Tacaram fogo na estátua do Borba Gato na Zona Sul em São Paulo

«1

Comentários

  • Muito do que hoje é considerado errado na época era normal.
    Nossos antepassados provavelmente faziam muita coisa que hoje seria inaceitável.
    Nem por isso eram gente ruim.
  • O Borda Gato bordava gatos mas era normal. Se bordava os gatos naqueles tempos.
  • editado July 25
    Toda a mongoloidice da esquerda americana ( os mongos profissionais) é replicada aqui mesmo que faça ainda menos sentido aqui do que lá.

    Não tem como esconder isso mais. Existe comando por trás deste tipo de ação e é real, é assim:

    "Então gente, meu nome é XXXXXX Soros e eu vou financiar a ONG de vocês, a gente já faz isso nos EUA e estamos tendo resultados.
    Eu quero que vocês façam o mesmo no Brasil começando por incitar ódio racial e depois quebrar estátuas. Vamos arrumar aparições na TV pra vocês, vamos investir em dar publicidade as suas ações..."
  • Fernando_Silva escreveu: »
    Muito do que hoje é considerado errado na época era normal.
    Nossos antepassados provavelmente faziam muita coisa que hoje seria inaceitável.
    Nem por isso eram gente ruim.
    Pensamento interessante.

    O quê mudou? Certamente a moral e os costumes.

    Mas como, por que?

    Terá resultado do aprimoramento das leis, e/ou, somado a isto, o grande crescimento populacional?
    Assim, o que era feito com naturalidade, na via pública ou nos palácios - a degradação de uma sociedade, - passou a ser feito às escondidas, em becos e vielas, ou tramado no silêncio das alcovas.
    É assim que surge a hipocrisia social.

    Sempre, quem oprime são as elites, que é minoria.
    Mas a população mais pobre cresce e o número de vítimas torna-se escandaloso.
    Surge a revolta... a violência.
    Mas também a Justiça, com suas questionáveis leis.


  • Judas escreveu: »
    Toda a mongoloidice da esquerda americana ( os mongos profissionais) é replicada aqui mesmo que faça ainda menos sentido aqui do que lá.

    Não tem como esconder isso mais. Existe comando por trás deste tipo de ação e é real, é assim:

    "Então gente, meu nome é XXXXXX Soros e eu vou financiar a ONG de vocês, a gente já faz isso nos EUA e estamos tendo resultados.
    Eu quero que vocês façam o mesmo no Brasil começando por incitar ódio racial e depois quebrar estátuas. Vamos arrumar aparições na TV pra vocês, vamos investir em dar publicidade as suas ações..."

    Não tinha uns caras assim nos protestos de 2013 acho que eram Black Blocs.
  • patolino escreveu: »
    Fernando_Silva escreveu: »
    Muito do que hoje é considerado errado na época era normal.
    Nossos antepassados provavelmente faziam muita coisa que hoje seria inaceitável.
    Nem por isso eram gente ruim.
    Pensamento interessante.

    O quê mudou? Certamente a moral e os costumes.

    Mas como, por que?

    Terá resultado do aprimoramento das leis, e/ou, somado a isto, o grande crescimento populacional?
    Assim, o que era feito com naturalidade, na via pública ou nos palácios - a degradação de uma sociedade, - passou a ser feito às escondidas, em becos e vielas, ou tramado no silêncio das alcovas.
    É assim que surge a hipocrisia social.

    Sempre, quem oprime são as elites, que é minoria.
    Mas a população mais pobre cresce e o número de vítimas torna-se escandaloso.
    Surge a revolta... a violência.
    Mas também a Justiça, com suas questionáveis leis.

    É um contrasenso essa narrativa culpando "as elites". Elites por definição, são o que há de melhor em tudo.

  • Mas é uma questão delicada mesmo essa coisa de bordar gato. O cara era um mercenário e opressor.

    Essa coisa de fazer estátuas tem que ter muito critério.
  • editado July 26
    Senhor escreveu: »
    Mas é uma questão delicada mesmo essa coisa de bordar gato. O cara era um mercenário e opressor.

    Essa coisa de fazer estátuas tem que ter muito critério.

