Kardec era racista? É injusto taxá-lo de racista?

editado December 2020 em Religião é veneno
Faz alguns anos, já, que de vez em quando alguém me pede para defender Kardec da acusação de racismo. Existem artigos na internet acusando Kardec de ser racista, e então algumas pessoas me pedem para refutar essas críticas.

Eu não vou refutar crítica nenhuma por dois motivos: Em primeiro lugar, por que O Paulo Neto já fez isso magistralmente no Racismo em Kardec.pdf); Em segundo lugar, por que eu não sou defensor de Kardec – eu não estou aqui para defender ninguém. Eu defendo ideias, não personalidades.

Aliás, é uma coisa bem ridícula essa necessidade de ter ídolos. Isso fica bem num adolescente, que está buscando um parâmetro de conduta; mas nós vemos por aí pessoas adultas, estudadas, com uma larga bagagem de vida, defendendo Chico, Divaldo, Kardec…

– Quando é que vão aprender que o Espiritismo nos oferece ideias e não personalidades para seguir?

Tem gente, como o Sergio Aleixo, por exemplo, que acha que o Espiritismo se resume a Kardec. Eles defendem aquilo que eles chamam de “pureza doutrinária”. Eles defendem o indefensável, pois não existe essa tal pureza doutrinária. Não existe por um motivo muito simples: A Doutrina não é pura. Como é que uma Doutrina produzida por mentes impuras como as nossas vai ser uma Doutrina pura?

A obra de Kardec está cheia de falhas. Dá para escrever um livro só com as contradições, as inconsistências, os conceitos ultrapassados, as ideias equivocadas e até absurdas de Kardec. Todos nós temos qualidades e defeitos. Todos nós, sem exceção. Kardec tinha mais qualidades do que defeitos. Mas também tinha defeitos, e nós não podemos mascarar esses defeitos em defesa da Doutrina. Isso é ridículo – e criminoso!

Porque agindo assim nós estamos induzindo as pessoas ao erro; estamos induzindo as pessoas a acreditar na infalibilidade da Doutrina e dos seus grandes nomes; estamos induzindo as pessoas a pensar que nós já encontramos a verdade e que basta ouvir palestrinha e “estudar Kardec” para evoluir.

Esse endeusamento de Kardec é uma coisa de dar vergonha. Quantas vezes você entrou num centro espírita e se deparou com o famoso quadro de Kardec na parede? E as alcunhas que repetem sem cessar? O insigne codificador; o mestre lionês…

Kardec foi um grande homem, sem dúvida alguma. Um homem inteligente, com uma grande força de vontade, com uma capacidade de trabalho admirável – um homem corajoso, por enfrentar os preconceitos da sociedade da época; e um homem bom: Kardec deixa perceber, na leitura das suas obras, que ele era um homem de boa índole, um homem bem intencionado.

Mas as ideias estão acima das personalidades. Então nós temos que defender ideias, não personalidades. E Kardec, embora tivesse algumas ideias além do seu tempo, também tinha ideias atrasadas e equivocadas, como a imensa maioria das pessoas da sua época – e como nós temos até hoje.

As acusações de racismo em relação a Allan Kardec se baseiam principalmente em dois ensaios produzidos por ele: “Perfectibilidade da raça negra”, na Revista Espírita de Abril de 1862, e a “Teoria do Belo”, que foi escrito por ele, mas só foi publicado depois da sua morte nas suas Obras Póstumas.

O que Kardec expõe nesses ensaios está estritamente de acordo com a Ciência da época. Kardec era um homem de Ciência, acompanhava as tendências e novidades da Ciência. A Ciência da época pregava que os europeus eram superiores. Isso não é ideia de Kardec, o que ele fez foi aceitar essa ideia vigente na época.

Aqui é preciso fazer um aparte para tratar dos detratores do Espiritismo. Tem muitas pessoas, no Brasil, que têm como principal objetivo detratar o Espiritismo, falar mal do Espiritismo.

Como eles não têm muito o que falar do Espiritismo, até porque em sua maioria são pessoas intelectualmente frágeis, eles procuram atacar pessoas caras ao Espiritismo – principalmente Chico Xavier e Allan Kardec. Isso é uma tática entre os fundamentalistas bíblicos. Nos seus fóruns de discussão eles aconselham os candidatos a detrator a falar mal de Chico e Kardec para desestabilizar o apologista espírita.

O que esses seres débeis de imaginação têm que saber é que praticamente todas as pessoas pensavam como Kardec na época. Se eles fossem intelectualmente honestos, eles iriam pesquisar as falas dos padres e pastores da época e constatariam que o pensamento a respeito das raças era o mesmo. A Ciência comete erros, por que ela é produzida por homens falíveis.

