Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

O fórum pode apresentar instabilidades nesse fim de semana, pois está em reparo.

Lula e Dilma reduziram desigualdade? IBGE desmente

Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
IBGE desmonta mentiras de Lula e Dilma

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas
divulgados neste fim de semana comprovam que os ex-presidentes Lula e
Dilma mentiram e manipularam dados sobre a redução de desigualdade no
Brasil durante os governos do PT

Lula e Dilma Rousseff fizeram mais marketing do que efetivamente
produziram em resultados concretos com suas políticas de redução das
desigualdades sociais do país. Os dados do IBGE comprovam que os dois
ex-presidentes tentaram criar uma imagem de salvadores dos pobres que
não corresponde à realidade.

O fosso que separa os ricos dos pobres cresceu durante as administrações
 petistas. Os donos das grandes fortunas engordaram suas contas com a
inflação e juros altos, enquanto os pobres se endividaram comprando
cacarecos que já foram parar no lixo. Os governos petistas patrocinaram o
 maior processo de transferência de riquezas da história do país em 60
anos.

Segundo o IBGE, a inflação e a recessão dragaram 8% do Produto Interno
Bruto (PIB), causando o fechamento de centenas de milhares de empresas e
 deixando mais de 14 milhões de desempregados. Os maiores prejudicados
foram os pequenos empreendedores e a população de mais baixa renda. O
rendimento médio de quase a metade da população ficou em R$ 750, 15%
abaixo do salário mínimo. A remuneração do 1% mais rico alcançou R$ 27
mil, ou seja, 36 vezes superior à dos 50% mais pobres.

O IBGE mostrou que os 10% mais ricos do país concentram 43,4% dos
rendimentos, indicando que a desigualdade aumentou diante do estrago
provocado pela combinação perversa de inflação alta com retração
econômica e desemprego em disparada. Em 2015, o Índice de Preços ao
Consumidor Amplo (IPCA) encostou em 11%. No ano passado, ultrapassou os
6%. Os mesmos que sofreram com a carestia ficaram sem trabalho. Numa
casa com quatro pessoas, sendo duas desempregadas, a renda per capita
despencou. Não por acaso, constatou a FGV Social, a desigualdade medida
pelo índice de Gini subiu 1,6% entre 2015 e 2016, depois de 22 anos em
queda.

Dilma e Lula se empenharam e deixar os ricos mais ricos. Os dois criaram
 dezenas de empresas estatais para abrigar aliados políticos, assaltaram
 os cofres públicos e foram coniventes com a corrupção. Tudo isso
empurrou o país para a beira do precipício. Os governos do PT acabaram
empurrando para a pobreza parcela da população e destruindo sonhos e
adiando o futuro para muita gente.

É possível que, agora, os mais pobres estejam sentindo uma sensação de
melhora. Com a inflação caindo, rodando próxima de 3%, abriu-se espaço
na renda das famílias para a satisfação de necessidades mais prementes
de consumo. Mas o estrago provocado pelas administrações petistas foi
profundo. O PIB do país só voltará aos níveis de 2013 em meados de 2019.
 No caso do PIB per capita medido em dólar, serão necessários 10 anos
para retornarmos aos patamares de 2014. Será preciso um longo período de
 crescimento sustentado da atividade.
http://www.imprensaviva.com/2017/12/ibge-desmonta-mentiras-de-lula-e-dilma.html

Comentários

  • HuxleyHuxley Member
    editado December 2017
    Para quem quer se enganar, isso não faz a menor diferença. Já imagino qual poderia ser a resposta padrão. Lula fez tudo certo, mas aí veio Dilma com sua "política neoliberal", juntamente com a CIA e a Lava-Jato imperialista destruidora de empreiteira tupiniquim, e estragou tudo. Isso é a resposta do "intelectual" petista ou criptopetista. A resposta do zé povão é simplesmente "Lula rouba, mas faz" , diferentemente de Dilma e dos outros que roubam e não fazem.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
     ROBOTIZADOS PELO PETISMO
    Por : Percival Puggina

              Na tela do PC, em fonte tamanho 40, o e-mail exibia uma dessas frases nos quais o autor berra em caixa alta: "Quem é o imbecil que escreveu tanta bobagem? O sujeito consegue falar esse monte de asneiras sem sequer usar a palavra capitalismo".

