Olá, bem-vind@!

Quer participar e contribuir? Clique no botão "Registrar-se" se é sua primeira vez aqui. Se você já é um dos nossos, clique em "Entrar".

Lusitanos: a tribo que os romanos demoraram 200 anos a dominar

Quem eram os Lusitanos? Comandados por Viriato os lusitanos resistiram durante 200 anos aos invasores romanos conquistando o respeito dos próprios inimigos.

Lusitanos.png

Por VxMag

Quem eram os Lusitanos? Os antepassados dos lusitanos compunham um mosaico de diferentes tribos que habitaram Portugal desde o Neolítico. Miscigenaram-se parcialmente com os invasores celtas, dando origem aos lusitanos. Não se sabe ao certo a origem destas tribos celtas, mas é muito provável que fossem oriundas dos Alpes suíços e teriam migrado devido ao clima mais quente na península Ibérica.

Entre as numerosas tribos que habitavam a península Ibérica quando chegaram os romanos, encontrava-se, na parte ocidental, a dos lusitani, considerada por alguns autores a maior das tribos ibéricas, com a qual durante muitos anos lutaram os romanos.

IBeria_Tempos_Romanos.jpg

Os Lusis foram referidos pela primeira vez no “Ora Marítima” de Avieno onde foram chamados de pernix, que significa ágil, rápido e é o adjectivo que se aplicava ao praticante de jogos de destreza física. Desde crianças, os membros deste povo trabalhavam como pastores. Depois, à medida que iam crescendo eram treinados para a caça e por fim, quando se tornavam jovens fortes, eles eram treinados como guerreiros mercenários. Tinham uma forma de lutar muito aguerrida e sempre ofensiva, e constantemente havia lutas entre tribos lusitanas e também com outras tribos vizinhas com o objectivo de conquistar essas terras.

Quando os romanos invadiram a Península Ibérica, eles foram conquistando progressivamente as terras do leste e do sul. No entanto, quando chegaram às tribos lusitanos, a dificuldade aumentou. Essas tribos, que sempre haviam lutado entre si, uniram-se numa causa que era comum a todas elas: a luta contra os ameaçadores exércitos romanos. Até conquistarem os terrenos das tribos lusitanas, os romanos tiveram que guerrear durante vários anos e, por fim, conseguiram o que tanto queriam mas, através de uma trama que envolvia traição.Entre os lusitanos houve um guerreiro que se destacou na luta contra os romanos. O seu nome era Viriato.

O objectivo era conquistar às terras à volta das tribos lusitanas para ampliar a área do campo de batalha e assim afastar as zonas de combate das suas terras.

Em 147 A.C., os lusitanos renderam-se perante as tropas de Caio Vetílio, que os haviam cercado. Mas, Viriato opôs-se terminantemente contra essa derrota. Ele organizou as suas tropas e foi lutar contra os romanos, acabando por derrotá-los no desfiladeiro de Ronda, que faz a separação entre a planície de Guadalquivir e a costa marítima da Andaluzia, onde acabaria por matar o próprio Caio Vetílio.

Depois deste, as tropas de Viriato foram derrotando vez após vez as forças romanas sob os comandos de Caio Pláucio, Cláudio Unimano, Caio Nigidio e Fábio Máximo.

Estatua_Viriato_Viseu.jpg

Em 140 A.C., os lusitanos comandados por Viriato infligiram uma pesada derrota sobre Fábio Máximo Servilliano, matando cerca de 3000 romanos em combate. Perante isso, Servilliano rende-se e em troca da sua vida ele oferece a Viriato promessas e garantias da autonomia dos lusitanos.

Mas, quando a notícia deste tratado chegou a Roma, o Senado considerou-o demasiado humilhante e, voltando atrás com a sua palavra, declara novamente guerra aos lusitanos.

Desta feita, em 139 A.C., Roma enviou o general Servílio Cipião, mas este também continua a ser constantemente derrotado por Viriato, de modo que, Viriato decide enviar três comissários da sua confiança, Audas, Ditalco e Minuros, com o objectivo de forçar Cipião a pedir uma nova paz.

Mas, Cipião recorreu ao suborno destes comissários e prometeu-lhes que dava uma recompensa se estes matassem Viriato. E assim aconteceu! Enquanto Viriato dormia, estes homens assassinaram-no, trazendo um desfecho trágico para Viriato e para os lusitanos. Mas este desfecho era também muito vergonhoso para Roma pois como uma superpotência que era, recorrer a suborno era algo desastroso.

A invasão romana da península Ibérica iniciou-se no contexto da Segunda Guerra Púnica (218 a.C.-201 a.C.), quando as legiões romanas, sob o comando do cônsul Cipião, para ali se movimentaram, a fim de atacar pela retaguarda os domínios de Cartago na região. A estratégia visava enfraquecer as forças cartaginesas, afastando os seus exércitos da península Itálica. Contudo, a derrota dos cartagineses não garantiu a ocupação pacífica da península Ibérica. Segundo Plutarco, os rendimentos provenientes de metais preciosos da Hispânia cobriam todas as despesas da guerra. Para além da exploração das minas de ouro e prata uma grande receita provinha dos tributos, impostos, resgates e saques que incluíam objectos de ouro e prata dos tesouros públicos.