– Se a opinião de Kardec sobre os negros era a opinião vigente na época, qual é o erro de Kardec?

Ora, o erro dele é acreditar cegamente na Ciência. Eu disse há pouco que Kardec era um homem além do seu tempo. Era um pouco, não muito. Se fosse muito além do seu tempo, suas conclusões seriam outras.

Mas o erro de Kardec não foi apenas acreditar cegamente na Ciência. O erro dele – que aliás é um erro em que o Divaldo incorre algumas vezes – foi se meter a falar de algo que não conhece. Kardec vivia na França, Kardec não conhecia pessoas negras. O que um francês do século XIX sabia sobre os negros era o ponto de vista dos europeus que colonizavam a África (na verdade, eles invadiram a África), e dos escravocratas das Américas – ou seja, ele tinha notícias absolutamente distorcidas e tendenciosas sobre os negros.

Kardec, muito provavelmente, não conhecia negros. Por outro lado, Kardec parece ter sido muito bem casado, com uma mulher com quem tinha grande afinidade. E nós vemos, ao longo da sua obra, que ele tinha uma visão de vanguarda em relação às mulheres, uma visão muito avançada para o seu tempo.

Todos nós cometemos erros quando tratamos de temas que não dominamos. Kardec não merece ser taxado de racista. Certamente, se ele vivesse hoje, teria ideias bem diferentes. No tempo em que Kardec viveu o Brasil estava em pleno regime escravocrata. E ainda nem se pensava em contestar a escravidão. Os movimentos abolicionistas no Brasil só tomaram força depois da Guerra do Paraguai.

Para finalizar:

- É injusto taxar Kardec de racista;

- Nenhum negro deve se sentir ofendido pelas opiniões de Kardec, pois essas eram as opiniões vigentes na época, e hoje nós sabemos que são equivocadas;

- Não devemos defender ou assinar embaixo de tudo o que Kardec ou qualquer outra pessoa fala. Se o Espiritismo quiser sobreviver com credibilidade, vai ter que levantar o tapete da sala e começar a tirar a sujeira que foi varrida para debaixo do tapete.

Texto de MOREL FELIPE WILKON fonte (grifos nossos)
«1

Comentários

  • editado December 2020
    Bom, Kardec não era um racista (desde o sufixo "ista", que sugere uma militância, ou um viés de idéias desde o que vem antes do sufixo) tão somente expressava suas convicções. Hoje seus pontos de vista são/seriam rotuláveis como racismo por alguns.

    No mais, esta afirmação do texto, "a Ciência comete erros, por que ela é produzida por homens falíveis"
    não procede. Primeiro por que Ciência é o mesmo que fato, então, como fatos cometeriam erros? Também, quando a Ciência é "produzida" a falibidade ou não de quem a produz não entra no merito da sua "produção".
  • A lógica do cara é que se todo mundo acreditava no racismo, então ninguém era racista?

    Genial...
  • CHICO XAVIER - DOENTE MENTAL


    # Por motivos de saúde houve que fazer o eletroencefalograma de Chico Xavier, fora do controle dos espiritistas quando finge que está "psicografando". Resultado esclarecedor: "Foco temporal classicamente responsável por distúrbios sensoriais, alucinações, ouvir vozes (...), arritmia, tendência a ataques epilépticos ou `transes´" (Ver, entre outras publicações, Revista "Realidade", Novembro, 1971).

    # Depoimento do pai, Sr. João Cândido. Confessou o próprio Chico Xavier com referência à sua "iniciação mediúnica" na infância, de sonâmbulo falante e ambulante: "Meu pai estava querendo internar-me em um sanatório para enfermos mentais (...) Devia ter suas razões: naquela época me visitavam (...) também entidades estranhas perturbadoras" (Em entrevista ao repórter Mauro Santayana, "Folha Ilustrada", São Paulo, 11-Julho-1982).

    # Depoimento da madrinha, Da. Rita: "Dizia que eu era louco". Surrava-me "por ser doido (...) Dizia a todo mundo que o menino era doido varrido" (Em entrevista ao repórter Ramón García y García, "Fatos e Fotos", n. 1072).

    # Por afirmação do próprio Chico. Afirmou inúmeras vezes que estava sempre sendo assistido e inspirado por "Emmánuel". Continuamente, ininterruptamente, dia e noite..., que o via, ouvia e sentia como a qualquer pessoa viva ou a qualquer coisa ao redor. Especialmente por "Emmánuel", como chefe, mas também mais de 500 outros "espíritos" subordinados.

