Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

O fórum pode apresentar instabilidades nesse fim de semana, pois está em reparo.

O Rei dos Malucos-Beleza: Joshua Norton, Imperador dos Estados Unidos

1_5bc-M9c0STY9b22vEch9GQ.jpeg

Toda cidade tem seus malucos de estimação. O Rio de Janeiro mesmo teve vários, como o Beijoqueiro e o Profeta Gentileza. Em geral são personalidades pitorescas locais, gravitando a classificação de “Chaotic Neutral”, tendem a ser vistos com simpatia pela população e autoridades, mas também são efêmeros. 

 Raramente uma personalidade dessas ganha imortalidade, é preciso ser muito especial, nobre mesmo. E ninguém mais nobre do que Joshua Abraham Norton, um judeu inglês nascido na Londres de 1818.

 
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

Comentários

  • Joshua Norton era conhecido como um investidor inteligente mas honesto, com ética e honra, respeitado por concorrentes e clientes de seus negócios imobiliários e de importação. Atividade essa que foi sua ruína.

     Em 1852 a China passou por mais uma crise de abastecimento, e para a população não morrer (toda) de fome proibiram a exportação de arroz. Isso fez o preço no mercado americano disparar, chegando a US$0,36/Libra, ou o equivalente em valores de hoje a R$92,40/Kg. 

     Norton viu uma oportunidade de ouro: Um navio peruano estava chegando em São Francisco com uma carga de 91 toneladas de arroz, ele conseguiu negociar a compra da carga inteira por US$0,125/Libra, ou no total corrigido pela inflação, US$747.979,00.
     O plano tinha tudo pra dar certo, Joshua iria monopolizar o mercado de arroz, teria lucros incríveis, viveria cercado de iates, mulheres, carros, mulheres, mansões, mulheres, mas o Destino não quis assim. Junto com o navio peruano Glyde trazendo a carga de Norton, aportaram vários outros navios peruanos carregados de arroz. Logo o valor de mercado caiu para US$0,03 por Libra.

     Norton havia colocado todas as economias no projeto, para não ficar a ver navios ele tentou anular a negociação, a disputa foi parar nos tribunais, chegou a Suprema Corte Estadual e ele perdeu. Norton chegou a propor que a filha de seu maior credor, Mr Macondray, da Macondray & Co se casasse com ele pois assim se tornaria “Imperatriz da Califórnia”.  Joshua já estava ficando meio piroca das idéias, e quando suas as propriedades foram leiloadas para pagar a dívida, ele pirou de vez, declarou falência e sumiu da face da Terra.

     Joshua Norton só reapareceu em 1859, quando visitou a redação de vários jornais de São Francisco, levando em mãos uma declaração, pedindo que fosse publicada. A maioria dos editores leu e ignorou, mas o editor do San Francisco Bulletin estava de bom humor e mandou publicar o texto:

     RS29665_First-Norton-Proclamation-qut.jpg
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Ele basicamente diz que atendendo a um pedido da maioria dos cidadãos dos Estados Unidos, está se declarando Imperador, e convoca as autoridades para se reunirem na cidade e alterarem as Leis existentes, para oficializar sua coroação. 

     Obviamente ninguém apareceu na tal cerimônia, mas isso não impediu que o Imperador continuasse a emitir proclamações, cobrindo todos os tópicos, inclusive seu futuro casamento com a Rainha Vitória.
     Governos em geral não gostam de discursos subversivos, mas como Norton não estava tentando derrubar o Governo dos Estados Unidos -afinal ele já ERA o Imperador- ele nunca atraiu a atenção das autoridades, e andava livremente pela cidade inspecionando seus domínios.

     Emperor_Joshua_A._Norton_I.jpg

    Norton gostava de verificar o estado dos bondes e dos uniformes da polícia, era sempre extremamente educado, e um ótimo papo, as pessoas adoravam abordá-lo nas ruas e os comerciantes sempre o recebiam bem. Sempre que podia ele frequentava teatros e salas de concerto, muitas vezes ficando só na porta para conversar com os frequentadores.

     Com o tempo o Imperador Norton foi ficando mais conhecido. Ele andava de graça no transporte público, restaurantes o recebiam sem cobrar, contando em cair nas graças do Imperador e seus fãs. Teatros reservavam seus melhores lugares para ele. Até na chefatura de polícia havia uma cadeira do Imperador.

     Boa parte de seu sucesso vinha da simpatia. Norton I nunca abusou de sua posição de imperador. Ele sempre morou na mesma pensão Eureka, onde ocupava um humilde quarto de 5 metros quadrados, que custava US$0,50 por dia, diária essa paga quase sempre pela junta comercial da cidade. Esse era seu endereço oficial, consta inclusive no Censo de 1870, onde a profissão de Norton está listada como… Imperador.

     Ele costumava andar paramentado, com um uniforme militar azul, completo com espada e chapéu adornado com três penas de pavão e botões de bronze. Quando a Guerra Civil estourou o Imperador declarou sua neutralidade alternando com um uniforme cinza, para não favorecer nenhum lado.