A partir de 194 a.C., registaram-se choques com tribos de Lusitanos, conflitos que se estenderiam até 138 a.C., denominados por alguns autores como guerra lusitana.


Morte_Viriato.jpg

Ao iniciar-se a fase imperial romana, a Pax Augusta fez-se sentir na península: a partir de 19 a.C., as legiões ocuparam a região norte peninsular, mais inóspita, ocupada por povos cântabros e astures. Com esta ocupação, asseguravam-se as fronteiras naturais e pacificava-se essa região mais atrasada, de modo a que não constituísse ameaça para as populações do vale do rio Ebro e da chamada Meseta, já em plena fase de romanização.

http://omarxismocultural.blogspot.com/2019/04/lusitanos-tribo-que-os-romanos.html
  “Não fortalecerás os fracos, por enfraquecer os fortes.    Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga.    Não estimularás a fraternidade, se alimentares o ódio.” [Abraham Lincoln]

Comentários

  • Acho que a aparência dos lusitanos deveria ser parecida com o de povos do norte da África,
    http://www.zehabesha.com/wp-content/uploads/2013/07/ethiopian-oromos-responded-angrily-to-jawar-mohammed-poisonous-statement.jpg

    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Senhor disse: Acho que a aparência dos lusitanos deveria ser parecida com o de povos do norte da África,
    http://www.zehabesha.com/wp-content/uploads/2013/07/ethiopian-oromos-responded-angrily-to-jawar-mohammed-poisonous-statement.jpg

    Improvável. Os lusitanos eram povos miscigenados é verdade, mas mais perto dos germânicos.
  • Eles tinham simplesmente a aparência dos modernos habitantes da península ibérica (ou pelo menos dos habitantes da península ibérica da década de 1970....) pois exames de DNA mostraram que a maioria dos DNAs tanto de X quanto mitocondriais dos habitantes da maioria dos habitantes da península ibérica atuais já estavam lá na época da conquista da península ibérica pelos romanos.
  • Volpiceli disse:
    Senhor disse: Acho que a aparência dos lusitanos deveria ser parecida com o de povos do norte da África,
    http://www.zehabesha.com/wp-content/uploads/2013/07/ethiopian-oromos-responded-angrily-to-jawar-mohammed-poisonous-statement.jpg

    Improvável. Os lusitanos eram povos miscigenados é verdade, mas mais perto dos germânicos.
    Discordo, os germânicos são oriundos de sármatas e citas vindos da região onde hoje é o Irã e cercanias. Os lusitanos seriam quase autóctones, supostamente de migrações das redondezas mesmo.

    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    editado September 2019
    Senhor disse:
    Discordo, os germânicos são oriundos de sármatas e citas vindos da região onde hoje é o Irã e cercanias. Os lusitanos seriam quase autóctones, supostamente de migrações das redondezas mesmo.
    Os lusitanos provavelmente eram parte dos povos ibéricos, dos quais os únicos remanescentes são os bascos, que não se misturaram muito e preservaram sua língua devido ao isolamento nas montanhas.

    Os germânicos são um povo indo-europeu, que se dispersou a partir das estepes russas.
    main-qimg-4b1c306cb057ed153d10398a11b98eb4
    p039_0_00_1.jpg
    Outra teoria, menos aceita, diz que os indo-europeus se originaram na Anatólia (hoje parte da Turquia) e daí foram para as estepes.
    gamkrelidzeivanov.gif
  • Os bascos são um caso à parte. Só aumentam a complexibilidade da questão.
    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Fernando_SilvaFernando_Silva Administrator, Moderator
    Senhor disse: Os bascos são um caso à parte. Só aumentam a complexibilidade da questão.
    Os bascos são o que restou do povo original da península ibérica.
  • Fernando_Silva disse:
    Senhor disse: Os bascos são um caso à parte. Só aumentam a complexibilidade da questão.
    Os bascos são o que restou do povo original da península ibérica.
    Pode ser que sim, pode ser que não. Na verdade mesmo, nenhum povo que estivesse ali à época talvez fosse originário, autóctone da região.

    Eram vários povos à época, já bem diferen
    Fernando_Silva disse:
    Senhor disse: Os bascos são um caso à parte. Só aumentam a complexibilidade da questão.
    Os bascos são o que restou do povo original da península ibérica.

    É muito possível que nao

    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
  • Eram vários grupos diferentes, tinha colônia fenícia e possivelmente com migrações do noroeste da África, assim como podem ter havido incursões de proto gregos e outros.

    O povo basco tem uma língua diferente do semítico e dos povos ao norte e oeste da Europa. Podem ser um enclave milenar completamente diferente dos povos ao redor devido à localização de seu território, na,região dos Pirineus. Os povos mais ao sul tem muita mais chance conjuntural de serem vindos do norte africano e colônias cartaginesas que o povo do País Basco.
    Meu PC é Pai, Filho, e Espírito Santo. O pai é o hardware, o filho, o software, e o ES, a energia elétrica.
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.