    --- Sendo isto não só sem prova nenhuma senão também clarissimamente falso, como veremos, de duas uma: ou Chico Xavier não acreditava no que afirmava e seria um continuo mentiroso e continuo farsante, ou acreditava nessa afirmação e então estava completamente fora da realidade, o que significaria que era absoluta e continuamente louco em alto grau.
  • Kardec era um racista brutal e grosseiro.
  • editado December 2020
    Volpiceli escreveu: »
    Como eles não têm muito o que falar do Espiritismo, até porque em sua maioria são pessoas intelectualmente frágeis, eles procuram atacar pessoas caras ao Espiritismo – principalmente Chico Xavier e Allan Kardec.
    Ad hominem.
    Volpiceli escreveu: »
    O que Kardec expõe nesses ensaios está estritamente de acordo com a Ciência da época. Kardec era um homem de Ciência, acompanhava as tendências e novidades da Ciência. A Ciência da época pregava que os europeus eram superiores. Isso não é ideia de Kardec, o que ele fez foi aceitar essa ideia vigente na época.
    Por que os tais espíritos, que encheram livros e mais livros idiotas com suas descrições detalhadas das comunidades espirituais nos diversos planetas do sistema solar, não sussurraram no ouvido do Kardec ou de seus seguidores que eles estavam errados?

    Desculpa esfarrapada dos espíritas: "Ah, mas tem coisas que a humanidade tem que descobrir sozinha ..."
  • Na epoca de kardec racismo estava na moda a sociedade era racista.
    Na revista espirita ele diz que somente espiritos primitivos podem animar cerebros pequenos dos negros.
    Mas que isto não era demerito porque ele mesmo ja teria sido um negro em vidas passadas.
    Muito da doutrina espirita kardec importou da rosa cruz.
  • Bocas de Matilde...
    Quando o assunto tem importância dentro de contextos filosóficos, religiosos e até mesmo científicos, é preciso muita cautela ao emitir uma opinião porque estaremos revelando aspectos de nossa personalidade, tendências, e principalmente, precisamos saber que estamos apenas emitindo uma opinião.
    Uma opinião é como um rótulo. Se está mais conforme a um senso geral, progressista e estabilizador, incentivando a ordem e a melhoria geral, atacá-la é gesto ousado e irrefletido, geralmente motivado por emoções que seu próprio autor desconhece.
    Importante observar, neste caso, que as palavras que usamos diz mais sobre nós que propriamente a respeito do assunto em foco.

    Precisamos ser criteriosos e honestos quando emitimos opiniões que apenas repetem emoções desordenadas e geralmente baseadas em fatos não comprovados, e que afetam a honra de outras pessoas.

    Apesar de todas as precauções de governos, órgãos de imprensa e instituições respeitáveis contra as fake news, não pensamos duas vezes, exaltados e irrefletidos, repetimos essas mesmas ações falando de política e religião.










  • Kardec era kardecista, não precisa dizer mais nada...
  • "Por motivos de saúde houve que fazer o eletroencefalograma de Chico Xavier, fora do controle dos espiritistas quando finge que está "psicografando". Resultado esclarecedor: "Foco temporal classicamente responsável por distúrbios sensoriais, alucinações, ouvir vozes (...), arritmia, tendência a ataques epilépticos ou `transes´" (Ver, entre outras publicações, Revista "Realidade", Novembro, 1971)."

    KKKK! Ah, caro Encostado, eu ADORO quem usa fontes fajutas em defesa de seus argumentos... É uma pena que o blog do Vitor Moura caiu, mas lá tinha uma boa história sobre esse eletroencefalograma. Pra começar: o Quemedo erra ao dizer que fez o exame por motivos médicos. Quem fez esse exame, POR PESQUISA, foi um médico amigo do Chico. Apareceu na mídia um suposto fragmento de um deste eletroencefalograma. E em cima disto, apareceram "pareceres" de neurologistas com o teor do acima (que ironicamente no parágrafo seguinte se apresenta como espiritista...). O que acontece é que o fragmento disponível NÃO TEM ritmo, nem sequencia, e é indicado ser do hemisfério cerebral direito (que não escreve). NÃO SE DÁ PRA CONCLUIR NADA só com isso.
    Epiléticos têm EGG normais quando não estão em crise. Por tal exame, não se pode dizer que são epiléticos e o Chico nunca teve crises de epilepsia.
  • Esta discussão sobre o racismo do Kardec é uma daquelas que nunca morrem, apesar de nunca deverem ter nascido.
    Não tem o que discutir, o cara era racista, ponto, como todo europeu de sua época, o que não justifica.
    Kardec alegava que os livros da doutrina, particularmente O Livro dos Espíritos foram ditados por Espíritos Superiores, o que implica que ou os tais superiores eram racistas ou que os comentários racistas vieram de lugar bem mais perto que o Além Túmulo.
    E a eterna passada de pano do "Kardec era um homem de seu tempo e no tempo dele etc..." não serve pro Kardec nem para nenhum racista de qualquer lugar e época que professasse fé cristã.
    Não se pode ser cristão e racista, uma Fé que prega a fraternidade universal e a igualdade de todos os Homens perante Deus.
    O racismo tem origem no tribalismo, no medo de que a outra tribo é uma ameaça, então é melhor se precaver contra ela.
    Daí prá guerra é um pulinho e quem ganha a guerra passa a se considerar superior a quem perdeu.
    Ou seja, racismo é coisa de primitivos.
    Quando gente que de primitivo não tem nada, gente que nasceu no meio de uma emergente civilização industrial, científica e tecnológica, que no mais é fundamentada na moral cristã, quando esta gente adota o racismo e querem que seja desculpada por ser "de seu tempo", resta mandar quem faz isto passar pano em macaco, enquanto o penteia.
  • Se Kardec estava em contato com Espíritos Superiores deveria por esta razão ser advertido do erro que incorria na posição de racista, mesmo sendo este o discurso dominante da época.

