Queremos vacina

«1

Comentários

  • Saudações Judas

    hahahaha

    "Serei um Jacaré vacinado !!! "

    Só se a fábrica replicou DNA reptiliano...rs
    Isso é impossível. Mas... Isso é possível:

    Falhas vacinais: avaliando vacinas febre amarela, sarampo, varicela e caxumba

    "Estudos epidemiológicos que analisaram surtos dessas doenças identificaram casos em indivíduos que receberam duas doses da vacina, o que pode apontar provável falha secundária. Para a vacina febre amarela, a discussão atual reside no número de doses ideal para a proteção individual. A Organização Mundial da Saúde recomenda dose única para toda a vida. Apesar dos poucos relatos em literatura a respeito das falhas vacinais, os estudos de imunogenicidade demonstram perda de proteção ao longo dos anos, principalmente na faixa etária pediátrica. Num cenário atual de eliminação e controle de doenças, associado à diminuição da circulação de vírus selvagens,

    O papel da vigilância epidemiológica é fundamental para aprofundar o conhecimento a respeito dos múltiplos fatores envolvidos, que culminam com falhas vacinais e surgimento de surtos. A ocorrência de surtos de doenças imunopreveníveis impacta negativamente a credibilidade dos programas de imunização, acarretando baixas coberturas vacinais e interferindo no êxito da vacinação.

    https://scielosp.org/article/csp/2020.v36suppl2/e00008520/


    Jacaré, pode ser o menor dos nossos problemas.


    [Fraternos]
  • Questões sérias sendo levantadas sobre a atuação dos governos sobre as vacinas.

    Algumas delas são tratadas como mal agouro e que não devem ser perguntadas:

    O custo benefício de se fazer a vacinação com determinada taxa de eficácia, afinal o dinheiro não é infinito. O governante está em uma situação onde pode gastar o que quiser, afinal ele não estará no cargo quando a conta chegar e, mesmo que esteja, poderá alegar que era uma emergência ("o povo clamava pela vacina"). Ele torra o dinheiro, se reelege/elege, sai como herói e não paga a conta, nunca, de jeito nenhum pro caso de dar algo errado. É um ganha ou ganha. Mas políticos são honestos e não se aproveitariam deste tipo de situação.

    Os grupos de risco que estão fora do escopo do estudo estarão cobertos pelos 100% de eficácia em casos graves?

    No caso dos idosos que vierem a morrer depois da vacina. Morreram porque já iam morrer devido a idade e comorbidades ou porque a vacina falhou?

    Os idosos morrem de COVID pra engordar os números mas não morrem por causa de uma vacina que pode ter falhado?

    O grupos de risco tomam a vacina e continuam em casa até chegar outra com maior eficácia?
  • editado January 19
    Porque eu estou vendo uma corrida pra entregar a cura diante das vantagens políticas que isso vai trazer a quem se apresentar como Sassá Mutema e diante de chantagem da imprensa empurrando governantes a aderir às vacinas pra serem poupados do rótulo de genocidas anti-ciência.

    A vacina é a melhor solução, disso não tenho dúvida. Mas há meios diferentes de se chegar até isso. Não estou certo de que estamos pegando o melhor caminho.

    Eu entendi que a vacina também serve pra frear a transmissão. Só não estou bem com essas alegações de 100% de eficácia em casos assim ou assado mas grupo X ou Y não foi testado ou não tem relevância estatística, com a carta branca pra gastar por parte dos governos, politicagem contaminado as decisões e situação de ganha/ganha pra políticos.
  • editado January 19
    diario.jpg


  • editado January 19
    Questões sérias sendo levantadas sobre a atuação dos governos sobre as vacinas.

    Acho essas questões importantes, mas a relativa escassez de respostas a elas se deve a incapacidade de muitos jornalistas. Então, vou verificar algumas delas neste tópico, mesmo não sendo um.
    Judas escreveu: »
    O Butantã abordou os tais 7 casos.

