Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Made In Japan - Debatendo Cultura e Entretenimento Oriental

Tópico destinado a discussão de tudo relevante a a cultura oriental. Animes, Mangás, Filmes, Música ligado a estética do melhor país do mundo! Tá, isso foi exagero.

Aguardem nova postagem.
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
«1

Comentários

  • PercivalPercival Member
    editado July 31
    Assitindo My Hero Academia, quem quer um anime desses bobos de adolescente pode ir sem medo. O ponto positivo é que ele não é cheio de termos Japoneses que você tem que ficar toda hora consultando.

    big-poster-anime-my-hero-academia-tamanho-90x-0-cm-lo003-decoracao-nerd.jpg
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • CameronCameron Member
    editado August 1
    Gostei muito de alguns títulos japoneses que joguei recentemente, pela história e pela originalidade, Nier Automata e Persona 5.

    Anime que eu assisti recentemente e gostei foi Mob Psycho 100, a primeira e a segunda temporada, já One Punch Man que eu tinha gostado da primeira temporada achei a segunda um tédio.
  • PercivalPercival Member
    Anime que eu assisti recentemente e gostei foi Mob Psycho 100, a primeira e a segunda temporada, já One Punch Man que eu tinha gostado da primeira temporada achei a segunda um tédio.

    Mob Psycho assisti dublado na Rede Brasil quando foi exibido pela CR TV. Tem dublado no serviço de streaming deles. É bom mesmo, tenho que tirar um dia pra assistir tudo.

    Fico receoso de prosseguir com One Punch até por conta do pessoal reclamando muito.


      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Arigato




  • 2 animes legais que passaram na TV
  • Assistindo isso aqui também:

    c15e58f7beaf54646c1ad0bcbb4886ff1507336620_full.jpg

    A história é centrada em uma garota chamada Maika, que consegue emprego em um café onde todas as garçonetes recebem certos atributos – como “tsundere” ou “irmã mais nova” – para encarnar enquanto servem os clientes. O gerente pede a Maika para ser a garçonete “Do S” (sadista extrema), assim, ela terá que adotar uma personalidade dominante e agressiva.

    Não é um gênero que vai agradar a todos, é pra quem é mais otaquinho.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado August 3
    O primeiro contato dos brasileiros com a produção de TV japonesa foi nos anos 60 com National Kid, Ultraman, Robô Gigante e Animes como Kimba e Super Dínamo
    Alguns tinham alguma qualidade de roteiro, mas as produções no geral eram mambembes.

    Visto em retrospectiva, o que chama atenção é a brutalidade de algumas situações que os japoneses pareciam encarar numa boa ou encaram até hoje.
    Em um episódio de National Kid ele leva um garoto paralítico para voar com ele e no final joga-o no chão, fala que detesta meninos sem vontade e tortura o deficiente até que ele ande sozinho.

    No Super Dínamo, ao receber os poderes concedidos por uma máscara e uma capa o menino aceita um pacto de que se revelasse sua identidade secreta "seu cérebro seria feito em pedacinhos" e ele se tornaria um idiota, ameaça que por muito pouco o super herói que lhe deu os apetrechos não cumpre em um dos episódios.
    O super herói japonês ia destruir a mente de uma criança porque descumpriu uma ordem...
    Diz algo sobre.

    hqdefault.jpg
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado August 3
    Estes desenhos destacavam algumas diferenças culturais entre brasileiros e japoneses.
    Por aqui, ninguém entendia porque o Mitsuo estava sempre estudando em casa e fazendo suas lições, mas isto nunca era o suficiente para a mãe dele que sempre insistia que ele se dedicasse mais.
  • CameronCameron Member
    editado August 3
    Algo que me incomodou vendo alguns animes é a forma como certas personagens femininas são retratadas, mais especificamente Death Note e Parasite Maxim, elas são idiotas completas, em especial quando tem um interesse amoroso no protagonista enquanto os personagens masculinos estão no limite da genialidade humana, é uma versão dos Simpsons as avessas aonde os homens tem todos os defeitos possíveis e as mulheres são praticamente perfeitas.

    Animes não são exatamente a minha praia, não assisti tantos assim e muitos parei de ver porque não despertaram meu interesse logo de cara mas fica claro nos poucos que eu vi por completo que os autores japoneses são muito mais talentosos em criar personagens masculinos interessantes que o inverso.
  • PercivalPercival Member
    editado August 3
    Acauan disse: Estes desenhos destacavam algumas diferenças culturais entre brasileiros e japoneses.
    Por aqui, ninguém entendia porque o Mitsuo estava sempre estudando em casa e fazendo suas lições, mas isto nunca era o suficiente para a mãe dele que sempre insistia que ele se dedicasse mais.