    Seria eu o imbecil? Não, ufa! O texto que indignara o missivista era um artigo do excelente Rodrigo da Silva, editor do Spotniks. Citando fontes oficiais, exibia dados sobre a pobreza no Brasil após 14 anos de petismo. Por exemplo:

    a)                      25 milhões de brasileiros vivem com renda domiciliar per capita inferior à linha de pobreza, e mais de 8 milhões vivem abaixo da linha de extrema pobreza;

    b)                       39,5% das pessoas aptas a trabalhar não possuem sequer o ensino fundamental e mais de 13 milhões de brasileiros são analfabetos;

    c)                      apenas 8% têm condições de compreender e se expressar plenamente (isto é, são capazes de entender e elaborar textos seguindo normas gramaticais);

    d)                      apenas 4,9% dos estudantes da rede pública saem do ensino médio com conhecimentos básicos em matemática;

    e)                      mais de 35 milhões de brasileiros não possuem acesso sequer ao abastecimento de água tratada, e quase 100 milhões não dispõem de coleta de esgoto; do esgoto coletado, apenas 40% é tratado.

    Por aí seguia o trabalho, convertendo em números o que a realidade grita aos nossos olhos: as péssimas condições do país após uma década e meia de petismo. No entanto, diante desses dados oficiais, o indignado leitor cujo e-mail chegou ao meu correio eletrônico usa caixa alta para "gritar" que a culpa dessa realidade é do ... capitalismo.

              Entende-se. Há 40 anos, apenas uma força política atua em tempo integral no país. Faz política nas vitórias e nas derrotas. Considera as primeiras como equivalentes a tomadas revolucionárias do poder e as segundas como golpes que precisam ser desconstituídos. Nenhuma outra corrente exerce sequer fração da influência que o petismo desempenha no conjunto dos meios formadores de opinião – mídia, rede de ensino, mundo acadêmico, sindicatos e suas centrais, carreiras jurídicas e poderes de Estado, Igreja, instituições culturais. E por aí afora. É um aparelho articulado, imenso e, principalmente, robotizado para uma tarefa universal de massificação na qual a história, os fatos, as ciências, tudo tem uma e apenas uma expressão: a que serve à práxis e deve ser repetida sem cessar.

              Por isso, Lula é um santo injustiçado. Por isso, Moro é um agente da CIA. Por isso, velhacos viram heróis e guerreiros. Por isso, o PT "acabou com a pobreza". Por isso, todo miserável que vemos nas ruas é uma exceção, uma impossibilidade material. Por isso, Cuba é um paraíso e a Venezuela quase. Por isso, as incitações do PT para o dia 24 de janeiro.  Por isso, sempre que necessário, palpiteiros são convidados e aparecem para julgar os julgadores e absolver petistas em idiomas como Punjabi, Malaio, Khmer e até em francês. Por isso o governo petista arrombou os fundos de pensão das estatais e os funcionários da Petrobras, Correios, BB e CEF fazem festa para Lula e seus companheiros.

    Por isso, a pobreza brasileira é denunciada como produto de algo que simplesmente não temos: o capitalismo.  Logo o capitalismo, um sistema econômico em cujo ranking, entre 186 países, ocupamos o lugar nº 118!  Isso é robotização, daquela primitiva, dos brinquedos infantis em que se dava corda para andarem e apitarem.
    _______________________________
    * Percival Puggina (73), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.
    http://www.abdic.org.br/index.php/1894-robotizados-pelo-petismo

     
  • Podem confessar: Vocês não suportam ver a filha da empregada domestica estudando Sociologia na USP.

    Vocês não aceitam que pobre anda de helicoptero. 

