Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

6 lixos acadêmicos custeados por você

VolpiceliVolpiceli Member
editado October 24 em Religião é veneno
1) Você pagou por um trabalho que defende “mostrar o Cu contra o capital”

A título de dissertação de mestrado para design, Carlos Guilherme Mace Altmayer apresentou em 2016 “Tropicuir. (Re)existências políticas nas ações performáticas de corpos transviados no Rio de Janeiro”. O título é um neologismo criado pelo autor, que mistura “tropical” e “queer” (termo em inglês utilizado para conceituar pessoas que não seguem o modelo de heterossexualidade ou de binarismo de gênero).

No trabalho, o autor analisa diferentes representações artísticas no Rio de Janeiro que contrariam o ambiente multicultural “em que há uma falsa tolerância em que estamos inseridos”. Para o pesquisador, há na sociedade um estímulo a uma série de comportamentos reprováveis, tais como a “homofobia, o racismo, o etarismo, o colonialismo, o capacitismo, a gordofobia, a transfobia, a lesbofobia, a bifobia e os discursos de ódio em geral”. O investigador culpa o “contexto capitalista neoliberal” por produzir a heteronormatividade, isto é, a marginalização ou perseguição de orientações e práticas sexuais que não sejam hétero.

Entre os trabalhos analisados para a produção da dissertação – apenas para citar um exemplo para o leitor entender o nível do trabalho – está a obra do artista Kleper Reis e seu projeto “CU É LINDO”. A obra compõe uma trilogia de trabalhos denominada “A Santíssima Trindade ou Em Nome Do Pau, Do Cu e Da Buceta”.

Para o autor, a mídia brasileira possui um papel de controle moral e invisibilizador das dissidências sexuais. É por isso que “A sociedade brasileira está em crescente processo de fascistização, e que insiste em controlar, manter e promover o autocontrole de nossos cus.”

Ao final ele propõe uma “urgente política na criação de linguagens estético-políticas para proteger práticas artísticas” no sentido de confrontar com uma visão binária de gênero, sendo preciso haver uma resistência a eles.

E você, leitor, pagou essa militância tese acadêmica, porque o autor foi beneficiário de um programa de bolsas da CAPES.





2) Você pagou para os níveis de problematização chegarem a um jogo

World of Warcraft é um popular jogo de RPG que se passa no universo de Azeroth. Há mais de 5 milhões de jogadores em todo o mundo, sendo bastante famoso entre os brasileiros. Como o próprio nome sugere, trata-se de um jogo de guerra, mas isso não o impediu de ser objeto de uma problematização de masculinidades a título de dissertação de mestrado.

A ideia do trabalho é relativamente simples: a mídia propaga os símbolos da masculinidade viril por intermédio de filmes, livros, revistas, séries e jogos. “Os protagonistas masculinos possuem imagens fortes, grandes e conquistadores”. Assim, há um endosso na formação de estereótipos, disseminando referências e marginalizando muitos homens que não conseguem atingir esse status hegemônico, sendo, portanto, marginalizados.

Para demonstrar isso, o pesquisador se aprofunda na narrativa do jogo em questão para identificar as estratégias discursivas presentes nas representações de tipos de masculinidades e identidades em dois personagens do jogo, entendendo que eles acabam por reforçar o estereótipo de gênero.

O trabalho é uma reflexão sobre modelos socialmente impostos por uma sociedade patriarcal em que a supremacia masculina possui sua hegemonia baseada na dominação. Na narrativa desenvolvida, ele fala de “Garrosh”, um orc que, segundo o autor, possui um problema de masculinidade por causa da relação que nunca teve perante sua figura paterna. Por ser incapaz de lidar com seus sentimentos, o orc extravasa o que sente por intermédio de sua agressividade.

Nada mau ganhar uma bolsa para passar o semestre jogando e problematizando um game e, ao final, receber um título de mestre em letras por isso.





3) Você pagou para um pesquisador viver experiências sexuais em um banheiro de rodoviária

“Fazer banheirão: as dinâmicas das interações homoeróticas nos sanitários públicos da Estação da Lapa e adjacências” é uma investigação realizada por um pesquisador que almejava o título de mestre em antropologia.

Por quatro anos, o pesquisador frequentou banheiros públicos da cidade de Salvador para observar o comportamento de homens que se relacionavam sexualmente com outros homens nesses espaços.

O autor da dissertação relata que o hábito de relacionar-se sexualmente com homens aleatórios em banheiros públicos acompanhou sua sexualidade desde quando mais jovem. Assim, decidiu investigar o caso por meio de metodologia autoetnográfica, o que significa que foi baseada na experiência pessoal do pesquisador. Ao longo de 118 páginas, ele narra vários encontros sexuais que observou e que ele próprio viveu. O objetivo? “desmarginalizar esse tipo de comportamento” para que as pessoas perdessem o preconceito em relação à prática sexual em determinados locais públicos.

A Capes financiou a pesquisa em cerca de 20 mil reais e, ao final, o autor obteve o título de mestre em antropologia na Universidade Federal da Bahia.