    Gohan em Dragon Ball Z tambem tinha esse relacionamento com a mãe. Mas digamos que era mais "rebelde".
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • PercivalPercival Member
    editado August 3
    Cameron disse: Algo que me incomodou vendo alguns animes é a forma como certas personagens femininas são retratadas, mais especificamente Death Note e Parasite Maxim, elas são idiotas completas, em especial quando tem um interesse amoroso no protagonista enquanto os personagens masculinos estão no limite da genialidade humana, é uma versão dos Simpsons as avessas aonde os homens tem todos os defeitos possíveis e as mulheres são praticamente perfeitas.

    Animes não são exatamente a minha praia, não assisti tantos assim e muitos parei de ver porque não despertaram meu interesse logo de cara mas fica claro nos poucos que eu vi por completo que os autores japoneses são muito mais talentosos em criar personagens masculinos interessantes que o inverso.

    Eles tratam as personagens femininas como devocionais ao protagonista. Onde se leva a emoção e pouco a racionalidade. Existe ate palavras para definir as personalidades delas como Yandere e Tsundere. Vale dar uma pesquisada.

    Assim como existem personagens femininas interessantes como a major em Ghost in The Shell por exemplo.

    As produções Japonesas no geral buscam mais a retratação da sociedade deles e para o mercado deles. E aquelas que acabam se destacando geralmente usam elementos culturais ocidentais ou e sci fi.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado August 3
    Percival disse:
    Gohan em Dragon Ball Z tambem tinha esse relacionamento com a mãe. Mas digamos que era mais "rebelde".

    Mitsuo também o era ao seu modo, pois frequentemente colocava o robô cópia (que era exatamente isto) para assumir seu lugar e estudar por ele, enquanto o próprio ia para suas aventuras.
    O resultado final era sempre que Mitsuo se ferrava na hora da prova, como se os japoneses estivessem sempre lembrando a prioridade do estudo, mesmo que você seja um super herói.
  • Acauan disse:
    Percival disse:
    Gohan em Dragon Ball Z tambem tinha esse relacionamento com a mãe. Mas digamos que era mais "rebelde".

    Mitsuo também o era ao seu modo, pois frequentemente colocava o robô cópia (que era exatamente isto) para assumir seu lugar e estudar por ele, enquanto o próprio ia para suas aventuras.
    O resultado final era sempre que Mitsuo se ferrava na hora da prova, como se os japoneses estivessem sempre lembrando a prioridade do estudo, mesmo que você seja um super herói.


    Isso não acontecia com o Gohan pelo menos Toryama não descrevia. Ate mesmo ele se torna professor quando adulto e se casa.

      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Eu tive um pouco de contato com Super Dinamo em jogos. O personagem ganhou ate uma figura colecionavel a um tempo.

      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Acauan disse: O primeiro contato dos brasileiros com a produção de TV japonesa foi nos anos 60 com National Kid, Ultraman, Robô Gigante e Animes como Kimba e Super Dínamo
    Alguns tinham alguma qualidade de roteiro, mas as produções no geral eram mambembes.
    Faltou o Astro Boy.

  • Percival disse: Eu tive um pouco de contato com Super Dinamo em jogos. O personagem ganhou ate uma figura colecionavel a um tempo.
    você assistia Sawamu, Patrulha Estelar e Zillion ?


  • HuxleyHuxley Member
    Cameron disse: Algo que me incomodou vendo alguns animes é a forma como certas personagens femininas são retratadas, mais especificamente Death Note e Parasite Maxim, elas são idiotas completas, em especial quando tem um interesse amoroso no protagonista enquanto os personagens masculinos estão no limite da genialidade humana, é uma versão dos Simpsons as avessas aonde os homens tem todos os defeitos possíveis e as mulheres são praticamente perfeitas.

    Animes não são exatamente a minha praia, não assisti tantos assim e muitos parei de ver porque não despertaram meu interesse logo de cara mas fica claro nos poucos que eu vi por completo que os autores japoneses são muito mais talentosos em criar personagens masculinos interessantes que o inverso.

    Que tal um mangá/anime com roteiro escrito por uma mulher como Rumiko Takahashi? InuYasha é um mangá/anime em que, dos três personagens principais, duas são mulheres que têm um apelo interessante quanto a personalidade. O Homer Simpson da história é o protagonista e a co-protagonista traz uma mudança de personalidade interessante para o mesmo.
  • Huxley disse:
    Cameron disse: Algo que me incomodou vendo alguns animes é a forma como certas personagens femininas são retratadas, mais especificamente Death Note e Parasite Maxim, elas são idiotas completas, em especial quando tem um interesse amoroso no protagonista enquanto os personagens masculinos estão no limite da genialidade humana, é uma versão dos Simpsons as avessas aonde os homens tem todos os defeitos possíveis e as mulheres são praticamente perfeitas.

