Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Sobre martelos, penas, professorinhas e plantadores de feijões

Christa McAuliffe não era uma astronauta. Não sabia pilotar um shuttle, não tinha idéia de como calcular uma órbita, trocar uma unidade AE-35 ou era qualificada para usar um traje espacial. Ela também não era uma cientista. Não conhecia a Equação de Foguetes de Tsiolkovsky, e provavelmente era incapaz de descrever ou entender a mistura de co-polímero polibutadieno-acrilonitrilo usada nos motores auxiliares. Mesmo assim ela iria viajar no Ônibus Espacial.

 20181101s86-25196orig.jpeg
Christa foi escolhida entre 11 mil candidatos para o programa Professores no Espaço, e era isso que ela era: uma simples professorinha de estudos sociais no ensino fundamental. Ela passaria 6 dias em órbita, mas não descobriria nada, não avançaria a Ciência. Isso a um custo de 65 milhões de dólares, fora o custo de seu treinamento e um ano de salário dos dois empregos que a NASA pagou, quando ela se licenciou para treinar para a missão.

 A missão era ser a primeira do programa Professores no Espaço, criado por Ronald Reagan em 1984, e desses US$ 65 milhões ela valia cada centavo.

 O trabalho de Christa não era ampliar as fronteiras da Ciência, era muito maior que isso: ela estava lá para inspirar as novas gerações, reacender nas crianças a centelha da curiosidade e da exploração, que os adultos e o sistema educacional tão eficientemente cuida de apagar assim que pode.

 No Brasil acha-se que investir em educação básica é comprar tijolo e construir escola, sem se preocupar com detalhes como o salário do professor ou se vai ter dinheiro pra comprar giz. Nos EUA há (ou havia) uma preocupação com o processo como um todo, começando lá bem cedo com as crianças.

 Quando o Sputnik atravessou incólume o céu dos EUA, houve uma verdadeira revolução com bilhões de dólares direcionados para escolas e universidades. A Corrida Espacial seria vencida pela tecnologia.

 O foco dos EUA é investir bilhões de dólares em STEM — sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, e a viagem de Christa McAuliffe era parte desse investimento. Um governo com visão entende que para fazer algo é preciso gente com vontade de fazer, e a Ciência e a Exploração dependem de novas gerações trilhando o caminho aberto pelas antigas. Christa iria criar os cientistas do futuro.

 Inspirar crianças para a Ciência é algo tão importante que na Feira de Ciências da Casa Branca o homem mais poderoso do mundo se ajoelha para examinar um robô feito por estudantes.Muita gente diria que é desperdício de tempo do presidente dos EUA acompanhar de perto uma feira de ciências que não vai descobrir nada de novo, mas não é esse o objetivo. Quando foi apresentar seu foguete na Feira Nacional de Ciências em 1960 Homer Hickam (cuja história você pode conhecer no excelente filme e livro October Sky) se perdeu no prédio procurando por Werner Von Braun. Quando voltou ele já havia passado pela mesa de seu projeto, e declarou que “aquele era o melhor foguete que ele já tinha visto fora do Cabo Canaveral”.

 Hickam, filho de um mineiro e com tudo para viver e morrer na irrelevante cidade de Coalwood, WV, se formou em engenharia e foi trabalhar na NASA, não só como engenheiro mas como treinador de astronautas também.
 Para gente imediatista não faz sentido o governo gastar uma fortuna com uma feira de ciências para crianças, e em plena corrida espacial, Werner Von Braun perder seu tempo passando um dia inteiro vendo projetos de crianças?

20181101536443main_wotyc_a_904.jpg

Felizmente também há muita gente que não pensa assim, e vê a divulgação científica como algo estratégico para seus países e para a Humanidade como um todo. É aliás o único trabalho terrestre que astronautas não reclamam. No dia-a-dia eles são obrigados a cuidar de papelada, participar de intermináveis reuniões e fazer política, mas quando dão sorte, são chamados para visitar escolas e museus, receber crianças, responder perguntas e contar suas aventuras.

 Isso funciona? Muito bem, a geração atual teve como ídolas a geração anterior, e veja esta foto de crianças ouvindo Jim Lovell em um museu:

 20181101d1387801.jpg

Eu não me surpreenderia se daqui a 20 anos a garotinha do lado do moleque abraçado com a pasta estivesse comandando uma nave da SpaceX e pousando em Marte. A expressão dela diz tudo.

 Nós somos ensinados que Ciência é difícil, ciência é coisa de nerds estranhos que falam línguas indecifráveis e não têm qualquer contato com a realidade. Como o povo vai ter interesse em Ciência se aprende desde cedo que é difícil demais pra ele?