    Os que assim dizem, curiosamente não esclarecem que estas palavras se encontravam em uma obra não publicada por ele, (recebeu o nome de Obras Póstumas) ou seja, se Kardec não explicitou seu pensamento como haveriam os espíritos de adverti-lo?
    Mesmo assim, talvez o tivessem feito, tanto que nas obras básicas do Espiritismo o pensamento orientador é absolutamente igualitário, sem qualquer distinção de raça, e prega contra a escravização do homem e os direitos iguais para as mulheres, sinal de grande avanço visto que as mulheres não tinham sequer o direito ao voto, (Em 1893, a Nova Zelândia se tornou o primeiro país a garantir o sufrágio feminino, graças ao movimento liderado por Kate Sheppard), no Brasil, somente em 1932, mas com restrições.
    A escravidão ainda grassava em vários países do mundo, inclusive no Brasil.
    Por isso no Livro dos Espíritos encontramos somente preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
  • Dos negros, Kardec sabia apenas o que vários autores contavam a respeito dos selvagens africanos, sempre reduzidos ao embrutecimento quase total, quando não escravizados impiedosamente.

    É baseado nesses informes “científicos” da época que o Codificador repete, com outras palavras, o que os pesquisadores europeus descreviam quando de volta das viagens que faziam à África negra.

    Todavia, é peremptório ao abordar a questão do preconceito racial, principalmente baseado no postulado da Reencarnação:

    “Nós trabalhamos para dar a fé aos que em nada creem; para espalhar uma crença que os torna melhores uns para os outros, que lhes ensina a perdoar aos inimigos, a se olharem como
    irmãos, sem distinção de raça, casta, seita, cor, opinião política ou religiosa; numa palavra, uma crença que faz nascer o verdadeiro sentimento de caridade, de fraternidade e deveres sociais”.

    (KARDEC, Allan. Revista Espírita de 1863 –
    “Com a reencarnação, desaparecem os preconceitos de raças e de castas, pois o mesmo Espírito pode tornar a nascer rico ou pobre, capitalista ou proletário, chefe ou subordinado, livre ou escravo, homem ou mulher. De todos os argumentos invocados contra a injustiça da servidão e da escravidão, contra a sujeição da mulher à lei do mais forte, nenhum há que prime, em lógica, ao fato material da reencarnação e, por conseguinte, o da liberdade”.[/i]
    (A Gênese, cap. I, item 36, p. 42-43. Vide também Revista Espírita, 1867, p.373).

    Novamente a questão dos direitos da mulher in O Livro dos Espíritos.

    202. Quando desencarnado, prefere o Espírito encarnar no corpo de um homem ou de uma mulher?
    “Isso pouco lhe importa. Tudo depende das provas pelas quais deverá passar.”
    Os Espíritos encarnam-se homens ou mulheres, porque não há distinção de gênero entre eles. Como devem progredir em tudo, cada gênero, bem como cada posição social, oferece-lhes as provas e os deveres inerentes e novas ocasiões de adquirir experiências. Aquele que
    fosse sempre homem saberia tão somente o que sabem os homens

    817. O homem e a mulher são iguais perante Deus e têm os mesmos direitos?
    “Deus não concedeu a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?”
    818. De onde provém a inferioridade moral da mulher em certas regiões?
    “Do predomínio injusto e cruel que o homem exerceu sobre ela. É resultante
    das instituições sociais e do abuso da força sobre a fraqueza. Nos
    homens moralmente pouco adiantados, a força é o direito.”

  • patolino escreveu: »
    Por isso no Livro dos Espíritos encontramos somente preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
    6 - Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?

    (...).

    Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão?

    Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126, 127.
  • Acauan escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Por isso no Livro dos Espíritos encontramos somente preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
    6 - Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?

    (...).

    Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão?

    Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126, 127.
    Meu caro, esta não é uma questão do Livro dos Espíritos. A questão #6 no Livro dos Espíritos é a que segue:
    6. O sentimento íntimo que temos da existência de Deus não seria
    fruto da educação e produto de ideias adquiridas?

    “Se assim fosse, como se explica que até as culturas primitivas tenham
    esse sentimento inato?”...

    No livro A Gênese, estão questões científicas ou filosóficas apresentadas na Revista Espírita para debates e conclusões. Kardec denominava aquela revista de balão de ensaio pois ali as ideias e respostas colhidas por diversos médiuns eram testadas através de uma correspondência numerosa com os leitores de diversas partes do mundo.

    Por isto é como eu disse: no Livro dos Espíritos encontramos os preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
  • editado January 3
    patolino escreveu: »
    “Nós trabalhamos para dar a fé aos que em nada creem; para espalhar uma crença que os torna melhores uns para os outros, que lhes ensina a perdoar aos inimigos, a se olharem como
    irmãos, sem distinção de raça, casta, seita, cor, opinião política ou religiosa; numa palavra, uma crença que faz nascer o verdadeiro sentimento de caridade, de fraternidade e deveres sociais”.

    (KARDEC, Allan. Revista Espírita de 1863 –
    Não fazer distinção de raça na hora de lidar com o próximo não significa achar que esse próximo é tão desenvolvido física e mentalmente quanto nós.
    Significa ter caridade, fraternidade etc. apesar de.
    patolino escreveu: »
    “Com a reencarnação, desaparecem os preconceitos de raças e de castas, pois o mesmo Espírito pode tornar a nascer rico ou pobre, capitalista ou proletário, chefe ou subordinado, livre ou escravo, homem ou mulher. De todos os argumentos invocados contra a injustiça da servidão e da escravidão, contra a sujeição da mulher à lei do mais forte, nenhum há que prime, em lógica, ao fato material da reencarnação e, por conseguinte, o da liberdade”.[/i]
    (A Gênese, cap. I, item 36, p. 42-43. Vide também Revista Espírita, 1867, p.373).
    Exatamente. Ainda hoje há espíritas que acham que não há racismo em se considerar os negros como inferiores porque, no futuro, eles voltarão como brancos.
    Ou seja, o que importa para eles é o espírito, que vai evoluir, não o corpo e a mente inferiores do indivíduo em que ele está temporariamente encarnado.
  • Postado por AndarilhoTerrestre no CC. Isto não é "balão de ensaio". Vem dos espíritos.
    Para os espíritos de Kardec chinês também era inferior...

    " Um chinês, por exemplo, que progredisse suficientemente e não encontrasse mais na sua raça um meio correspondente ao grau que atingiu, encarnará entre um povo mais adiantado. À medida que uma geração dá um passo para frente, atrai por simpatia Espíritos mais avançados, os quais são, talvez, os mesmos que já haviam vivido no mesmo país e que, por seu progresso, dele se tinham afastado; é assim que, passo a passo, uma nação avança. Se a maioria dos seus novos habitantes fosse de natureza inferior e os antigos emigrassem diariamente e não mais descessem a um meio inferior, o povo acabaria por degenerar, e, afinal, por extinguir-se."

    E a observação de Allan Kardec após a resposta do espírito. Raça Negra pode alcançar a raça europeia? E uma possível “utilidade” na escravidão para fazer progredir “raças inferiores...”

    " Observação – Essas questões provocam outras que encontram solução no mesmo princípio; por exemplo, donde vem a diversidade de raças, na Terra? — Há raças rebeldes ao progresso? — A raça negra é suscetível de subir ao nível das raças europeias? — A escravidão é útil ao progresso das raças inferiores? — Como se pode operar a transformação da humanidade? (Ver O livro dos espíritos, questão 776 e seguintes. Revista espírita, janeiro de 1862, Ensaio de interpretação sobre a doutrina dos anjos decaídos; Idem, abril de 1862, Perfectibilidade da raça negra" Trecho de “O que é o Espiritismo? Capitulo 3, questão 143.”