    Eles testaram 12 mil pessoas e deram placebo pra metade.
    Dos 12 mil somente algumas centenas ficaram doentes.
    Dos que tomaram o placebo somente 7 ficaram gravemente doentes e dos que tomaram a vacina Nenhum.
    Com isso a conclusão foi a de que a vacina teve 100% de eficácia nos casos graves.
    O próprio instituto Butantã alertou que isso não é conclusivo ao menos em relação aos casos graves.

    É relativamente comum que medicamentos eficazes tenham boa parte de seus efeitos que podem ser atribuídos a efeito placebo. O caso dos antidepressivos é exemplar.

    Ainda assim, 7 pacientes com sintomas graves ou moderados ainda representam 0,15% dos 4.599* voluntários testados. Mesmo que você parta da premissa que existe só 0,15% de probabilidade de alguém ser hospitalizado ou estar na UTI somente com efeito placebo, qual a chance de todos os 4.653 voluntários vacinados não apresentarem sintomas grave ou moderado, se a probabilidade de ser hospitalizado ou ir para UTI for p= 0,0015? Mesmo com essa ínfima probabilidade, a probabilidade da eliminação de casos graves e moderados ser somente efeito placebo seria de apenas 0,09%, já que (1-0,0015) elevado a 4.653 é 0,0009.

    * Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2021-01-12/coronavac-tem-eficacia-global-de-5038-em-pesquisa-do-butantan-e-pode-minimizar-pressao-sobre-o-sus.html
    No caso dos idosos que vierem a morrer depois da vacina. Morreram porque já iam morrer devido a idade e comorbidades ou porque a vacina falhou?

    Se fosse esperado que parcela significativa das pessoas morresse por causa dos efeitos colaterais das vacinas, então isso deveria acontecer não só fora dos experimentos, mas nos ensaios clínicos randomizados controlados também. Todavia, se, por exemplo, no agregado de experimentos foram testados 43 mil voluntários e nenhum morreu, existe razão para estimar que o número de efeitos mortais da vacina testada não excede o limite de 1 morte a cada 10 mil (compare isso com morte de 1 a cada 50-100 de quem usa o vírus como vacina). Os ensaios clínicos randomizados controlados existem justamente para afastar as ilusões causadas pelo "aconteceu depois, logo foi causado por". As evidências atuais desse tipo não são ruins, pois usam amostras representativas da população geral, mas podem melhorar com o tempo, à medida que mais pessoas são testadas.
    Os idosos morrem de COVID pra engordar os números mas não morrem por causa de uma vacina que pode ter falhado?

    A "taxa de mortalidade" é uma variável que quase sempre apresenta distribuição de probabilidade de "caudas finas". Somente epidemias devastadoras ou outras catástrofes de distribuição de probabilidade de "caudas gordas" (grandes guerras, por exemplo) tem capacidade de perturbar esse padrão estatístico. Então, na ausência de grandes guerras, de grandes catástrofes ambientais em escala global, etc. tem-se evidência de que a COVID-19 têm abreviado a expectativa de vida de muitas pessoas, sendo o número oficial reportado de mortes por COVID-19 uma condição indispensável para explicar as estatísticas de "excesso de mortalidade":

  • Saudações Judas
    Judas disse: Algumas delas são tratadas como mal agouro e que não devem ser perguntadas:

    Vacinas contra covid: a advertência da OMS sobre 'fracasso moral catastrófico' da distribuição de imunizantes
    19 janeiro 2021, 05:40 -03

    As vacinas contra covid-19, a grande esperança de acabar com a pandemia, não estão chegando a todos.

    O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou nesta segunda-feira (18/1) para a enorme desigualdade na distribuição da vacina contra a covid-19 e alertou para as graves consequências disso.

    "Devo ser franco: o mundo está à beira de um fracasso moral catastrófico, e o preço desse fracasso será pago com as vidas e meios de subsistência dos países mais pobres", advertiu Tedros no discurso de abertura do Comitê Executivo da OMS, que se reúne nos próximos nove dias.