 Países sérios fazem de tudo para popularizar a Ciência, como o Canadá, que gastou o equivalente a US$ 50 mil para colocar o astronauta Chris Hadfield conversando por 22 minutos com crianças de uma escola na Terra.
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

Comentários

  • Fora isso, ciência não é só o LHC, nem todo mundo nasce sabendo, Christa McAuliffe iria fazer experimentos básicos em órbita, que seriam repetidos em terra por alunos em escolas por todo o país. Daria uma aula direto do Space Shuttle para seus alunos na Concord High School. De novo: no papel não faz sentido, é mais barato dar aula de terra, mas quantas mentes e corações isso não iria conquistar?

     Em 1971 a NASA fez um experimento besta, para provar que Galileu estava certo. No papel, totalmente desnecessário, já sabemos que o peso de um objeto não afeta a velocidade de sua queda, a força gravitacional é a mesma. Ao contrário da Lenda Galileu não descobriu isso jogando balas de canhão da Torre de Pisa, ele usou planos inclinados, mas a NASA usou… uma pena.

     20181101galileolarge.png

    Durante a missão da Apollo XV o astronauta David Scott fez um experimento ao vivo na TV: segurando um martelo de 1,3 kg e uma pena de um falcão ele deixou os dois caírem de uma altura de 1,6 metro. Segundo Galileu, sem a resistência do ar ambos deveriam cair na mesma velocidade:



     Esse experimento já foi feito milhares de vezes em terra, em câmaras de vácuo e muito mais barato, mas qual vídeo você acha que faz as crianças dizerem “UAU!”?

     Feijão no EspaçoIsso tudo nos leva à mais estúpida crítica sobre a nomeação de Marcos Pontes para Ministro da Ciência e Tecnologia: a de que ele foi plantar feijão no espaço.

     Curiosamente não ridicularizam a NASA/ESA por fazerem a mesma coisa, com o programa SEEDS IN SPACE, cujo propósito básico é educação e divulgação científica. Sementes são enviadas para a Estação Espacial Internacional e os astronautas plantam não feijão — gringos não curtem — mas alface, como nesta imagem do astronauta francês Thomas Pesquet:

     2018110132127019866_a601d2f0a0_k.jpg

    Ao mesmo tempo são enviados kits para escolas, as crianças plantam as sementes e cuidam delas, regando e acompanhando em sincronia com os astronautas em órbita, e o crescimento é comparado. Em um experimento desses em 2004 foi replicado por 70 mil crianças em escolas na Holanda.

     Ninguém nos EUA ou na Europa acusou os astronautas de plantadores de feijão.

     O experimento que Marcos Pontes fez na ISS não foi novo, sementes foram a primeira forma de vida a ir ao espaço, lançadas em uma V2 pelos EUA em 1946, ele não pretendia descobrir nada de novo, nem era função dele. Marcos Pontes não é um cientista, como não era Neil Armstrong ou Yuri Gagarin. O primeiro astronauta cientista de verdade foi Harrison Schmitt, que voou na última Apollo, a XVII. Pontes e Armstrong são profissionais altamente qualificados e habilitados a executar experimentos científicos, como todo astronauta.

     20181101screenshot-31_10_2018-11_21_05.jpg

    Inspiração, quer que desenhe?

     O experimento da Missão Centenário não tinha como objetivo salvar o mundo, era bem mais ambicioso: inspirar o deslumbramento com a descoberta e a curiosidade científica nas crianças. Marcos Pontes plantou e acompanhou a germinação de sementes de feijão em conjunto com alunos de várias escolas municipais de São José dos Campos. Mas ele não plantou só feijão.

     Ele também plantou Gonçalo-Alves, uma árvore em extinção que você nunca ouviu falar, como parte de um experimento da EMBRAPA, que queria melhorar as técnicas para a preservação ambiental e desenvolvimento sustentável.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Ele não plantou só feijão

    Marcos Pontes fez mais experimentos em 9 dias e 21 horas no espaço do que a maioria de seus críticos fez na vida inteira. Foram oito experimentos, criados por diversas instituições:

