Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Entrevista com Adolf Hitler, em 1923. Tirem as Suas Conclusões.

Entrevista com Adolf Hitler, em 1923

‘Não há espaço para o estrangeiro, não há utilidade para o vagabundo’
Esta entrevista editada de Adolf Hitler por George Sylvester Viereck ocorreu em 1923. Foi republicada na revista Liberty em julho de 1932.

Por George Sylvester Viereck

“Quando eu tomar conta da Alemanha, acabarei com os tributos no exterior e o bolchevismo em casa.”
Adolf Hitler esvaziou a taça como se não contivesse chá, mas a alma do bolchevismo.

O “bolchevismo”, o chefe das camisas marrons, os fascistas da Alemanha, continuou olhando fixamente para mim “é nossa maior ameaça. Mate o bolchevismo na Alemanha e restaure 70 milhões de pessoas ao poder. A França deve sua força não aos seus exércitos mas às forças do bolchevismo e da dissensão em nosso meio.”

“O Tratado de Versalhes e o Tratado de Saint Germain são mantidos vivos pelo bolchevismo na Alemanha. O Tratado de Paz e o bolchevismo são duas cabeças de um monstro. Devemos decapitar ambos”.

Quando Adolf Hitler anunciou este programa, o advento do Terceiro Reich, que ele proclama, parecia ainda no fim do arco-íris. Então veio eleição após a eleição. Cada vez mais o poder de Hitler cresceu. Embora incapaz de desalojar Hindenburg da presidência, hoje Hitler lidera o maior partido da Alemanha. A menos que Hindenburg assuma medidas ditatoriais, ou algum desenvolvimento inesperado perturbe completamente todos os cálculos presentes, o partido de Hitler organizará o Reichstag e dominará o governo. A luta de Hitler não foi contra Hindenburg, mas contra o chanceler Bruening. É duvidoso que o sucessor de Bruening possa se sustentar sem o apoio dos nacional-socialistas.

Muitos dos que votaram em Hindenburg estavam com Hitler no coração, mas algum senso de lealdade profundamente enraizado os impelia, no entanto, a votar no velho marechal de campo. A menos que, de um dia para o outro, surja um novo líder, não há ninguém na Alemanha, com exceção de Hindenburg, que poderia derrotar Hitler – e Hindenburg tem 85 anos! O tempo e a recalcitrância da luta francesa por Hitler, a menos que algum erro de sua parte, ou dissensão dentro das fileiras do partido, prive-o de sua oportunidade de desempenhar o papel de Mussolini da Alemanha.

O primeiro império alemão chegou ao fim quando Napoleão forçou o imperador austríaco a entregar sua coroa imperial. O segundo império chegou ao fim quando Guilherme II, seguindo o conselho de Hindenburg, buscou refúgio na Holanda. O terceiro império está emergindo lenta mas seguramente, embora possa dispensar cetros e coroas.

Não conheci Hitler em seu quartel-general, a Brown House em Munique, mas em uma casa particular – a residência de um ex-almirante da Marinha alemã. Nós discutimos o destino da Alemanha sobre as xícaras.

“Por que”, perguntei a Hitler, “você se considera um nacional-socialista, já que seu programa partidário é a própria antítese do comumente creditado ao socialismo?”

“Socialismo”, ele retrucou, abaixando sua xícara de chá, combativamente “é a ciência de lidar com o bem comum. Comunismo não é socialismo. Marxismo não é socialismo. Os marxistas roubaram o termo e confundiram seu significado. Eu vou tirar o socialismo dos socialistas.

“O socialismo é uma antiga instituição ariana, germânica. Nossos ancestrais alemães mantinham certas terras em comum. Eles cultivavam a ideia do bem comum. O marxismo não tem o direito de se disfarçar de socialismo. O socialismo, ao contrário do marxismo, não repudia a propriedade privada. Diferentemente do marxismo, não envolve negação da personalidade e, ao contrário do marxismo, é patriótico.

