As Raízes Protestantes do Racismo nos Estados Unidos

A “ética do trabalho protestante” é um termo cunhado pelo sociólogo Max Weber, cujo trabalho seminal, A ética protestante e o espírito do capitalismo, delineou como as ligações feitas pelos teólogos entre religião, trabalho e capital lançaram as bases para o capitalismo. A teologia calvinista sustenta que apenas alguns eleitos são predestinados para a salvação desde o nascimento, enquanto os demais são condenados. A ansiedade que isso produzia obrigava as pessoas a procurar sugestões ou sinais de que eram membros dos eleitos; eles acreditavam que o sucesso material estava entre os indicadores mais notáveis do favor de Deus. Fazer o trabalho duro de criar o reino de Deus na Terra através de uma vocação secular foi considerado um caminho para a graça de Deus. O contrário também era verdade: assim como o sucesso material indicava a graça de Deus, a pobreza era um sinal de que você não tinha a graça de Deus. Nesse contexto, os escravos poderiam ser culpados por sua própria situação e ter a legitimidade de seu trabalho apagada.

Dr. Ray Winbush é o diretor do Instituto de Pesquisa Urbana da Universidade do Estado de Morgan, e ele disse que seu trabalho em Baltimore recentemente aumentou sua exposição a concepções raciais de trabalho e bondade. “As pessoas brancas dirão: 'Por que vocês negros não se deixam arrastar pelas suas botas? Esta é a América, todo mundo é livre para fazer o que quiser ", disse Winbush. “Mas qual foi a luta pelos direitos civis dos anos 60 se não o maior movimento de auto-ajuda na história americana?” Através da velha lente do trabalho como um ato que contribui para construir o reino de Deus na Terra de uma forma muito física, a organização política não pode ser reconhecida como uma forma legítima de trabalho. Negar o trabalho dos americanos negros reforça a supremacia branca.

"A ética do trabalho protestante que influenciou a fundação deste país incluiu a crença de que quanto mais riqueza material você tem, mais próximo você está de Deus", disse Robin DiAngelo, professor cuja pesquisa se concentra em como as pessoas brancas são socializadas para colaborar com instituições racismo. “Então, durante a escravidão, dissemos: 'Você deve fazer todo o trabalho, mas nunca permitiremos que isso valha a pena'. Agora, não damos aos negros o acesso ao trabalho. Então e agora eles não foram autorizados a participar na construção de riqueza ou concederam a moralidade que atribuímos à riqueza ”. Esse emaranhado histórico de propriedade e virtude continua a informar as visões raciais. "A propriedade entre os americanos brancos é vista como algo a ser valorizado e reverenciado", disse Winbush. "Os negros americanos não se consideram realmente donos de nada na América."

https://pt.quora.com/Por-que-o-Calvinismo-assume-o-racismo-e-justifica-o-assassínio

Comentários

  • Jesus veio para que TODOS tivessem vida, então não procede essa idéia de predestinação
  • Senhor escreveu: »
    Jesus veio para que TODOS tivessem vida, então não procede essa idéia de predestinação
    Já vi um site que listava 800 passagens da Bíblia que provavam que Deus odeia o mundo.
    E tinha um artigo exclusivamente para refutar essa história de "para que todos tenham vida".

    A Bíblia é tão contraditória que você pode provar qualquer ponto de vista se escolher os trechos certos.
  • editado September 3
    O CRISTIANISMO E A ESCRAVIDÃO

    "O abolicionismo é uma odiosa pestilência infiel".
    (Bispo Stephen Elliott, da Geórgia, co-autor da carta pastoral do Concílio Geral da Igreja Protestante Anglicana Confederada, 01/novembro/1862)
    ----
    "A cruzada fanática, ímpia e ateísta contra a Palavra de Deus e [...] as instituições vitais do Sul" (Rev. Thomas Smyth, ministro da Segunda Igreja Presbiteriana, Charleston, SC, louvando a derrota do Forte Sumter em 1861 e defendendo a escravidão; em outro trecho, ele chamou a Declaração da Independência de documento ateu que encorajava o abolicionismo ateísta)
    ----
    "Nós defendemos nesta grande luta a causa de Deus e da religião. O abolicionismo é inegavelmente ateu. [...] O ateísmo, que não conhece um Deus que tolera o mal, nenhuma Bíblia que lhe dê as leis, e nem uma consciência que possa ser limitada por juramentos e acordos, nos escolheu como vítimas e a escravidão como seu assunto. Já podemos ouvir seus gritos de guerra: 'liberdade, igualdade, fraternidade'" (Rev. Benjamin Morgan Palmer, 29/nov./1860, sermão em New Orleans, La)
    ----
    "Não há nada na Bíblia proibindo a escravidão, apenas a organizando. Podemos concluir que ela não é imoral" (Rev. Alexander Campbell)
    ----
    "É melhor ser escravo no Brasil e salvar sua alma que viver livre na África e perdê-la" - sermão do Pe.Antônio Vieira aos escravos
    ----
    "Pessoas que rejeitam a escravidão obviamente rejeitam Deus e sua palavra, porque rejeitam o que Deus diz e preferem escutar o que dizem simples humanos sobre a escravidão. Este pensamento humanístico era típico dos abolicionistas" (Senador Charles Davidson, do estado do Alabama, mostrando que a Bíblia defende a escravidão - 1996)
    ----
    "O direito a ter escravos está claramente estabelecido nas Escrituras Sagradas, tanto por preceito como pelo exemplo" (Rev. R. Furman, D.D., batista, da Carolina do Sul/EUA)
    ----
    "A Bíblia inteira foi escrita por donos de escravos, para donos de escravos. Não há nenhuma crítica à escravidão em nenhum lugar dela. Jesus também não objetou contra maltratarem-se escravos. Ele até indicou que a venda de devedores como escravos continuaria no seu Reino dos Céus, assim como o direito dos donos de espancá-los e torturá-los (Mateus 18:23-35) " (Merrill Holste, "Slavery and the Bible", artigo de maio/1986 na "American Atheist Magazine")
    ----
    "A causa primordial da escravidão é o pecado... Esta servidão, expiação do pecado, encontra seu lugar pela lei que manda preservar a ordem natural e proíbe perturbá-la...
    Por isso, o Apóstolo recomenda que os escravos se submetam a seus senhores"
    (S.Agostinho, "Cidade de Deus" XIX, 15)
    ----
    "As Escrituras, no Velho e no Novo Testamento, me garantem que eu posso manter escravos em cativeiro" (Rev. Thomas Witherspoon, presbiteriano, do Alabama)
    ----
    "Por volta de 1846, em torno de 1200 ministros metodistas e todos os bispos metodistas episcopais no sul americano possuíam escravos. Com a guerra civil, várias denominações se cindiram em "igreja do norte" e "igreja do sul" devido à resistência dos sulistas a rejeitar a escravidão" (adaptado de Forrest G. Woods, "The Arrogance of Faith: Christianity and Race in America from the Colonia Era to the Twentieth Century")
    ----
    João Crisóstomo, bispo de Alexandria (398-403) citou Tito 2:9-10 para justificar a escravidão: "o escravo deve se sujeitar a sua sorte; obedecendo a seu dono, ele obedece a Deus".
    https://fernandosilvamultiply.blogspot.com/2008/11/cristaos-defendem-intolerancia-e.html
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.