    O chefe da OMS considerou que não é justo que pessoas saudáveis ​​e jovens de nações ricas tenham acesso à vacina antes de grupos vulneráveis ​​de países mais pobres.

    A partir de janeiro deste ano, China, Índia, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos desenvolveram vacinas contra o coronavírus, e outras foram desenvolvidas por equipes multinacionais, como a Pfizer, uma colaboração germano-americana.

    Quase todas essas nações priorizaram a distribuição para sua própria população.


    O chefe da OMS considera que a estratégia do "eu, primeiro" será contraproducente, pois fará com que os preços subam e levará ao acúmulo de vacinas.

    "Em última análise, essas ações apenas prolongarão a pandemia, as restrições necessárias para contê-la e o sofrimento humano e econômico", acrescentou.

    Um total de 92 países — todos eles de baixa e média renda — comprarão as vacinas por meio de um fundo patrocinado por doadores.

    "Obtivemos 2 bilhões de doses de cinco produtores, com opção para mais mil, e esperamos iniciar a distribuição em fevereiro", disse Tedros.

    Apesar das desigualdades, ele considerou que não era tarde para reverter a situação.

    "Apelo a todos os países para que trabalhem juntos para garantir que nos primeiros cem dias deste ano, a vacinação dos profissionais de saúde e dos idosos esteja em curso em todos os países".

    No mês passado, a People's Vaccine Alliance, uma rede de organizações que inclui Anistia Internacional, Oxfam e Global Justice Now, denunciou que os países ricos estavam acumulando doses de vacinas contra covid-19 e alertou que as pessoas nos países pobres seriam deixadas para trás.

    A coalizão observou que cerca de 70 países de baixa renda só podiam vacinar 1 em cada 10 pessoas.

    O Canadá, em particular, foi fortemente criticado; a coalizão denunciou que o país havia solicitado doses suficientes de vacinas para proteger cada canadense cerca de cinco vezes.

    Em dezembro, a ministra canadense do Desenvolvimento Internacional, Karina Gould, rejeitou as alegações de que o país estava estocando vacinas, dizendo que qualquer discussão sobre um excedente era "hipotética", pois as doses não haviam sido entregues.

    Gould garantiu que o Canadá estava alocando US$ 380 milhões para ajudar os países em desenvolvimento em sua luta contra a covid-19.

    O chefe da OMS apelou a um compromisso total com a plataforma Covax, coordenada pela OMS para garantir o acesso equilibrado às vacinas nos países em desenvolvimento com ajuda financeira dos países desenvolvidos, que está prevista para começar a funcionar no próximo mês.

    "Eu desafio todos os Estados-membros a garantir que, até o Dia Mundial da Saúde, em 7 de abril, as vacinas contra covid-19 sejam administradas em todos os países, como um símbolo de esperança de superar a pandemia e a desigualdades que estão na raiz de tantos desafios globais de saúde."

    Até janeiro deste ano, mais de 180 países aderiram à iniciativa Covax. Seu objetivo é unir os países em um bloco para que tenham maior poder nas negociações com as empresas farmacêuticas.

    https://www.bbc.com/portuguese/internacional-55716829

    Obs.: Tenho utilizado a expressão síndemia... Justamente por causa disso. Vivemos em um mundo globalizado. Vamos ver coisas estranhas acontecendo cada vez mais.

    [Fraternos]
  • Saudações Judas
    Judas disse: Porque eu estou vendo uma corrida pra entregar a cura diante das vantagens políticas que isso vai trazer a quem se apresentar como Sassá Mutema e diante de chantagem da imprensa empurrando governantes a aderir às vacinas pra serem poupados do rótulo de genocidas anti-ciência.

    Bingo !!!

    Nota... País totalmente endividado... Sem saber quantas doses fracionadas ainda precisará adquirir.