“Poderíamos ter nos denominado o Partido Liberal. Nós escolhemos nos chamar de Nacional Socialistas. Nós não somos internacionalistas. Nosso socialismo é nacional. Exigimos o cumprimento das justas reivindicações das classes produtivas pelo Estado com base na raça e solidariedade. Para nós, estado e raça são um”.

O próprio Hitler não é um tipo puramente germânico. Seu cabelo escuro trai um ancestral alpino. Durante anos ele se recusou a ser fotografado. Isso fazia parte de sua estratégia – ser conhecido apenas por seus amigos para que, na hora da crise, ele pudesse aparecer aqui, ali e em toda parte sem ser detectado. Hoje ele não pode mais passar despercebido através da aldeia mais obscura da Alemanha. Sua aparência contrasta estranhamente com a agressividade de suas opiniões. Nenhum reformador educado mais brando já afundou o navio do estado ou cortou garganta política.

“Quais”, continuei meu interrogatório, “são as tábuas fundamentais da sua plataforma?”

“Acreditamos em uma mente saudável em um corpo saudável. O corpo político deve ser sadio se a alma quiser ser saudável. A saúde moral e física é sinônima.” “Mussolini”, interrompi, “disse o mesmo para mim”. Hitler sorriu.

“As favelas”, acrescentou ele, “são responsáveis ​​por nove décimos, o álcool por um décimo de toda depravação humana. Nenhum homem saudável é marxista. Homens saudáveis ​​reconhecem o valor da personalidade. Nós lutamos contra as forças do desastre e a Baviera é comparativamente saudável porque não é completamente industrializada, mas toda a Alemanha, incluindo a Baviera, está condenada a um industrialismo intenso pela pequenez do nosso território.Se quisermos salvar a Alemanha, devemos garantir que os nossos agricultores permaneçam fiéis para isso, eles devem ter espaço para respirar e espaço para trabalhar.”

“Onde você vai encontrar o espaço para trabalhar?”

“Devemos manter nossas colônias e devemos nos expandir para o leste. Houve uma época em que poderíamos ter compartilhado o domínio do mundo com a Inglaterra. Agora podemos esticar nossos membros apertados apenas para o leste. O Báltico é necessariamente um lago alemão.”

“Não é”, perguntei, “possível que a Alemanha reconquista o mundo economicamente sem ampliar seu território?”

Hitler sacudiu a cabeça com sinceridade.

“O imperialismo econômico, como o imperialismo militar, depende do poder. Não pode haver comércio mundial em larga escala sem poder mundial. Nosso povo não aprendeu a pensar em termos de poder mundial e comércio mundial. No entanto, a Alemanha não pode se estender comercialmente ou territorialmente” até que ela recupere o que perdeu e até que ela se encontre.

“Estamos na posição de um homem cuja casa foi incendiada. Ele deve ter um teto sobre sua cabeça antes de poder entrar em planos mais ambiciosos. Conseguimos criar um abrigo de emergência que impede a chuva. Não fomos preparados para pedras de granizo. No entanto, os infortúnios vieram à tona: a Alemanha vive em uma verdadeira nevasca de catástrofes nacionais, morais e econômicas.

“Nosso sistema partidário desmoralizado é um sintoma de nosso desastre. As maiorias parlamentares flutuam com o clima do momento. O governo parlamentar abre o portão do bolchevismo.”

“Ao contrário de alguns militaristas alemães, você não é a favor de uma aliança com a Rússia soviética?”

Hitler evitou uma resposta direta a essa pergunta. Ele fugiu novamente quando a Liberty lhe pediu que respondesse à declaração de Trotsky de que sua suposição de poder na Alemanha envolveria uma luta de vida ou morte entre a Europa, liderada pela Alemanha e a Rússia Soviética.

