto com a minha alma, com o meu corpo, com o meu sexo... Eu canto inteira! "
 Janis Joplin


 

Comentários

  • EmmedradoEmmedrado Member
    editado October 2017
    The Islamic World Doesn't Need a Reformation

    Why a Muslim John Locke would be much more useful than a Muslim Martin Lutherlead_960.jpg?1509377868Muslim pilgrims rest in front of a mural depicting the Kaaba in the Grand Mosque during the haj pilgrimage.Mohammed Salem / Reuters   More importantly, some early Protestants, desperately seeking religious freedom for themselves, found inspiration for that in the Ottoman Empire, which was then more tolerant to religious plurality than were most Catholic kingdoms. Jean Bodin, himself a Catholic but a critical one, openly admired this fact. “The great empereour of the Turks,” the political philosopher wrote in the 1580s, “detesteth not the straunge religion of others; but to the contrarie permitteth every man to live according to his conscience.” That is why Luther himself had written about Protestants who “want the Turk to come and rule because they think our German people are wild and uncivilized.”Surely those days are long gone. The great upheavals that began in the West with the Protestant Reformation ultimately led to the Enlightenment, liberalism, and the modern-day liberal democracy—along with the darker fruits of modernity such as fascism and communism. Meanwhile, the pre-modern tolerance of the Muslim world did not evolve into a system of equal rights and liberties. Quite the contrary, it got diminished by currents of militant nationalism and religious fundamentalism that began to see non-Muslims as enemies within. That is why it is the freedom-seeking Muslims today who look at the other civilization, the West, admiring that it does “permitteth every man to live according to his conscience.”And that is also why there are people today, especially in the West, who think that “a Muslim Martin Luther” is desperately needed. Yet as good-willed as they may be, they are wrong. Because while Luther’s main legacy was the breakup of the Catholic Church’s monopoly over Western Christianity, Islam has no such monopoly that needs to be challenged. There is simply is no “Muslim Pope,” or a central organization like the Catholic hierarchy, whose suffocating authority needs to be broken. Quite the contrary, the Muslim world—at least the Sunni Muslim world, which constitutes its overwhelming majority—has no central authority at all, especially since the abolition of the Caliphate in 1924 by Republican Turkey. The ensuing chaos in itself seems be a part of “the problem.”In fact, if the Muslim world of today resembles any period in Christian history, it is not the pre-Reformation but rather the post-Reformation era. The latter was a time when not just Catholics and Protestants but also different varieties of the latter were at each other’s throats, self-righteously claiming to be the true believers while condemning others as heretics. It was a time of religious wars and the suppression of theological minorities. It would be a big exaggeration to say that the whole Muslim world is now going through such bloody sectarian strife, but some parts of it—such as Iraq, Syria, and Yemen—undoubtedly are.Besides, various “reform” movements have already emerged in the Muslim world in the past two centuries. Just like Luther’s Reformation, these movements claimed to go back to the scriptural roots of the religion to question the existing tradition. While some of the reformists took this step with the intention of rationalization and liberalization, giving us the promising current called “Islamic modernism,” others did it with the exact opposite goal of dogmatism and puritanism. The latter trend gave us Salafism, including its Saudi version Wahhabism, which is more rigid and intolerant than the traditional mainstream. And while most Salafis have been non-violent, violent ones formed the toxic blend called “Salafi Jihadism,” which gave us the savagery of al-Qaeda and the Islamic State.Because there is no central religious authority, consider the only definitive authority available, which is the state.That is why those who hope to see a more tolerant, free, and open Muslim world should seek the equivalent not of the Protestant Reformation but of the next great paradigm in Western history: the Enlightenment. The contemporary Muslim world needs not a Martin Luther but a John Locke, whose arguments for freedom of conscience and religious toleration planted the seeds of liberalism. In particular, the more religion-friendly British Enlightenment, rather than the French one, can serve as a constructive model. (And, as I argued elsewhere, special attention should also be given to the Jewish Enlightenment, also called Haskalah, and its pioneers such as Moses Mendelssohn. Islam, as a legalist religion, has more commonalities with Judaism than with Christianity.)Luckily, efforts toward a Muslim Enlightenment have been present since the 19th century, in the form of the above-mentioned “Islamic modernism.” British historian Christopher de Bellaigue deftly demonstrated the achievements of this trend in his recent book, The Islamic Enlightenment. He also rightly noted that this promising era—also called “the liberal age” of Arabic thought by the late historian Albert Hourani—experienced a major step back in the 20th century with Western colonialism and the reactions it provoked. Then came a wave of “counter-Enlightenment,” which is the fundamentalist revival that created Islamism and jihadism.As a result, the Muslim world of today is a very complex place, where secularists, liberal reformists, illiberal conservatives, passionate fundamentalists, and violent jihadists all enjoy varying degrees of influence from region to region, nation to nation. The pressing question is how to move this world in a positive direction.Because there is no central religious authority to lead the way, one should consider the only definitive authority available, which is the state. Whether we like it or not, the state has been quite influential on religion throughout the history of Islam. It has become even more so in the past century, when Muslims overwhelmingly adopted the modern nation-state and its powerful tools, such as public education.It really matters, therefore, whether the state promotes a tolerant or a bigoted interpretation of Islam. It really matters, for example, when the Saudi monarchy, which for decades has promoted Wahhabism, vows to promote “moderate Islam,” as Crown Prince Mohammed bin Salman recently did, giving some hope for the future. It is especially significant that this call for moderation implies not just fighting terrorism, but also liberalizing society by curbing the “religion police,” empowering women, and being “open to the world and all religions.”This argument may sound counterintuitive to some Western liberals, who are prone to think that the best thing for a state is to just stay out of religion. But in a reality where the state is already deeply involved in religion, its steps toward moderation and liberalization should be welcome. It’s also worth remembering that the success of the Enlightenment in Europe was partly thanks to the era of “Enlightened despots,” the monarchs who preserved their power even as they realized crucial legal, social, and educational reforms.When we look at the Middle East we see that countries with enlightened monarchies, such as Morocco or Jordan, promote and exemplify religious moderation, unlike the many “revolutionary” republics that end up as authoritarian one-party states or tyrannies of the illiberal majority. (Only Tunisia stands out as an exceptionally bright spot.) And in Malaysia, where I recently had the unexpected chance to become acquainted with the “religion enforcement police,” it is the sultans that try to keep such zealots, and their popular support, in check.A full-fledged Islamic Enlightenment would require other features, such as the rise of the Muslim middle class (which would itself require market-based economies rather than rentier states) and an atmosphere of free speech in which novel ideas can be discussed without persecution. Yet even those very much depend on political decisions that states will make or not make.If the Protestant Reformation teaches us anything, it is that the road from religious fracturing to religious tolerance is long and winding. The Muslim world is somewhere on that road at the moment, and more twists and turns probably await us in the decades to come. In the meantime, it would be a mistake to look at the darkest forces within the current crisis of Islam and to arrive at pessimistic conclusions about its supposedly immutable essence.

    Related Video
     


    https://www.theatlantic.com/international/archive/2017/10/muslim-reformation/544343/
     
    O campo do saber é denso e inesgotável , isso é fascinante e muitas vezes frustrante .
    Não tenho motivos pra acreditar em ima Divindade .
    "Eu canto com a minha alma, com o meu corpo, com o meu sexo... Eu canto inteira! "
     Janis Joplin


     
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.