    O pior... É a cegueira geral... Muita gente esperta.

    - Quem pagará toda essa continha ?

    Soro, minha gente... Soro !!!

    [Fraternos]
  • editado January 20
    Saudações a todos

    Creio (creiam), vou (tentar) parar de postar aqui...

    Antes, porém...

    Lembram que antes (no inicio da pandemia) não se dava um passo sem que a OMS dissesse o que fazer.

    Muitos líderes repetiam verdadeiros mantras: Sigam a ciência !!!

    Pois bem... Agora c@g$%¨¨&& na cabeça dela... Depois, que a mesma foi "desacreditada" por conta dos dados que recebeu bem manipulados da origem...

    Sei não... Existe um Líder de um País aí, que disse que vai buscar os daemons... Judas, vc sabe de que líder estou falando, certo?!

    Vamos ver...

    O bom nisso tudo... É que a imunidade de rebanho virá, de uma forma ou de outra.


    [Fraternos]
  • Silvana escreveu: »
    Saudações Judas
    Judas disse: Algumas delas são tratadas como mal agouro e que não devem ser perguntadas:

    Vacinas contra covid: a advertência da OMS sobre 'fracasso moral catastrófico' da distribuição de imunizantes
    19 janeiro 2021, 05:40 -03...
    Foi assunto de hoje.

    A OMS se sujou lá no início da pandemia e agora, mesmo que tenha razão em sulas alegações enfrentará descrédito e politicagem.

    Ruim pra todos.
  • editado January 20
    Silvana escreveu: »
    Saudações Judas
    Judas disse: Porque eu estou vendo uma corrida pra entregar a cura diante das vantagens políticas que isso vai trazer a quem se apresentar como Sassá Mutema e diante de chantagem da imprensa empurrando governantes a aderir às vacinas pra serem poupados do rótulo de genocidas anti-ciência.

    Bingo !!!

    Nota... País totalmente endividado... Sem saber quantas doses fracionadas ainda precisará adquirir.

    O pior... É a cegueira geral... Muita gente esperta.

    - Quem pagará toda essa continha ?

    Soro, minha gente... Soro !!!

    [Fraternos]

    O debate está pobre. Não há profundidade e a imprensa está fazendo um papel mal feito como disse o @Huxley.

    Quando há debate, como se deu na JP, ele acaba girando em torno de politicagem ou dados superficiais.

    Que as soluções adotadas com finalidade política calhem de serem eficazes para o que deveriam ser desde o início que é parar com as mortes. Será sorte nossa se acontecer assim.

    E falando em dívida a nova eleição pra presidente da Câmara e Senado tem como um dos elementos o fato de que ambos os candidatos mais cotados pra vencer (na câmara) querem prolongar o auxílio emergencial mas sem furar o teto de gastos.

    Eu queria saber como é que pretendem fazer isso.

  • Silvana escreveu: »

    Lembram que antes (no inicio da pandemia) não se dava um passo sem que a OMS dissesse o que fazer.

    Muitos líderes repetiam verdadeiros mantras: Sigam a ciência !!!

    Pois bem... Agora c@g$%¨¨&& na cabeça dela... Depois, que a mesma foi "desacreditada" por conta dos dados que recebeu bem manipulados da origem...

    Sei não... Existe um Líder de um País aí, que disse que vai buscar os daemons... Judas, vc sabe de que líder estou falando, certo?!

    Vamos ver...

    O bom nisso tudo... É que a imunidade de rebanho virá, de uma forma ou de outra.


    [Fraternos]

    Eu me lembro perfeitamente de que a OMS torrou sua credibilidade. Mas bem no início mesmo eu também me lembro de ser deles a voz que todos esperavam ouvir de onde sairia uma direção descontaminada de politicagem.

    Eu estava entre estas pessoas e me decepcionei.
  • Judas escreveu: »
    Silvana escreveu: »

    Lembram que antes (no inicio da pandemia) não se dava um passo sem que a OMS dissesse o que fazer.