    Mercenário ele seria se trocasse de lado por dinheiro e isso ele não fez, ele era só alguém que não vivia de ar não nada pior do que isso, e essa história de opressor para aquela época, é uma coisa meio discutível, a maioria dos bandeirantes eram mestiços de índios recente e com uns 50% ou mais de aparência indígena e inclusive com auxiliares índios puros, eles mesmos tinham na sua maioria uma versão da língua tupi-guarani como língua natal e os próprios índios não digamos..."naturalizados" eram já super violentos, viviam fazendo guerras entre si e já tinham dizimado o povo da "Luzia".
  • LaraAS escreveu: »
    Senhor escreveu: »
    Mas é uma questão delicada mesmo essa coisa de bordar gato. O cara era um mercenário e opressor.

    Essa coisa de fazer estátuas tem que ter muito critério.

    Mercenário ele seria se trocasse de lado por dinheiro e isso ele não fez, ele era só alguém que não vivia de ar não nada pior do que isso, e essa história de opressor para aquela época, é uma coisa meio discutível, a maioria dos bandeirantes eram mestiços de índios recente e com uns 50% ou mais de aparência indígena e inclusive com auxiliares índios puros, eles mesmos tinha na sua maioria uma versão da língua tupi-guarani como língua natal e os próprios índios não digamos..."naturalizados" eram já super violentos, viviam fazendo guerras entre si e já tinham dizimado o povo da "Luzia".
    Cara LaraS não é justificativa para violência o fato do violentado ser violento. Fazer ao próximo o que queres pra ti mesmo é atemporal.

  • deve ter sido índios revoltados
  • editado July 26
    patolino escreveu: »
    Fernando_Silva escreveu: »
    Muito do que hoje é considerado errado na época era normal.
    Nossos antepassados provavelmente faziam muita coisa que hoje seria inaceitável.
    Nem por isso eram gente ruim.
    Pensamento interessante.

    O quê mudou? Certamente a moral e os costumes.

    Mas como, por que?
    A mecanização da lavoura e da indústria reduziu a necessidade de trabalho braçal.
    A maior produção de alimentos e riquezas em geral permitiu que as pessoas fossem "boazinhas".

    Quando chegar a era Mad Max, a moral vai regredir para se adaptar à nova realidade.
  • Senhor escreveu: »
    patolino escreveu: »
    Sempre, quem oprime são as elites, que é minoria.
    É um contrasenso essa narrativa culpando "as elites". Elites por definição, são o que há de melhor em tudo.
    Mania de acusar as elites por tudo de ruim que acontece ...

    Os mais capazes, mais talentosos, mais ambiciosos, mais bonitos, mais fortes etc. sempre terão melhores resultados e serão odiados pelos preguiçosos, medíocres, feios, fracos etc.

    Há canalhas entre a elite assim como há canalhas entre os medíocres.
  • Que tal derrubar as estátuas do Zumbi? Ele também tinha escravos.
  • editado July 26
    Fernando_Silva escreveu: »
    Os mais capazes, mais talentosos, mais ambiciosos, mais bonitos, mais fortes etc. sempre terão melhores resultados e serão odiados pelos preguiçosos, medíocres, feios, fracos etc.


    Os mais corruptos, os mais cruéis, os mais insanos, cheios de poder e dinheiro formam a nababesca elite que oprime e torna desigual e injusta a competição pelo bem geral.
    "Os mais capazes, mais talentosos, mais ambiciosos, mais bonitos, mais fortes etc". formam uma minoria inexpressiva da população, mesmo que admiráveis em suas exclusivas e ridículas comunidades.

    Para os indiferentes basta retirar a venda que impede ver a miséria, a criminalidade, e o desamparo a que está submetida grande parte da população brasileira.

    É esta bizarra elite que acaba por conduzir a extrema esquerda ao Poder... Lula agradece.


  • Na última vez que fui ao centro do rio fiquei com medo dessa manifestação.
  • O bom de tal ato de terrorismo é que ele ajuda o Bozo a ganhar mais votos.
  • Eu queria saber é como é que chegam a fazer um estatuão daqueles do borda Gato como é que alguém acorda de manhã e pensa; tinha que ter una estátua de fulano e como que essa idéia vai pra frente sem ninguém pra atinar quem é o sujeito. Bah...
  • editado July 26
    Professor escreveu: »
    O bom de tal ato de terrorismo é que ele ajuda o Bozo a ganhar mais votos.
    O pior é que o Sr. tem razão😞
    Assim como bandeiras vermelhas nos comícios🙄

  • Aqui em Belo Horizonte muito antes desse assunto virar moda aconteceu o episódio da mudança do viaduto Castelo Branco, nome do ex Presidente, ligado ao governo militar pra viaduto Dona Helena Grecco, uma figura ligada à militância esquerdista. E ninguém perguntou ao povão se podia a mudança de nome.
  • FN falando merda sobre o caso:

  • Percival escreveu: »
    FN falando merda sobre o caso:
    Se FN está falando já se subentende que o conteúdo é excremento.
  • Judas escreveu: »
    Percival escreveu: »
    FN falando merda sobre o caso:
    Se FN está falando já se subentende que o conteúdo é excremento.