    Não sejam hipocritas.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    editado April 7
    Lula é desmascarado pela ONU. Estudo comprova uma década e meia de mentiras do PT
      07-04-2018

    O ex-presidente Lula e os representantes do PT foram desmentidos por um dos mais profundos estudos sobre a pobreza no Brasil entre os anos de 2010 e 2014. Os indicadores apontam que durante os governos do PT de Lula e Dilma, nada se avançou no combate a desigualdade social no país ao longo de toda a era PT. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 22.
    Lula%2B%25C3%25A9%2Bdesmascarado%2Bpela%2BONU.%2BEstudo%2Bcomprova%2Buma%2Bd%25C3%25A9cada%2Be%2Bmeia%2Bde%2Bmentiras%2Bdo%2BPT.jpg
     O Radar IDHM, índice que compara as tendências de crescimento dos indicadores sociais na década de 2000 a 2010 e no período de 2011 a 2014. O estudo comprova que o Brasil perdeu a batalha para redução da desigualdade nos primeiros quatro anos desta década. Estudo feito pelo Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento (Pnud) em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro.

    A conclusão foi a de que o Brasil não conseguiu, em 14 anos, diminuir o fosso entre ricos e pobres. O estudo comprova que o discurso de Lula e dos integrantes do PT é meramente uma peça de marketing, enquanto os mais pobres continuam a sentir na pele o drama da pobreza e da desigualdade social.

    Se comparado a outros países como México, Chile e Colômbia, a conclusão é a de que o povo brasileiro regrediu nas conquistas econômicas e sociais entre o período e que os avanços foram maiores no estudo anterior aos governos do PT.

    Outro aspecto que chama a atenção é que o estudo foi realizado durante o período de maior prosperidade dos governos petistas. Os danos na economia causados pela corrupção na Petrobras começaram a ser sentidos justamente após o ano de 2014, o último avaliado na pesquisa. De lá para cá, mais de 12 milhões de brasileiros ficaram sem emprego, o que significa que o fosso que separa os pobres dos ricos aumentou, enquanto a renda das famílias diminuiu ainda mais.

    Entre 2000 e 2010, anos dos dois mandatos de Lula, o  Índice de Gini, que mede o nível de desigualdade, aponta que o Brasil teve uma redução da pobreza de 0,6% de 2000 a 2010, mesma proporção identificada para o período de  2011 a 2014. O valor foi considerado inexpressivo pelos especialistas, considerando que mesmo países em guerra tiveram evolução bem maior.

    As políticas de transferência de renda e de valorização do salário mínimo alegadas por Lula e Dilma não foram suficientes para mudar de forma significativa a distância dos mais pobres para os mais ricos. As projeções mostram que a desigualdade no Brasil é tão intensa que, mesmo quando a renda do pobre cresce o dobro em relação ao crescimento dos rendimentos dos mais ricos, o impacto na desigualdade ainda não é imediato.

    “A desigualdade continua sendo um desafio para o Brasil. A gente consegue aliviar a pobreza, tirar as pessoas da situação de extrema pobreza, mas as pessoas que ganham mais continuam ganhando mais ainda. Então, o fosso da desigualdade continua numa tendência bastante estável”, explica Andréa Bolzon, coordenadora do relatório de Desenvolvimento Humano Nacional do Pnud no Brasil.

    O estudo não traz detalhes sobre as causas das mudanças nos indicadores sociais, mas para o Pnud, a desigualdade leva em consideração não somente a diferença de renda, mas também disparidades territoriais, de gênero e raça.

    Tanto Radar IDHM como o IDHM são compostos por três indicadores de desenvolvimento humano: longevidade, educação e renda. O índice varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano. São cinco classificações: muito baixo, baixo, médio, alto e muito alto.

    Outra mentira de Lula e do PT. Autores do trabalho mostraram-se especialmente preocupados com o desempenho na área da educação. "Esse é o grande gargalo", constata Andrea. O documento chama a atenção, por exemplo, para a estagnação no porcentual de pessoas com 18 anos ou mais que apresentem ensino fundamental completo. Em 2011, representavam 60,1% do total. Em 2014, eram 61,8%.

    De acordo com os estudos, os avanços sociais obtidos pelos mais pobres durante a era PT foram inferiores aos observados no país durante as décadas de 60, 70, 80 e 90. Já para os mais ricos, as administrações petistas foram bastante positivas. Especialmente para os bancos, empreiteiras.
    http://www.imprensaviva.com/2016/11/lula-e-desmascarado-pela-onu-estudo.html?m=1

     
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.