    Muitos líderes repetiam verdadeiros mantras: Sigam a ciência !!!

    Pois bem... Agora c@g$%¨¨&& na cabeça dela... Depois, que a mesma foi "desacreditada" por conta dos dados que recebeu bem manipulados da origem...

    Sei não... Existe um Líder de um País aí, que disse que vai buscar os daemons... Judas, vc sabe de que líder estou falando, certo?!

    Vamos ver...

    O bom nisso tudo... É que a imunidade de rebanho virá, de uma forma ou de outra.


    [Fraternos]

    Eu me lembro perfeitamente de que a OMS torrou sua credibilidade. Mas bem no início mesmo eu também me lembro de ser deles a voz que todos esperavam ouvir de onde sairia uma direção descontaminada de politicagem.

    Eu estava entre estas pessoas e me decepcionei.

    Os porta vozes da ciência foram responsáveis por obscurecer a mesma e deram palco a ignorantes.
  • Saudações Judas
    Judas disse: Eu estava entre estas pessoas e me decepcionei.

    Infelizmente, eu tbm estava esperando ações mais firmes da OMS. Até reclamei isso no tópico, sobre a questão das máscaras.
    O problema é que o tempo mostrou que a mesma sofreu um golpe devido a dar espaço a politicagem, esperou os dados vindos da China.

    [Fraternos]
  • Saudações a todos

    Quando a OMS fala sobre países menos desenvolvidos ficarem de fora da campanha de vacinação. Ela também está destacando a metodologia na aquisição da tecnologia por Etec ao invés de P&D. Isso ficou claro agora... Uma corrida por líderes de países, estados etc... Em se destacar(em) diante dos demais, do tipo, quem pode mais.

    O que isso quer dizer... A OMS é um organismo com larga experiência em Pandemias/Síndemias, com estratégias e logística em operacionalização para isso. O que vimos então, agora com mais clareza...

    A OMS teria de também avaliar o processo todo... Mas... Foi feito um jogo com movimentos estranhos e a mesma foi relegada ao descrédito. Por conta de dados incompletos. Alguns Países mais dados a esquerda, são campeões nisso.

    O que isso significa, afinal ?

    O mesmo País que não fornece todos os dados sobre a real situação do surto inicial é o principal fornecedor de matéria prima ao mundo... Isso é muito ruim. Por vários aspectos.

    1o. Quando não se sabe o que existe no composto. (Segredo Industrial) Creiam, em se tratando de quem é... Nunca fornecem os dados completos.
    2o. Dependência da tecnologia. (Estabelecem os preços) - Não existe livre mercado.
    3o. Demanda X Poder de compra. Deslealdade, leilão dos países mais ricos, etc.

    Existem mais proposições nesta lista. Prefiro parar.

    Alguns irão dizer... Existe a Rússia (Spotnik), Existe o EUA, a ìndia, etc.

    Galera, o princípio é o mesmo... Só com a parceria em tecnologia através de organizações de saúde nacionais
    que possam também fabricar ao invés de só envasar... Aí, sim.


    Sobre os países excluídos. Bom, vamos iniciar analisando uma das indicações do Relatório A World At Risk.

    Publicado em 22/09/2019 -
    "Os países, doadores e instituições multilaterais “devem se preparar para o pior cenário de uma pandemia de vírus respiratório em rápida evolução”, promovendo pesquisas e o desenvolvimento de novas vacinas e medicamentos, com compartilhamento rápido de informações. As organizações internacionais de financiamento devem integrar o tema a seus planejamentos e sistemas de incentivos, assim como os financiadores de assistência ao desenvolvimento de países mais pobres e vulneráveis."

    https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-09/especialistas-alertam-para-risco-de-pandemias-globais


    [Fraternos]
  • editado January 20
    Espero a fala do Huxley.