     Com o tempo o uniforme foi ficando velho, não sendo mais digno de um imperador. A Prefeitura de São Francisco se reuniu e mandou produzirem um novo uniforme para Norton.

     Em meio a suas atividades, ele acabou fazendo muita coisa boa, ficou famosa a vez quando uma série de manifestações anti-chinesas começaram a se espalhar pela cidade. Ele se intrometeu entre um grupo de imigrantes chineses e os manifestantes, começou a recitar o Pai Nosso e desarmou a situação.

     Certa vez o impensável aconteceu: Um policial novato não conhecia o Imperador, e depois de encontrá-lo na rua deu voz de prisão e mandou Norton para um manicômio. A mídia ficou irada, o Bulletin escreveu que Norton era muito menos lunático do que os que arquitetaram sua prisão, e que eles iriam descobrir a fúria e lealdade dos súditos de Norton.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • A reportagem ainda dizia:

     
    “Norton foi em seu tempo um respeitável comerciante, e desde que ele vestiu o Manto Imperial ele não derramou nenhum sangue, não roubou ninguém e não pilhou país nenhum, o que é mais do que pode ser dito de qualquer outro nesse ramo.”


    Assim que soube do caso o Chefe de Polícia, Patrick Crowley mandou que Norton fosse solto imediatamente, com um pedido de desculpas oficial. Magnanimamente  Norton por sua vez emitiu uma proclamação perdoando o policial que o prendeu. Depois disso, os policiais de São Francisco prestavam continência ao Imperador quando passavam por ele na rua.

     As necessidades imperiais eram poucas, mas Imperador dos Estados Unidos não é um cargo que paga muito bem, então Norton complementava o orçamento… emitindo dinheiro. 

     Gráficas locais imprimiam de graça para ele notas de dinheiro, variando de US$0,25 a US$10,00, que em teoria seriam notas promissórias com juros altíssimos, mas ninguém se importava se elas seriam honradas ou não. Era uma forma digna de dar uma ajuda ao Imperador. 

     O mais legal é que vários comerciantes começaram a aceitar a moeda de Norton, e as autoridades não se intrometeram, pois não era um esquema para ficar rico, era um homem razoavelmente insano pedindo dinheiro para sobreviver sem se humilhar.

     WS3990-27-N-Norton-Norton-Paper-Money-San-FranciscoCA.jpg

    Norton fazia muito mais do que andar pela cidade. Ele era um ávido leitor e um homem com uma visão muito avançada para sua época. Reza a lenda que ele chegou até a se encontrar com Dom Pedro II.

     Seus decretos previram entre outras coisas a Liga das Nações e a construção da Bay Bridge, uma das pontes mais importantes de São, Francisco, mas foi no campo humanitário que suas idéias se destacavam.

     Emperor_Norton_proclamation_27_May_1871_African_Americans_in_public_streetcars.jpgEmperor_Norton_proclamation_7_Mar_1874_African_Americans_in_public_schools.jpg

    Norton emitiu decretos permitindo que negros andassem no transporte público e frequentassem as escolas do município, exigia o mesmo tratamento para índios e pregava tratados comerciais com a China. Norton falou até a favor do voto feminino.

     Quando os jornais de São Francisco começaram a inventar proclamações cômicas para ganhar leitores (e você achando que o Trump criou as Fake News) o Imperador Norton escolheu o The Pacific Appeal, um jornal da comunidade negra para ser seu órgão de imprensa oficial.

     Norton I reinou por 21 anos, até que no dia 8 de Janeiro de 1880 ele caiu na rua para nunca mais levantar. Uma síncope instantânea tirou do mundo Sua Majestade. Em seus bolsos, quase todas as suas posses, pouco mais de US$6,00 em dinheiro trocado. Em seu quartinho acharam uma moeda de ouro no valor de US$2,50, sua coleção se chapéus, sua espada e um franco suíço. 

     Com Norton não tinha parentes, seu enterro seria de indigente, com um caixão barato e uma cova rasa, mas o Pacific Club, uma associação de empresários interveio, fizeram uma coleta e logo os fundos estavam garantidos: Norton teria um funeral digno, com todas as flores e um caixão de Jacarandá. 

     O que se esperava uma cerimônia pequena logo fugiu ao controle, a polícia teve que ser chamada para conter a multidão, desde 7AM trabalhadores chegavam para dar o último adeus ao Imperador. Um jornal da época disse:

     
    “Os visitantes incluíam todas as classes, dos capitalistas aos pobres, do clero ao batedor de carteiras, das damas bem-vestidos às que sua roupa e atitude indicavam sua condição social [nota: puta, ele quer dizer puta].”


    No total 10 mil pessoas compareceram ao enterro de Norton I, Imperador dos Estados Unidos da América e Protetor do México.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  •   “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • SpiderSpider Member
    - Execelente tópico caro Percival.

    Abraços,
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Ele aparece como personagem do Neil Gaiman em "Sandman". Ele morre e a Morte o recebe do outro lado.
    Sandman-031-panel-2-thumb-500x473-357364.jpg
    XEAY3Dv.jpg
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.