Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Você pode ter direito a uma indenização historica e nem sabe.

Do renomado site Brasil 247

https://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/313753/Escravos-brancos-Quando-caçadores-de-peles-claras-semeavam-o-terror-na-Europa.htm

Escravos europeus, senhores africanos: uma situação insólita que só nos últimos tempos está sendo objeto de estudos aprofundados pelos historiadores. O quadro que temos daquela época, quando os cristãos eram chamados de “ouro branco” nos mercados norte-africanos, ainda está recoberto por uma pátina de descrições folclóricas.

Comentários

  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Se voltarmos o suficiente no tempo, os antepassados de todo mundo foram tanto vítimas como criminosos.
    Todo mundo deve a todo mundo.
  • E pensar que até no inicio da revolução industrial existia segurança só nas grandes cidades. A vida no interior continuava a mesma de 1000 anos antes
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado January 15
    Escravidão é um espinho cravado na garganta dos grandes sistemas morais, religiosos ou laicos.
    Platão, em A República, não vê problema algum em que sua Cidade Justa mantenha escravos.
    Paulo é explícito em recomendar aos escravos serem submissos aos seus senhores, Jesus de Nazaré não registrou nenhuma condenação ao escravagismo e um dos Dez Mandamento proibe cobiçar o escravo do próximo.
    Mohamed cita em várias passagens no Corão situações em que um muçulmano deve libertar um escravo para expiar alguma culpa, mas não declara qualquer restrição a que muçulmanos tenham escravos, incluindo escravos também muçulmanos (por isto a Arábia Saudita só proibiu legalmente a escravidão em 1962 e a Mauritânia em 2007, sendo notório que a escravidão é até hoje prática comum em países do Islã, como o Sudão).

    Hoje é inegável o absurdo de que nenhum destes pensadores morais tenha tido um vislumbre do tipo "pera aí, comprar e vender seres humanos, tratá-los como propriedades e obrigá-los a trabalhar contra a vontade não tá certo".
    O absurdo vai ao infinito se considerarmos que alguns destes referendos explícitos ou tácitos à escravidão constam de textos tidos como sagrados.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Acauan disse:
    Platão, em A República, não vê problema algum em que sua Cidade Justa mantenha escravos.
    Paulo é explícito em recomendar aos escravos serem submissos aos seus senhores, Jesus de Nazaré não registrou nenhuma condenação ao escravagismo e um dos Dez Mandamento proibe cobiçar o escravo do próximo.
    Mohamed cita em várias passagens no Corão situações em que um muçulmano deve libertar um escravo para expiar alguma culpa, mas não declara qualquer restrição a que muçulmanos tenham escravos, incluindo escravos também muçulmanos (por isto a Arábia Saudita só proibiu legalmente a escravidão em 1962 e a Mauritânia em 2007, sendo notório que a escravidão é até hoje prática comum em países do Islã, como o Sudão).
    Em "Utopia", Thomas More defende a escravidão dos criminosos e soldados estrangeiros vencidos (embora não fosse uma situação permanente).

  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado January 15
    Fernando_Silva disse: Em "Utopia", Thomas More defende a escravidão dos criminosos e soldados estrangeiros vencidos (embora não fosse uma situação permanente).

    Acho surpreendente que a condenação moral da escravidão só ganhe voz efetiva com o surgimento dos movimento abolicionistas do Ocidente, na origem todos cristãos, reconheça-se, só que com uns 1800 anos de atraso.

    Tem quem diga (Olavo de Carvalho, por exemplo) que o Cristianismo foi a força que pôs fim ao escravagismo na Europa Ocidental após a queda do Império Romano.
    Oras... O escravagismo do Império Romano caiu junto com o Império. Fazer e manter escravos para Roma sempre foi uma atribuição de Estado, quando o Estado escravagista caiu, vieram os feudos e a servidão feudal, que era melhor que a escravidão, claro, mas não que a Igreja tivesse alguma ação efetiva nisto, como um decreto papal proibindo taxativamente a escravidão.
    Que eu saiba tem umas bulas papais condenando moralmente a escravidão, mas nada taxativo como decretando que católicos escravagistas recebam excomunhão latae sententiae, aquela que fez, tá excomungado, sem maiores delongas.
  • A escravidão indigena foi proibida pelos portugueses. A igreja só criticava mas também não excomungava ninguemm.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    ENCOSTO disse: A escravidão indigena foi proibida pelos portugueses. A igreja só criticava mas também não excomungava ninguemm.
    Disse o padre Vieira em um de seus sermões:
    "Mais vale ser escravo no Brasil e ganhar o céu que ser livre na África e perder a alma".

  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    ENCOSTO disse: A escravidão indigena foi proibida pelos portugueses. A igreja só criticava mas também não excomungava ninguemm.

    Os jesuítas em particular se opuseram à escravidão indígena no Brasil, já que tinham seus próprios planos sobre o que fazer com os povos nativos.
    Principalmente por isto, a escravidão de Índios no Brasil nunca tomou a escala que assumiu nas colônias da América Espanhola.
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.