    Animes não são exatamente a minha praia, não assisti tantos assim e muitos parei de ver porque não despertaram meu interesse logo de cara mas fica claro nos poucos que eu vi por completo que os autores japoneses são muito mais talentosos em criar personagens masculinos interessantes que o inverso.

    Que tal um mangá/anime com roteiro escrito por uma mulher como Rumiko Takahashi? InuYasha é um mangá/anime em que, dos três personagens principais, duas são mulheres que têm um apelo interessante quanto a personalidade. O Homer Simpson da história é o protagonista e a co-protagonista traz uma mudança de personalidade interessante para o mesmo.

    O problema da Rumiko e que ela não consegue sustentar uma narrativa Shounem. O unico trabalho que gosto dela e Ranma 1/2.

    Inu Yasha até tem personagens interessantes.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • stefanobahia disse:
    Percival disse: Eu tive um pouco de contato com Super Dinamo em jogos. O personagem ganhou ate uma figura colecionavel a um tempo.
    você assistia Sawamu, Patrulha Estelar e Zillion ?


    Zillion eu assisti agora o que via muito era Guerra das Galáxias.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • AcauanAcauan Administrator, Moderator
    editado August 5
    stefanobahia disse:
    Você assistia Sawamu, Patrulha e Zillion?
    Lembro da música tema do Sawamu inteira, até hoje.
  • Huxley disse:
    Cameron disse: Algo que me incomodou vendo alguns animes é a forma como certas personagens femininas são retratadas, mais especificamente Death Note e Parasite Maxim, elas são idiotas completas, em especial quando tem um interesse amoroso no protagonista enquanto os personagens masculinos estão no limite da genialidade humana, é uma versão dos Simpsons as avessas aonde os homens tem todos os defeitos possíveis e as mulheres são praticamente perfeitas.

    Animes não são exatamente a minha praia, não assisti tantos assim e muitos parei de ver porque não despertaram meu interesse logo de cara mas fica claro nos poucos que eu vi por completo que os autores japoneses são muito mais talentosos em criar personagens masculinos interessantes que o inverso.

    Que tal um mangá/anime com roteiro escrito por uma mulher como Rumiko Takahashi? InuYasha é um mangá/anime em que, dos três personagens principais, duas são mulheres que têm um apelo interessante quanto a personalidade. O Homer Simpson da história é o protagonista e a co-protagonista traz uma mudança de personalidade interessante para o mesmo.

    ainda cito outras autoras.... o grupo do ano 24 (com Riyoko Ikeda, Moto Hagio etc.)... grupo CLAMP (que criou Sakura Cardcaptor, Rayearth etc.) Hiromu Arakawa (Fullmetal....) Naoko Takuchi (Sailor Moon)


  • @Cameron deve não ir com a cara de muita coisa da Clamp agora Naoko nunca foi grande coisa com o Sailor Moon ela só acertou com o prequel o Sailor V.
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • PercivalPercival Member
    editado November 21
    me-deixa-tristinha-jpg.23269


    Você talvez conheça o anime Serial Experiments Lain, não é tão popular, mas fãs de animes sérios acabam encontrando ele, assim como fãs do gênero cyberpunk em geral. É uma obra complexa, difícil de entender e que facilmente você se sente recebendo informações novas quando assiste mais de uma vez. Aquela sensação de "Eu não tinha percebido isso".



    Uma coisa que chamou atenção em Serial Experiments Lain foi o fato de algumas pessoas cometerem suicídio quando o último episódio foi lançado em 1998. Quem assistiu sabe que o anime tem muito a ver com a ideia da existência além do corpo, suicídios e tentativa da imortalidade. Aquele pensamento de que a carne apenas é algo que nos prende no mundo físico. A forma série que isso é apresentado e toque filosófico extremamente profundo afetou algumas pessoas.

    Gotica%2BEmo%2BVampira.gif


    Se o anime já não é dos mais populares, imagina o jogo dele para Playstation 1? É fácil ser uma surpresa mesmo para os fãs sobre a existência desse jogo, ainda mais com o fato de que nunca foi lançado fora do Japão, e que a história não é uma adaptação do anime. Na verdade o jogo foi produzido simultaneamente, cada um com história própria, apenas usando elementos do outro, como se fossem reboots simultâneos.

    assista%2Bde%2Bnovo%2Be%2BDE%2BNOVO%2Be%2Bde%2Bnovo%2BE%2BDE%2BNOVO.jpg



    Devido à estranheza do jogo, ficou ainda mais difícil ser reconhecido, pois ele não é algo muito comum em que o jogador vai apertando os botões e tentando passar de fase. Nele informações são dadas em forma de texto, vídeo e áudio e aos poucos vão se revelando mais e mais coisas, de forma despedaçada.