Após críticas recebidas pelo trabalho, diversas entidades educacionais de antropologia e grupos de estudos de sexualidade divulgaram notas de apoio à pesquisa – o que diz muito mais sobre a comunidade científica brasileira que sobre a qualidade do trabalho.




4) Você pagou para problematizarem o sertanejo universitário

A música é uma manifestação artística e, como tal, representa uma configuração social. Dessa forma, o conteúdo e forma das composições refletem mudanças culturais que ocorrem na sociedade.

Assim, enquanto no “sertanejo raiz” as letras abordavam os prazeres e as dificuldades da vida no campo, o sertanejo universitário passou a focar em prosperidade, festas e poligamia. O autor conclui que isso representa um aumento da autoestima masculina. Para tanto, ele analisa músicas como “Balada (Tchê tcherere tchê tchê)” de Gusttavo Lima, “Camaro Amarelo” de Munhoz & Mariano e “Chora, Me liga” de João Bosco e Vinicius.

O objeto de sua pesquisa é analisar o significado de cada trecho das composições. Veja esse trecho em que o autor examina o significado de trechos da música “Camaro Amarelo”:

E do dia pra noite fiquei rico → Eu sou rico e sinto orgulho disso.
Tô na grife → Eu tenho estilo e sinto orgulho disso.
Tô bonito → Eu sou bonito e sinto orgulho disso.
Tô andando igual patrão → Eu tenho status e sinto orgulho disso.
Só que agora vou escolher, tá sobrando mulher → Eu sou desejado e sinto orgulho disso

Dessa forma, segundo o autor, o sertanejo universitário traz elementos como a condição financeira estável, o acesso a bens de consumo e a lugares exclusivos, além de relações amorosas fáceis e efêmeras, o que contribui para que os homens se sintam mais realizados.

O trabalho, financiado pela CNPq, conclui que a autoestima masculina nas canções sertanejas universitárias acontece à custa da autoestima feminina.

O sertanejo virou palco de uma luta de gênero e rendeu um mestrado em linguística para o autor. O resultado prático da pesquisa, porém, é vazio: em nada muda o problema do machismo e as inúmeras agressões vividas diariamente por mulheres no país.


5) Você pagou para relatarem o que acontece em orgias gays

O resultado de uma bolsa de doutorado em antropologia foram relatos de práticas sexuais que ocorrem em festas de orgias gays no Rio de Janeiro. Basicamente o pesquisador praticou voyeurismo e relata, ao longo de 348 páginas, uma reflexão sobre o que é produzido em casas de orgias e o que proporciona o desejo de algumas pessoas a praticarem sexo coletivo de forma recorrente.

No trabalho, o pesquisador descreve as normas de conduta que são esperadas para o praticante da orgia, sendo norteadas por três princípios básicos: “masculinidade, discrição e a putaria”.

Ele conclui que as festas de orgia são “muito mais que um conjunto de pessoas que se encontram para fazer sexo umas com as outras”. Trata-se, segundo ele, de uma “tentativa de fugir de cânones morais, familiares, institucionais, religiosos e sociais”.
Essa conclusão, nada surpreendente, rendeu-lhe um doutorado em antropologia e mais uma conta para você pagar.



6) Você pagou para defenderem a criação de uma ciência autônoma racial

93% dos brasileiros acreditam haver algum tipo de racismo na sociedade brasileira. A questão da discriminação racial ainda é um grave problema social, não há como negar. Pensando nisso, uma tese de doutorado propôs uma reflexão sobre africanidade e eurocentrismo, partindo da premissa de que “há um fenômeno de racismo antinegro e antiafricano na Ciência Ocidental”.

A pesquisadora problematiza o racismo dentro do contexto do ensino superior, afirmando que “a produção científica moderna produziu verdades que negam o negro do gênero humano”. A ciência, para ela, “cria leis para a Humanidade baseada apenas no olhar do Homem branco europeu ou norte-americano”.

Ao longo do trabalho ela argumenta que o modo de fazer ciência nos aliena da função política de cada profissão. Ademais, aduz que a ciência ocidental moderna demarca fronteiras raciais em suas disciplinas com fundamentos estabelecidos há 5 séculos, resultando em opressão, violência e exclusão, “se apropriando da vida das populações negras e africanas”.

Por considerar que um africano que se forma em uma universidade na Europa passa a ter um pensamento anti-África, ela propõe a “descolonização do conhecimento”. Para tanto, é preciso um urgente distanciamento da ideia de universalidade da ciência para criar um campo completamente autônomo na produção de conhecimento das populações negras e para servir a esse segmento da sociedade.

Em outras palavras, você custeou uma pesquisa que defende jogar no lixo séculos de descobertas acadêmicas.

https://www.institutoliberal.org.br/blog/politica/6-lixos-academicos-custeados-por-voce-primeira-parte/

Comentários

  • Problematizacao e o que mais aparece em alguns sites de CUltura pop. Ja estava sabendo que isso vinha do ensino superior nacional mas isso vem de fora infelizmente. A midoa internacional tambem esta contaminada.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.