“Pode não servir a Hitler atacar o bolchevismo na Rússia. Ele pode até olhar para uma aliança com o bolchevismo como sua última carta, se ele estiver em perigo de perder o jogo. Se, ele intimou em uma ocasião, o capitalismo se recusar a reconhecer que os nacional-socialistas são o último baluarte da propriedade privada, se o capital impedir sua luta, a Alemanha pode ser forçada a lançar-se nos braços sedutores da sereia da Rússia Soviética. Mas ele está determinado a não permitir que o bolchevismo crie raízes na Alemanha.

Ele respondeu cautelosamente no passado aos avanços do chanceler Bruening e outros que desejavam formar uma frente política unida. É improvável que agora, em vista do aumento constante do voto dos Nacional-Socialistas, Hitler esteja disposto a comprometer qualquer princípio essencial com outras partes.

“As combinações políticas das quais uma frente unida depende”, observou Hitler, “são instáveis ​​demais. Tornam quase impossível uma política claramente definida. Eu vejo em toda parte o curso em zigue-zague de compromisso e concessão. Nossas forças construtivas são controladas pela tirania. Nós cometemos o erro de aplicar a aritmética e a mecânica do mundo econômico ao estado vivo. Somos ameaçados por números sempre crescentes e ideais sempre decrescentes. Meros números não são importantes.”

“Mas suponha que a França revide contra você mais uma vez invadindo seu território? Ela invadiu o Ruhr uma vez antes. Ela pode invadi-lo novamente.”

“Não importa”, Hitler, completamente excitado, retrucou: “quantos quilômetros quadrados o inimigo pode ocupar se o espírito nacional for despertado. Dez milhões de alemães livres, prontos para perecer para que seu país viva, seriam mais potentes que 50 milhões cuja força de vontade está paralisada e cuja consciência racial está infectada por alienígenas.

“Queremos uma Alemanha maior unindo todas as tribos alemãs. Mas nossa salvação pode começar no menor dos cantos. Mesmo que tivéssemos apenas 10 acres de terra e estivéssemos determinados a defendê-los com nossas vidas, os 10 acres se tornariam o foco da regeneração. Nossos obreiros têm duas almas: uma é alemã, a outra é marxiana, devemos despertar a alma alemã, devemos arrancar o cancro do marxismo, o marxismo e o germanismo são antíteses.

“No meu esquema do estado alemão, não haverá espaço para o alienígena, nem para o vagabundo, para o usurário ou especulador, ou para qualquer pessoa incapaz de um trabalho produtivo.”

As veias na testa de Hitler se destacavam ameaçadoramente. Sua voz encheu a sala. Houve um barulho na porta. Seus seguidores, que sempre permanecem à disposição, como um guarda-costas, lembraram o líder de seu dever de dirigir uma reunião.

Hitler engoliu o chá e se levantou.

FONTE: The Guardian

https://www.forte.jor.br/2018/09/18/entrevista-com-adolf-hitler-em-1923/

Comentários

  • “Poderíamos ter nos denominado o Partido Liberal. Nós escolhemos nos chamar de Nacional Socialistas. Nós não somos internacionalistas. Nosso socialismo é nacional. Exigimos o cumprimento das justas reivindicações das classes produtivas pelo Estado com base na raça e solidariedade. Para nós, estado e raça são um”.

    - Coletivismo.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    “O socialismo é uma antiga instituição ariana, germânica. Nossos ancestrais alemães mantinham certas terras em comum. Eles cultivavam a ideia do bem comum. O marxismo não tem o direito de se disfarçar de socialismo. O socialismo, ao contrário do marxismo, não repudia a propriedade privada. Diferentemente do marxismo, não envolve negação da personalidade e, ao contrário do marxismo, é patriótico.
    Propriedade privada convivendo com propriedade em comum. Funcionava com tribos pequenas.
    Para funcionar num país grande, requer um governo eficiente para supervisionar a administração dessas coisas em comum, caso contrário vira estatização.
     
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.