    É uma história que não é mostrada em forma linear, mas em fragmentos que precisam ser destravados. Tudo desenvolvido de uma forma que faça o jogador se sentir junto a Lain, que é apresentada durante todo o jogo parada olhando para o jogador e só desaparece da tela quando ele acessa informações.

    menina%2Beu%2Btenho%2Buma%2Bfofoca%2BQUENTE%2BDEMAIS%2Bpra%2Bte%2Bfalar%2Bnessa%2Bsessao.jpg

    Aos poucos a história dela vai sendo contada, uma menina que perdeu o pai entrou em depressão. Passou a ter um forte desejo de ter ele de volta, isso fez com que começasse a frequentar uma psiquiatra que também tem seus próprios problemas e o caso de Lain vai sendo analisado aos poucos e se mostrando cada vez mais estranho.



    A própria psiquiatra passa a sentir que há algo além de um problema psicológico normal. Você pode acessar o livro de notas dela e em um certo momento ela cita que sente como se ela fosse a paciente e Lain quem analisasse. Com o passar das sessões é exatamente isso que acontece, Lain deixa de falar na forma infantil inicial e passa a falar sobre a existência

    veja%2Bcomo%2Beu%2Bsou%2Bfofinha%2Borando%2Bpela%2Bsua%2BMORTE.jpg

    Com o passar do jogo, uma coisa que Lain para pra pensar é que ela não precisa de seu pai, pois pode criá-lo novamente. Pode fazer uma inteligência artificial pra ele e colocar em um corpo robótico, recriando seu próprio pai. Essa ideia é levada por boa parte do jogo até ela perceber que não precisa de um corpo pra ele, nem ao menos ela precisa de um corpo.





    A partir de então começam a aparecer questões cada vez mais fortes sobre a necessidade da existência física e como ela só traz dor. E então as coisas passam a ficar cada vez mais estranhas, as informações não são completas como em um jogo padrão, o jogador vai e volta em certas informações para montar aos poucos o sentido.



    Há diversas mensagens escondidas e algumas simplesmente muito difíceis de serem liberadas, isso faz com que uma ideia que a pessoa viria apenas uma vez passe a ser vista de novo e de novo e de novo para que comecem a fazer sentido. Há inclusive cenas escondidas quando você não joga, se você soltar o controle e apenas ficar olhando para a tela, algumas cenas não disponíveis nos arquivos aparecem, envolvendo uma morte violenta.



    Chega a um ponto em que a própria Lain passa a matar outros personagens, não é muito claro sobre o que exatamente ela faz, mas é mostrada uma cena que aparentemente ela sugere isso a uma de suas amigas, e logo depois que essa mata um amante muito mais velho, coloca a arma na boca e atira.





    A personalidade de Lain vai sendo recriada aos poucos em uma versão digital e quando por fim ela percebe que está completa, encontra uma versão de si mesma e fala algo como "Acabou" e sua outra eu responde "Pra mim é o início" e então "De agora em diante nós estaremos sempre juntas". Após isso vem a cena a seguir:





    Uma coisa curiosa nesse jogo é que ele apresenta uma ideia que não era muito comum na época. A existência digital. Tem um episódio de Black Mirror , o "Be Right Back", que foi exibido em 2013, nele uma mulher perde seu marido e ela usa um programa que reúne e-mails, vídeos, redes sociais, conversas em áudio e outras coisas de uma pessoa e forma uma inteligência artificial, trazendo-a de volta.



    Mas a ideia de Black Mirror é usando redes sociais, um fruto da era da internet, ou seja, algo que surgiu muito depois de Serial Experiments Lain, que é de 1998 e chega um momento em que a psiquiatra é surpreendida pela garota em seu quarto. Ela explica que dois anos antes a garota apareceu na empresa em que trabalha, uma quantidade enorme de materiais sobre a garota foram colocados no banco de dados, anotações, filmes gravados pela família, todo o conteúdo do computador pessoal. E então passou a ser atualizado.



    Na mesma cena ela fala que as atualizações eram normais, porém na última havia conteúdo de dois anos no futuro. Também não entende porque não há informações sobre Lain antes do que foi colocado. Lain não explica, apenas diz que "Isso não importa nesse mundo".