    "Fora, com efeito, impossível atribuir-se a mesma ancianidade de criação aos selvagens, que mal se distinguem do macaco, e aos chineses, nem, ainda menos, aos europeus civilizados.
    Entretanto, os Espíritos dos selvagens também fazem parte da humanidade e alcançarão um dia o nível em que se acham seus irmãos mais velhos. - Trecho de A Genese.
  • Também postado por AndarilhoTerrestre:
    Depois de tudo que li está difícil livrar Kardec e PRINCIPALMENTE os espíritos de luz que estavam na “Sociedade Espírita de Paris” desse envolvimento negativo com o racismo (ou discriminação, já que tem espírita que diz o termo racismo não existir na época)

    Mas de fato, não me lembro de Kardec dizer que não evoluiriam, mas perguntou ao espírito São Luiz se a raça negra é realmente inferior:

    “9. (A São Luís) ─ A raça negra é realmente inferior?
    A raça negra desaparecerá da Terra. Ela foi feita para uma latitude diferente da vossa. “
    https://kardecpedia.com/roteiro-de-estudos/893/revista-espirita-jornal-de-estudos-psicologicos-1859/6892/junho/palestras-familiares-de-alem-tumulo/o-negro-pai-cesar
  • editado January 3
    Ainda do AndarilhoTerrestre:
    De "O Livro dos Espíritos":
    831. A desigualdade natural das aptidões não coloca certas raças humanas sob a dependência das raças mais inteligentes?

    “Sim, mas para que estas as elevem, não para embrutecê- las ainda mais pela escravização. Durante longo tempo, os homens consideram certas raças humanas como animais de trabalho, munidos de braços e mãos, e se julgaram com o direito de vender os dessas raças como bestas de carga. Consideram-se de sangue mais puro os que assim procedem. Insensatos! nada vêem senão a matéria. Mais ou menos puro não é o sangue, porém o Espírito.” (361-803)

    Na questão 831 os espíritos ditam “não para embrutece-las ainda mais” – isto é já são brutas segundo estes.
    E Kardec acha que inteligentes são somente "as raças" que desenvolvem "trabalhos intelectuais".
    O "Livro dos Espíritos" também é balão de ensaio?
  • Se as raças existem, todo mundo é racista?
  • Uma frase que pontua em quase toda argumentação, (principalmente nos sofismas do Andarilho) tentando rebaixar a DE é: no entanto há espíritas que....
    Nem argumento chega a ser.

    O Espiritismo representa um sonho de toda criatura que espera por paz e felicidade na terra, sem injustiça ou miséria, aqueles que esperam a recompensa merecida por seus honestos e ingentes esforços, para finalmente, quando entregarem o corpo ao repouso final enxergarem com os próprios olhos o que até então eram promessas, tornando em realidade.

    Por essa razão, estes irmãos, ansiosos ou angustiados pedem a prova da existência dos espíritos, ou até de Deus.
    Como essas provas atualmente encontram-se no campo da argumentação lógica e da observação, caminhos estes que conduzem, certamente, à FÉ RACIOCINADA, a frustação gera uma reação de revolta ante os sonhos que desvanecem, como se alguém tivesse nos enganado.
    Por isto no espiritismo não há meio termo, ou você ama ou odeia.
  • patolino escreveu: »

    Por essa razão, estes irmãos, ansiosos ou angustiados pedem a prova da existência dos espíritos, ou até de Deus.
    Como essas provas atualmente encontram-se no campo da argumentação lógica e da observação, caminhos estes que conduzem, certamente, à FÉ RACIOCINADA,

    A lógica e a observação por enquanto provam apenas que ser agnóstico é a unica saída puramente lógica para a questão da existência de Deus. Isso fica ainda mais evidente quando se vai além da existência dele e se começa a formular religiões com detalhes de como este Deus (que não sabemos se existe em primeiro lugar) pensa, faz as coisas, criou as coisas e quais suas intenções.

  • patolino escreveu: »
    Uma frase que pontua em quase toda argumentação, (principalmente nos sofismas do Andarilho) tentando rebaixar a DE é: no entanto há espíritas que....
    Nem argumento chega a ser.
    Onde está o sofismo na conclusão do Andarilho diante do que ele usou como exemplo tirado do LE?
    Fernando_Silva escreveu: »
    Ainda do AndarilhoTerrestre:
    De "O Livro dos Espíritos":
    831. A desigualdade natural das aptidões não coloca certas raças humanas sob a dependência das raças mais inteligentes?

    “Sim, mas para que estas as elevem, não para embrutecê- las ainda mais pela escravização. Durante longo tempo, os homens consideram certas raças humanas como animais de trabalho, munidos de braços e mãos, e se julgaram com o direito de vender os dessas raças como bestas de carga. Consideram-se de sangue mais puro os que assim procedem. Insensatos! nada vêem senão a matéria. Mais ou menos puro não é o sangue, porém o Espírito.” (361-803)

    Na questão 831 os espíritos ditam “não para embrutece-las ainda mais” – isto é já são brutas segundo estes.
    E Kardec acha que inteligentes são somente "as raças" que desenvolvem "trabalhos intelectuais".
    Então:
    Há racismo no espiritismo e, "todo mundo era racista na época", não serve como desculpa.
  • editado January 3
    patolino escreveu: »
    Acauan escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Por isso no Livro dos Espíritos encontramos somente preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
    6 - Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?
    (...).
    Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão?
    Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126, 127.