    [Fraternos]
  • editado January 20
    ...A OMS teria...
    Que desaparecer do mapa, ser erradicada da existência de uma vez por todas e para sempre e os livros de História servir como lição de que todas as tentativas de unificar instituições internacionais é um esforço inútil destinado ao fracasso, no fim apenas se tornam um instrumento de propaganda para quem domina a arte da politicagem e nada mais.

    Se essa pandemia não servir para convencer a todos da mais completa e nociva inutilidade da OMS nada mais o fará.

    E o mesmo princípio se aplica a ONU.
  • Cameron escreveu: »
    ...A OMS teria...
    Que desaparecer do mapa, ser erradicada da existência de uma vez por todas e para sempre e os livros de História servir como lição de que todas as tentativas de unificar instituições internacionais é um esforço inútil destinado ao fracasso, no fim apenas se tornam um instrumento de propaganda para quem domina a arte da politicagem e nada mais.

    Se essa pandemia não servir para convencer a todos da mais completa e nociva inutilidade da OMS nada mais o fará.

    E o mesmo princípio se aplica a ONU.

    Dá uma olhada aqui depois se puder. O Waack não me parece um doido. Esse vídeo me influenciou muito. Gostaria até da sua opinião a do @Acauan do @Fernando_Silva e dos demais sobre ele.

    Talvez seja um mal necessário ao menos no caso da ONU, ou pensando como ele, sem a ONU pode ficar ainda pior.
  • Saudações Judas
    Judas disse: O Waack não me parece um doido.

    E não é. O discurso dele está correto.
    Percebeu que a OMS em sua publicação reclama da falta de oportunidade dos países mais pobres...

    Isso não é caridade... É ser responsável, pois parte do mundo receberá algum tipo de proteção, Já a outra parte que não receberá nada, permanecerá alimentando o ciclo de vida do vírus.

    reinfecções, mutações e circulação de surtos que podem vir a se tornar em outras pandemias mais graves que as geradas por vírus já conhecidos... Os tais vírus selvagens que citei no trabalho da Scielo.

    [Fraternos]
  • Judas escreveu: »
    Cameron escreveu: »
    ...A OMS teria...
    Que desaparecer do mapa, ser erradicada da existência de uma vez por todas e para sempre e os livros de História servir como lição de que todas as tentativas de unificar instituições internacionais é um esforço inútil destinado ao fracasso, no fim apenas se tornam um instrumento de propaganda para quem domina a arte da politicagem e nada mais.

    Se essa pandemia não servir para convencer a todos da mais completa e nociva inutilidade da OMS nada mais o fará.

    E o mesmo princípio se aplica a ONU.

    Dá uma olhada aqui depois se puder. O Waack não me parece um doido. Esse vídeo me influenciou muito. Gostaria até da sua opinião a do @Acauan do @Fernando_Silva e dos demais sobre ele.

    Talvez seja um mal necessário ao menos no caso da ONU, ou pensando como ele, sem a ONU pode ficar ainda pior.

    E um mal necessário, seria preciso reforma.
  • Saudações Cameron
    Cameron disse: E o mesmo princípio se aplica a ONU.

    Cameron, A OMS (saúde) a ONU (Acordos políticos internacionais), etc.
    São organismos importantes à todos, na maioria os acordos não são muito favoráveis aos países mais pobres.
    Mas... O mundo necessita de > Simbolicamente > Torres de babel - Para que os interesses tanto dos grandes quanto dos pequenos sejam avaliados.
    Fazem isso por serem caridosos e bonzinhos ?
    NÂO. Claro que não. Na maioria das vezes estabelecem regras para que os países ricos tenham suas regiões e direitos respeitados entre si... O resto do mundo é só o resto do mundo... Compreendes ?

    A OMS e trabalhos (pesquisas) sobre países pobres e suas necessidades, para a maioria dos países ricos deve ser uma chatice.
    Mas... Nem que seja para falar o óbvio... Que ao menos os países menos favorecidos tenham algum suporte científico, mostrando que não é bom negócio achar que não cuidar dos mesmos seja uma obrigação, mas antes uma necessidade.