    Assim como o anime, o jogo também gerou suicídios, a diferença é que não foi de imediato. Os relatos são de que ficaram estranhas, como se estivessem absorvendo a informação, como se algo subliminar tivesse sido plantado em suas mentes e começasse a crescer, até finalmente "entenderem" o que foi mostrado ali e cometerem suicídio.



    A capa tem várias mensagens se repetindo sem parar como "Me deixe triste", "Me irrite" e "Me faça sentir bem?" (Esse último é o único com interrogação). Além disso no subtítulo está "Feche o mundo" e escrito ao contrário na frente da frase tem "Abra o próximo" (Confira na primeira imagem da matéria).

    o%2Bbagulho%2Beh%2Braro.jpg


    Esse é um jogo Underground e assim como LSD Dream Simulator passa aquela sensação de lavagem cerebral enquanto se joga. Ainda mais pelo fato de que, diferente de um jogo padrão, a pessoa repete várias e várias vezes a mesma coisa. Um grupo de tradução chegou a lançar uma atualização (obviamente não oficial) para o jogo ficar em inglês. Vez ou outra aparece uma cópia a venda no ebay, mas não preciso nem dizer que custa uma fortuna né? Afinal é uma raridade.

      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Gostei do filme da Alita Battle Angel, apesar da falta de uma conclusão, fica claro que é um projeto do James Cameron feito com muito mais paixão do que o mais recente caça-níquel do Exterminador.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Cameron disse: Gostei do filme da Alita Battle Angel, apesar da falta de uma conclusão, fica claro que é um projeto do James Cameron feito com muito mais paixão do que o mais recente caça-níquel do Exterminador.
    É baseado numa série, portanto imagino que deixaram aberta a possibilidade de continuações.
  • CameronCameron Member
    editado November 22
    Fernando_Silva disse:
    Cameron disse: Gostei do filme da Alita Battle Angel, apesar da falta de uma conclusão, fica claro que é um projeto do James Cameron feito com muito mais paixão do que o mais recente caça-níquel do Exterminador.
    É baseado numa série, portanto imagino que deixaram aberta a possibilidade de continuações.
    Nesse caso não seria melhor fazer uma serie na Netflix como fizeram com Demolidor?

    Muitos filmes atuais estão sofrendo com essa mania de criar ganchos para continuações ao invés de contar uma boa e conclusiva história, estou começando a achar que o MCU estragou o cinema.


  • Fernando_Silva disse:
    Cameron disse: Gostei do filme da Alita Battle Angel, apesar da falta de uma conclusão, fica claro que é um projeto do James Cameron feito com muito mais paixão do que o mais recente caça-níquel do Exterminador.
    É baseado numa série, portanto imagino que deixaram aberta a possibilidade de continuações.


    Na verdade é baseado num mangá de Yukito Kishiro:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Gunnm
      “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]
  • Japoneses são fascinantes.

    Uma pessoa não japonesa perdida numa estação de comboio/ trem é imediatamente abordada. E, enquanto não estiver orientada, não a largam.

  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    PugII disse: Japoneses são fascinantes.

    Uma pessoa não japonesa perdida numa estação de comboio/ trem é imediatamente abordada. E, enquanto não estiver orientada, não a largam.
    Comigo não foi assim. Quando cheguei à Tokio Station, fiquei perdido. Vários andares, cada um com várias linhas de metrô e trem. Foram gentis, tentaram me orientar apesar de não falarem inglês, mas ninguém parou o que estava fazendo para me ajudar. Acabei chegando ao hotel depois de uma viagem cheia de conexões desnecessárias porque ninguém sabia onde era e a comunicação era difícil.

    Nota: as ruas japonesas não têm numeração. No máximo, dizem "Rua Tal, quarteirão tal, próximo a tal prédio".
  • SilvanaSilvana Member
    editado December 3
    Saudações Percival

    Peguei das memórias do fórum.

    Lembra (m) ?

    https://religiaoeveneno.com.br/discussion/80/tipos-de-personalidades-segundo-os-japoneses#latest


    Japão as vezes é meu pesadelo... País muito longe e uma segunda casa aqui em casa...

    Na verdade as vezes acho que vivo no Japão...rs

    ( China e Japão )

    É katakana pra lá, hiragana pra cá, e kanji que não acaba. Mas, eu gosto bastante.


    [Fraternos]
     
     " Permaneçam abertos de coração e mente para os "antigos" que criaram todas as coisas; e para seus irmãos e irmãs " !

    images?q=tbn:ANd9GcQ9mLQDb5cO3QT_mujQmNUODmNQOFSFiLMKgfYFqAtcLg63oaKtZw
     
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.