    Meu caro, esta não é uma questão do Livro dos Espíritos. A questão #6 no Livro dos Espíritos é a que segue:
    6. O sentimento íntimo que temos da existência de Deus não seria
    fruto da educação e produto de ideias adquiridas?

    “Se assim fosse, como se explica que até as culturas primitivas tenham
    esse sentimento inato?”...
    Sério que você fez isto?
    Pegou o pedaço da citação que lhe interessava e ignorou todo resto que não lhe convém?
    Sendo o resto que não lhe convém explícita e descaradamente racista.
    E tá no Livro dos Espíritos sim, não adianta brigar contra citação que inclui edição, capítulo e página.
    No livro A Gênese, estão questões científicas ou filosóficas apresentadas na Revista Espírita para debates e conclusões. Kardec denominava aquela revista de balão de ensaio pois ali as ideias e respostas colhidas por diversos médiuns eram testadas através de uma correspondência numerosa com os leitores de diversas partes do mundo.

    No Livro da Gênese estão questões científicas...
    Sério?
    Os caracteres fisiológicos das raças primitivas constituem indício evidente de que elas procedem de tipos especiais.
    ...
    Há, pois, de se considerar as raças negras, mongólicas, caucásicas como tendo origem própria, como tendo nascido simultânea ou sucessivamente em diversas partes do globo.
    ...
    Adão e seus descendentes são apresentados na Gênese como homens sobremaneira inteligentes, pois que, desde a segunda geração, constroem cidades, cultivam a terra, trabalham os metais. São rápidos e duradouros seus progressos nas artes e nas ciências. Não se conceberia, portanto, que esse tronco tenha tido, como ramos, numerosos povos tão atrasados, de inteligência tão rudimentar, que ainda em nossos dias rastejam a animalidade, que hajam perdido todos os traços e, até, a menor lembrança do que faziam seus pais. Tão radical diferença nas aptidões intelectuais e no desenvolvimento moral atesta, com evidência não menor, uma diferença de origem.

    Alan Kardec, A Gênese, Capítulo XI - Raça Adâmica, Edição da Federação Espírita Brasileira

    Não precisa falar mais nada...
    Por isto é como eu disse: no Livro dos Espíritos encontramos os preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.

    Como demontrado, assim só o é para quem tanto quer que assim seja, que se recusa a admitir que não.
  • Judas escreveu: »
    A lógica e a observação por enquanto provam apenas que ser agnóstico é a unica saída puramente lógica para a questão da existência de Deus. Isso fica ainda mais evidente quando se vai além da existência dele e se começa a formular religiões com detalhes de como este Deus (que não sabemos se existe em primeiro lugar) pensa, faz as coisas, criou as coisas e quais suas intenções.

    Como já exaustivamente discutido aqui no RéV, o conceito Deus é um axioma por definição e axiomas, também por definição, estão acima das demonstrações lógicas.
    Assim, o máximo que se pode fazer são demonstrações partindo de premissas menores, do tipo, partindo do princípio que Deus seja isto ou aquilo, assim ou assado, então... Sem nenhum fundamento para esta premissa menor na premissa maior.
    É o que faz Santo Tomás de Aquino, que nunca diz nas Cinco Vias que demonstrou a existência de Deus e sim que demonstrou a existência "daquilo que chamamos Deus".
  • Eu já li muito livro religioso na minha vida, houve um tempo, antes da popularização da gloriosa internet, que eu lia tudo que conseguia colocar as mãos por pura falta de coisa melhor para fazer, dentre esses vários livros estão O Grande Conflito, que é praticamente uma segunda Bíblia para os Adventistas do Sétimo Dia, Divina Revelação do Inferno, um livro tão ruim mas tão ruim que você acaba lendo na esperança de encontrar no final algum trecho dizendo "A autora do livro sofria de severos problemas mentais enquanto escrevia a obra" ou coisa parecida entre outros títulos.

    O livro do Kardec eu achei chato demais e não consegui ler, ou seja, eu conseguia aturar revistinhas Sentinela, doida de pedra escrevendo sobre o Inferno mas não consegui terminar esse livro enfadonho, nem desafiadoramente ruim esse livro conseguia ser, que tédio. zzz
  • Eu nem cogitei, então eu sou o caminho, a verdade e a vida!
  • Acauan escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Acauan escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Por isso no Livro dos Espíritos encontramos somente preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.
    6 - Por que há selvagens e homens civilizados? Se tomarmos uma criança hotentote recém nascida e a educarmos nas melhores escolas, fareis dela, um dia, um Laplace ou um Newton?
    (...).
    Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão?
    Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, p. 126, 127.

