Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Os conceitos de esquerda e direita

As discussões "direita versus esquerda" usualmente não levam em conta que ambos os lados usam significados diferentes para se referir a mesma palavra. Por exemplo, enquanto esquerdistas tipicamente acham que a dicotomia esquerda versus direita se resume a igualitarismo versus não-igualitarismo - como na famosa definição de esquerda declarada por Bobbio-, direitistas tipicamente acham que essa dicotomia se resume a coletivismo versus individualismo. É por isso que esquerdistas usualmente acham que o fascismo é de direita e alguns acham que o stalinismo seja de direita (usando o famoso argumento do "não é o socialismo de verdade" ou variantes), enquanto os direitistas usualmente acham que o stalinismo é de esquerda e que o fascismo é algo mais próximo da extrema-esquerda do que da direita.

Para complicar, os libertários acham que a dicotomia esquerda versus direita seja, no mínimo, bidimensional. Existiria a direita e a esquerda na dimensão econômica (que trata da liberdade econômica) por um lado e a direita e a esquerda na dimensão cultural (que trata das liberdades civis). Isso é bem retratado pelo famoso Diagrama de Nolan.

Para complicar ainda mais, o significado original (e antigo) de esquerda estava associado aos liberais clássicos reformistas, que formaram a primeira esquerda, com os monarquistas que defendiam mais amplos poderes do rei fazendo o papel dos direitistas.

Por fim, existem aqueles que rejeitam o grau muito informativo de tais conceitos. O filósofo Nassim Taleb é deles. Segundo ele, não existiria espectro político universal independente de escala. Alguém poderia ser libertário no nível federal, republicano no nível estadual, democrata no nível municipal, socialista no nível comunitário (pequena comunidade) e comunista no nível familiar. Ele também acha que a distinção política de esquerdistas e direitistas é inferior a distinção entre os conceitos de "gregos" e "romanos". Enquanto os primeiros colocariam a teoria acima da prática, os segundos colocariam a prática acima da teoria.

Comentários

  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    Acho que a melhor diferenciação entre Esquerda e Direita é a baseada no fundamento temporal.
    Direita é fundamentada no passado, em alguma herança histórica que promova a união da sociedade. O Fascismo é a versão extremista deste fundamento, criando um passado mítico que constrói o ideal da nação ou da raça e propondo recriar este passado mítico no presente.
    A Esquerda se fundamenta em um futuro a ser criado, a sociedade justa, na qual os erros do presente serão corrigidos. O extremo, o Comunismo, entende que a construção deste futuro paraíso na Terra justifica quaisquer males utilizados no presente para construí-lo, mesmo sem especificar quando este futuro paradisíaco chegará.
  • Se o Fascismo foi, de fato, uma politica da direita, como entender que o principal lider era um dos principais nomes da esquerda italiana no inicio dos anos 1900?
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    ENCOSTO disse: Se o Fascismo foi, de fato, uma politica da direita, como entender que o principal lider era um dos principais nomes da esquerda italiana no inicio dos anos 1900?

    Nada surpreendente.
    O Fascismo é por definição um movimento de reação ao comunismo.
    Boa parte dos conteúdos comunistas estão presentes no Fascismo, com a transferência destes conteúdos da defesa da classe para a defesa da nação (ou da raça).
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    Esta discussão sobre ser ou não ser de Direita ou Esquerda deriva muito da crença errada de que estas vertentes são doutrinas opostas entre si, como eixos cartesianos.
    Tem gente que diz que Nazismo é de Esquerda porque, de fato, muitos elementos doutrinários do Comunismo são fundamentos do Nacional Socialismo, a começar de serem ambos coletivismos estatólatras totalitários.
    E tanto os Nazistas, quanto os Comunistas prometiam uma sociedade futura paradisíaca.
    A diferença seria quem usufruiria deste paraíso, para os nazistas reservado exclusivamente para a raça ariana e para os comunistas destinado ao desfrute do proletariado.
    Seria, claro, porque ninguém matou, torturou, escravizou, oprimiu e tiranizou mais gente do proletariado que os comunistas.  Mas a promessa era dar vida boa para os trabalhadores no futuro, não no presente.
    De prático temos que Nazismo e Comunismo são movimentos revolucionários similares no geral e diferentes em pontos específicos.  Ambos entusiasticamente dispostos ao genocídio, apenas com escolhas diferentes sobre que grupos humanos cada um deveria exterminar.
  • HuxleyHuxley Member
    editado November 15
    Acauan disse: Acho que a melhor diferenciação entre Esquerda e Direita é a baseada no fundamento temporal.
    Direita é fundamentada no passado, em alguma herança histórica que promova a união da sociedade. O Fascismo é a versão extremista deste fundamento, criando um passado mítico que constrói o ideal da nação ou da raça e propondo recriar este passado mítico no presente.
    A Esquerda se fundamenta em um futuro a ser criado, a sociedade justa, na qual os erros do presente serão corrigidos. O extremo, o Comunismo, entende que a construção deste futuro paraíso na Terra justifica quaisquer males utilizados no presente para construí-lo, mesmo sem especificar quando este futuro paradisíaco chegará.

    Essa definição deixaria os anarcocapitalistas libertários como Murray Rothbard e H. H. Hoppe na curiosa condição de serem descritos como esquerdistas.  Pois a defesa da abolição do Estado e da negação do direito espontâneo (grande parte dele incompatível com o princípio da não-agressão) é uma negação de uma herança histórica que torna a sociedade coesa.
  • HuxleyHuxley Member
    editado November 18
    O conservadorismo tem muito a ver com a questão da prudência e do preferir o familiar ao desconhecido. A maioria das pessoas, em um nível em em outro, seria conservador nesse sentido, mas talvez não o suficiente. Em A Lógica do Cisne Negro, Nassim Taleb explica que quando tomamos decisões de planejamento do futuro, fazemos previsões sem agregar um índice de erro possível aos cenários. Segundo o que ele afirmou lá:

    "Mesmo que concorde com determinada previsão, você precisa se preocupar com a possibilidade real de uma divergência significativa. [...] afirmaria que o que importa ao abraçar uma política é o limite inferior das estimativas (ou seja, a pior hipótese) - a pior hipótese é muito mais significativa do que a própria previsão. Isso é especialmente verdadeiro se o cenário ruim for inaceitável. [...] Costuma-se dizer que ‘Sábio é aquele que ver as coisas que estão para acontecer’. Talvez o sábio seja quem saiba que não pode ver coisas que estão muito distantes."

    Ainda assim, não é claro qual seria a receita do conservadorismo para que tirássemos nossas dúvidas sobre o que deveria ser feito concretamente em diferentes casos e também não é claro se o direitismo implica conservadorismo.
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.