    Pois, o mundo é globalizado...rs
    Mesmo que os países ricos quisessem fechar todas as fronteiras aos países menos favorecidos. Isso não é possível, nem que seja para manter um verniz superficial de civilidade; os mesmos precisam de alguma riqueza, mineral, vegetal, etc. Desses países mais pobres.

    Isso é justo... Não. É antes a busca de um pseudo equilíbrio das forças existentes.

    [Fraternos]
  • E os vídeos do Waack são de quase 3 anos atrás. Já era uma opinião racional e razoável sem a pandemia pra contaminar nosso entendimento dessas coisas.

    ONU, ruim com ela, pior sem ela. Até aqui pelo que entendi é isso.
  • Judas escreveu: »
    Dá uma olhada aqui depois se puder. O Waack não me parece um doido. Esse vídeo me influenciou muito. Gostaria até da sua opinião a do @Acauan do @Fernando_Silva e dos demais sobre ele.

    Talvez seja um mal necessário ao menos no caso da ONU, ou pensando como ele, sem a ONU pode ficar ainda pior.
    Waack parece apresentar a ONU como uma espécie de cartório internacional, onde você pode registrar a escritura de um imóvel ou a certidão de casamento como salvaguarda de determinados direitos legais.
    É...
    Dentro da normalidade na qual a burocracia é respeitada como autoridade, tudo bem.
    Só que o próprio Waack falou dos elefantes grandes, que quando entram em briga pisoteiam também as convenções burocráticas.
    Ele tá certo se considerarmos que a normalidade é a regra e a briga de elefantes a exceção.
    O problema é quando um dos elefantes grandes é a China, que se algum dia resolver invadir as aguas territoriais do Brasil, só serão impedidos pela Marinha dos Estados Unidos, não pela escritura ou certidão que registramos na ONU para assegurar este direito.
  • Você tem problemas como o da Venezuela. Eles não fazem nada sob a desculpa de que problemas internos devem ser resolvidos internamente pra evitar intervenções que podem no longo prazo causar mais dano. Difícil de engolir mas vá lá...

    O problema então é quando um país briga com o outro? Então porque deixaram a Rússia invadir a Ucrânia em 2014?

    Nada é simples quando se trata disso.

    Uma invasão de um pedaço da Ucrânia certamente tem peso diferente se comparado a China invadir o Brasil. Se a ONU toma ou não posição é questão de se vale a pena ou não intervir a depender da importância do território disputado, quem é o invasor e quem é o invadido.

    No fim das contas se o pau quebrar mesmo não têm como fazer nada. No máximo servem pra inibir que aconteça um caso como o da Ucrânia por mês.

    A China está construindo ilhas artificiais militares e ocupa águas que seriam por tratado internacional pertencentes a outros países, isso acontece há muito tempo, estão vendo e estão deixando rolar.

    Problema vai dar, a questão é só quando será.
  • editado January 21
    Acauan escreveu: »
    Judas escreveu: »
    Dá uma olhada aqui depois se puder. O Waack não me parece um doido. Esse vídeo me influenciou muito. Gostaria até da sua opinião a do @Acauan do @Fernando_Silva e dos demais sobre ele.