    Meu caro, esta não é uma questão do Livro dos Espíritos. A questão #6 no Livro dos Espíritos é a que segue:
    6. O sentimento íntimo que temos da existência de Deus não seria
    fruto da educação e produto de ideias adquiridas?

    “Se assim fosse, como se explica que até as culturas primitivas tenham
    esse sentimento inato?”...
    Sério que você fez isto?
    Pegou o pedaço da citação que lhe interessava e ignorou todo resto que não lhe convém?
    Sendo o resto que não lhe convém explícita e descaradamente racista.
    E tá no Livro dos Espíritos sim, não adianta brigar contra citação que inclui edição, capítulo e página.
    Você está incorrendo num erro de citação. A questão 6 de O Livro dos Espíritos, completa é:
    6. O sentimento íntimo que temos da existência de Deus não seria
    fruto da educação e produto de ideias adquiridas?
    “Se assim fosse, como se explica que até as culturas primitivas tenham
    esse sentimento inato?”
    Se o sentimento da existência de um ser supremo não é mais que
    o produto de um ensinamento, não seria universal e nem existiria,
    como as noções científicas, que só existiriam naqueles que tivessem
    podido recebê-las.


    Aquela citação, encontrada em vários blogs e sites anti espiritistas, está incorreta e provavelmente colocada intencionalmente.
    Contudo não há desculpa pois, embora a obra seja dividida em Livros, (de livro I até o livro IV) e Capítulos sequenciados em cada um desses livros, as questões são numeradas, de#1 a #1018 e a questão que vc se refere provavelmente estará no Livro A Gênese, não o tenho agora comigo.

    Outro aspecto que demonstra ignorância intencional dos que vivem deblaterando contra o Espiritismo é que, Kardec faz uma observação a respeito da distinção entre os seus comentários, e as respostas dadas pelos Espíritos que ditaram a obra. Essa distinção é feita através de destaque no corpo da fonte, nos textos.
    Significa que atacar Kardec é atacar o mensageiro ignorando a mensagem.
    Se Kardec era racista, a Doutrina Espírita é cristã, o que é claramente explicitado nas respostas dos espíritos e no livro O Evangelho Segundo o Espiritismo.


    Finalmente, Kardec era racista, sim e não! pois se afirma que a raça negra era inferior culturalmente, o que era um fato na época, também diz que tem ela a mesma chance de aperfeiçoamento que qualquer elemento de outra raça. Também dizer que mesmo sendo cultural na ocasião, não serve de desculpa, é ignorar a noção de coletividade social (Eurocentrismo) e ambiente. Veja:
    Dos negros, Kardec sabia apenas o que vários autores contavam a respeito dos selvagens africanos, sempre reduzidos ao embrutecimento quase total, quando não escravizados impiedosamente.
    É baseado nesses informes “científicos” da época que o Codificador repete, com outras palavras, o que os pesquisadores europeus descreviam quando de volta das viagens que faziam à África negra.

  • Acauan escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Adão e seus descendentes são apresentados na Gênese como homens sobremaneira inteligentes, pois que, desde a segunda geração, constroem cidades, cultivam a terra, trabalham os metais. São rápidos e duradouros seus progressos nas artes e nas ciências. Não se conceberia, portanto, que esse tronco tenha tido, como ramos, numerosos povos tão atrasados, de inteligência tão rudimentar, que ainda em nossos dias rastejam a animalidade, que hajam perdido todos os traços e, até, a menor lembrança do que faziam seus pais. Tão radical diferença nas aptidões intelectuais e no desenvolvimento moral atesta, com evidência não menor, uma diferença de origem.

    Alan Kardec, A Gênese, Capítulo XI - Raça Adâmica, Edição da Federação Espírita Brasileira

    Não precisa falar mais nada...
    Talvez não tenha compreendido todo o teor do texto.
    Estava-se defendendo a ideia de que essa raça adâmica, tão diferente das que lhes eram contemporâneas, teve origem diferente; não existia no planeta quando o homem, autóctone, surge e começa a expandir sua localização. Ela é mais recente; é como a enxertia vegetal num tronco que vingou. Visa a maturidade ou o progresso daquele que tarda.
  • editado January 3
    Sem-t-tulo.jpg

    A fonte é a Federação Espírita Brasileira que tem o livro pra download.

    A afirmação é:
    patolino escreveu: »
    Por isto é como eu disse: no Livro dos Espíritos encontramos os preceitos cristãos, de fraternidade, compreensão e tolerância. Nada de racismos ou teorias similares.

    A imagem da página do Livro dos Espíritos que se pode ver com os olhos e até encostar o dedo no monitor pra poder pegar insiste em contradizer esta afirmação.

    A página onde está escrito "O livro dos Espíritos" pertence ou não ao Livro dos espíritos?
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.