     
    1. Efeito da microgravidade na cinética das enzimas — Centro Universitário da FEI (Faculdade de Engenharia Industrial);
    2. Danos e reparos do DNA na microgravidade — UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais);
    3. Teste de evaporadores capilares em ambiente de microgravidade — UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina);
    4. Minitubos de calor — UFSC;
    5. Germinação de sementes em microgravidade — Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e Cenargen (Unidade Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia);
    6. Nuvens de interação protéica — Cenpra (Centro de Pesquisas Renato Archer), do Ministério de Ciência e Tecnologia;
    7.  
    8. Germinação de sementes de feijão — Secretaria de Educação de São José dos Campos (SP);
    9.  
    10. Cromatografia da clorofila — Secretaria de Educação de São José dos Campos (SP).
    11.  
    Ele não foi passear, não foi um “turista”. Pontes cumpriu o duro papel de tentar salvar a cara de um programa espacial marcado pela incompetência e politicagem suprapartidária (se o Lula sacaneou o Brasil na ISS, aprendeu com FHC que fez o mesmo).
     Pontes foi um pioneiro, o primeiro brasileiro no espaço. Não era função dele gerar lucro ou trazer novos métodos de manufatura avançado a indústria nacional. A principal função dele era ser um símbolo, mostrar que em algum momento, se levantarmos a cabeça do capim, conseguimos fazer coisas grandes, e que mesmo aos trancos e barrancos uma criança nascida no Brasil PODE sonhar em explorar o espaço.

     De resto, as acusações de que “ele não fez ciência” são ridículas. O piloto do Beagle também não fez ciência mas sem ele Darwin teria que aprender a nadar. Pontes fez ciência sim, a parte mais importante, a experimentação, sem experimentação ciência é apenas filosofia, aquela estranha escola de pensamento onde Aristóteles dizia que homens têm mais dentes do que mulheres e nem ele nem seus discípulos se deram ao trabalho de contar.


     Aqui alguns dos papers baseados nos experimentos de Pontes em seus 9 dias na Estação Espacial Internacional:

           
    • Wire mini heat pipe under microgravity conditions — Kleber Vieira de Paiva, Marcia B. H. Mantelli – Heat Pipe Laboratory (Labtucal) – Mechanical Engineering Department – Federal University of Santa Catarina UFSC – Raul Gohr Jr., Marcelo de Assis Corrêa – Welding Laboratory – Mechanical Engineering Department – Federal University of Santa Catarina UFSC;
     

    Isso tudo eu achei em menos de 5 minutos de pesquisa. Mas é mais conveniente chamar de plantador de feijão.

     Pontes foi uma tentativa fracassada de inspirar um povo que odeia seus ídolos, constrói pedestais já pensando em jogar o sujeito lá de cima. O ataque da mídia a Pontes mostra mais do que partidarismo cego, a falta de visão, a incapacidade de entender que às vezes é mais importante inspirar do que fazer. Estamos condenados a só admirar gente com uma bola no pé, um microfone na mão ou uma webcam na cara.

     Pior, essa tendência ao obscurantismo é mundial. Christa McAuliffe morreu na explosão da Challenger, 73 segundos após a decolagem. O programa Teacher in Space foi cancelado. Homer Hickam foi xingado por millennials no Twitter, Trump cancelou a Feira de Ciências da Casa Branca (depois de prometer mantê-la) e Marcos Pontes está sendo xingado por todos os lados.

     No Twitter vieram me explicar que um Engenheiro Aeronáutico com mestrado no exterior, astronauta, cosmonauta, piloto de testes, com bacharelado em Administração pública e um currículo destes, não é qualificado o suficiente para ser Ministro da Ciência e tecnologia.

     20181101dq22zbowkaasmry.jpg

    Curioso é dizerem que esse currículo e “só um mestrado” não bastam para ser Ministro de Ciência e Tecnologia, mas ninguém levantou essa bola quando o ministro era o Aldo Rebelo, um jornalista que propôs uma Lei punindo inovação tecnológica, um ministro famoso por ter criado o Dia Nacional do saci-pererê e negacionista do aquecimento global.

     20181101photo_2018-10-30_14-25-44.jpg

    Sinceramente eu tenho sérias dúvidas de que Pontes conseguirá promover a Ciência em um país que a odeia, e não acredito na promessa do Ornitomito de dar R$ 10 bilhões para a pasta. O presidente é profundamente ligado à bancada evangélica, e isso nunca é bom sinal pra Ciência.

     Fora isso há argumentos de que Pontes não tem experiência como articulador político. Há controvérsias: por quase 10 anos ele foi o intermediador entre o Brasil e a NASA, e conviveu o bastante com os bastidores do poder para saber como ele funciona, mas é um argumento até aceitável.

     O que não dá é ignorar todo o currículo e a história do sujeito e desqualificá-lo de forma baixa e rasteira. Se você acha que Marcos Pontes é um mero plantador de feijão, você que vá plantar batatas!

     20181101tumblr_o6hb57mgq41usv5sxo1_500.gif
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  •   “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.