    Aqui ele chegou ao ápice, ou no melhor termo, no seu fundo do poço. E ele vai achar uma pá lá .
  • editado July 29
    Não cabe a vândalos "politicamente corretos" decidir sobre os méritos de personagens históricos.
    Isto é trabalho de historiadores qualificados.

    Os bandeirantes eram mestiços de português e nativos, falavam tupi-guarani e viviam entre nativos.
    Os filhos desses homens com as índias eram os bandeirantes. Eles viviam pelas matas à cata de riqueza: comerciavam com os paraguaios, escravizavam jês (como seus ancestrais tupis faziam), seduziam os guaranis do Paraguai para fora daquela utopia jesuítica, desbravavam mata virgem em busca de minas de ouro, peregrinavam pelo Cerrado, e até chegaram a servir aos senhores de engenho do Recôncavo baiano como mercenários, em guerrilha contra índios brabos que aterrorizavam a região. Nem os tapuias, nem os bandeirantes, falavam português correntemente.
    [...]
    Os bem-nascidos se pintam de brancos superiores e abnegados, que apontam à gente escura um caminho para ter seu lugar ao sol, em espaços gentilmente reservados – ou cercados. Os escuros podem ser vices, como Sônia Guajajara; podem ser mártires santificados, como Marielle. Podem ser vereadores. Mas não são nunca líderes e grandes referências dentro dos partidos da esquerda, que tanto alegam ser a desigualdade consequência direta de racismo. O escuro que não conhece o seu lugar, como Fernando Holiday, atrai uma ira homicida. O jornalista escuro, que não baba esquerdista, como Heraldo Pereira, ganha ofensa racial. Quando se quer ter vida intelectual ou política sem abaixar a cabeça para a esquerda, ser branco é um privilégio.

    Se você é escuro, os bem-nascidos da esquerda vão lhe reservar o chiqueirinho do lugar de fala, da vaga por inclusão, do consultor de diversidade, etc. Mas não vão considerá-lo um ser humano autônomo, com direito a ter suas próprias ideias e desafiá-los. Isso é lugar de fala de branco.
    https://www.gazetadopovo.com.br/ideias/o-delirio-arianista-da-esquerda-paulistana/
  • editado August 3
    Eduardo Bueno resumiu muito bem a situação em um de seus vídeos.
    Borba Gato NÃO foi caçador de escravos, fossem negros ou Índios.
    Pelo contrário, viveu escondido junto a uma tribo por vinte anos, por conta da acusação de assassinato de um funcionário público fodão da época.
    Que o Pangaré do Motoboy que incendiou a estátua tenha estas ideias de jerico vá lá, não por ser motoboy que fique claro, mas por ser pangaré.
    Só que pulularam analistas políticos da Globo e outros veículos da grande mídia batendo palminhas, na intimidade quiçá tendo orgasmos turbinados por suas fantasias de ver o poderoso homem branco do passado em chamas.
    Revelaram-se mais pangarés que o motoboy, já que não se deram ao trabalho mínimo esperado de um jornalista que era consultar uma fonte confiável antes de sair falando bobagens em rede nacional.
    Surpresa nenhuma.
  • Em tempo.
    Se não derrubaram a estátua do Borba Gato por ser brega, uma aberração estética cravada numa avenida de grande movimento, então nenhum outro motivo justifica.
    Os vagabundos não querem destruir a estátua ou o Borba Gato.
    Querem destruir (ou desconstruir, no linguajar dos babaquaras) a identidade Paulista forjada no mito dos Bandeirantes.
    Mito, sim, como sempre são mitos os formadores das identidades dos povos.
    Por isto nossa sede do governo é o Palácio dos Bandeirantes, nosso grande monumento é o das Bandeiras e nossas estradas tem os nomes de quem primeiro abriu aqueles caminhos.
    Que continue assim.
  • Percival escreveu: »
    Churrasco de Estátua
    Pelo menos nos blogs tem gente pensando, coisa que o jornalismo televisivo desaprendeu.

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.