    Talvez seja um mal necessário ao menos no caso da ONU, ou pensando como ele, sem a ONU pode ficar ainda pior.
    Waack parece apresentar a ONU como uma espécie de cartório internacional, onde você pode registrar a escritura de um imóvel ou a certidão de casamento como salvaguarda de determinados direitos legais.
    É...
    Dentro da normalidade na qual a burocracia é respeitada como autoridade, tudo bem.
    Só que o próprio Waack falou dos elefantes grandes, que quando entram em briga pisoteiam também as convenções burocráticas.
    Ele tá certo se considerarmos que a normalidade é a regra e a briga de elefantes a exceção.
    O problema é quando um dos elefantes grandes é a China, que se algum dia resolver invadir as aguas territoriais do Brasil, só serão impedidos pela Marinha dos Estados Unidos, não pela escritura ou certidão que registramos na ONU para assegurar este direito.
    Uma instituição internacional que só... hã... "funciona" em períodos tranquilos, sem atritos e somente quando lida com os fracotes mas falha desgraçada e miseravelmente quando lida com um grandalhão, por exemplo, no episódio aonde os EUA decidiram unilateralmente invadir o Iraque sem o aval dela e sem qualquer tipo de consequência senão as internas do próprio EUA, não justifica a própria existência.

    A ONU e a OMS são inúteis mas considero a inutilidade da segunda mais perigosa como a História recente tem mostrado, a instituição cuja a principal e mais crucial missão é manter o mundo avisado em caso de uma crise sanitária ou epidêmica surgir preferiu ao invés disso abaixar a cabeça e seguir os mandos e desmandos de um ditador agindo como uma extensão de seus domínios até o momento que já era tarde demais para fazer alguma coisa, em outras palavras, para seguir as ordens de seu legítimo dono a OMS colocou em risco toda a nossa espécie, se isso não for motivo para exterminar a instituição de uma vez por todas, responsabilizar quem tomou as decisões referentes ao caso iniciando um julgamento dos envolvidos por crimes contra a humanidade, o que seria?

    Um conflito entre nações, sobretudo entre aquelas que podem garantir a aniquilação mútua, tem boas chances de acabar pela diplomacia, com ou sem a ONU, já com um vírus não dá para negociar.
  • editado January 21
    Como o Waack diz no vídeo o próprio Brasil já esteve envolvido em missões de intervenção internacional e não da pra ignorar que isso seja algo positivo em alguns casos, mesmo que seja só para os pequenos.
    É um debate interessante para o qual não me sinto preparado pra participar.

    Já a OMS e sua atuação no COVID-19 tá difícil defender eles da Cameron...
  • Acauan escreveu: »
    Judas escreveu: »
    Dá uma olhada aqui depois se puder. O Waack não me parece um doido. Esse vídeo me influenciou muito. Gostaria até da sua opinião a do @Acauan do @Fernando_Silva e dos demais sobre ele.

    Talvez seja um mal necessário ao menos no caso da ONU, ou pensando como ele, sem a ONU pode ficar ainda pior.
    Waack parece apresentar a ONU como uma espécie de cartório internacional, onde você pode registrar a escritura de um imóvel ou a certidão de casamento como salvaguarda de determinados direitos legais.
    É...
    Dentro da normalidade na qual a burocracia é respeitada como autoridade, tudo bem.
    Só que o próprio Waack falou dos elefantes grandes, que quando entram em briga pisoteiam também as convenções burocráticas.
    Ele tá certo se considerarmos que a normalidade é a regra e a briga de elefantes a exceção.
    O problema é quando um dos elefantes grandes é a China, que se algum dia resolver invadir as aguas territoriais do Brasil, só serão impedidos pela Marinha dos Estados Unidos, não pela escritura ou certidão que registramos na ONU para assegurar este direito.

    O problema são instituições corrompidas. Chega o ponto que a confiança é nula.
  • A ONU e a OMS são pontos de referência. Ajudam um pouco a organizar as coisas e evitar conflitos.
    O problema é que não funcionam como deveriam e acabam dominadas pelas grandes potências.

    A pergunta é: estamos melhor com elas, mesmo imperfeitas, ou o melhor é cada um por si?

    Devemos aceitar que guerras resultem de alianças casuísticas e interesseiras entre países, como no caso da Primeira Guerra (e todas as anteriores) ou é melhor que haja um fórum internacional para onde se levar as disputas antes que virem guerras?

    Se não está bom, vamos desistir ou tentar consertar?
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.