VOTO IMPRESSO

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13165.htm
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu promulgo, nos termos do § 5º do art. 66 da Constituição, as seguintes partes da Lei nº 13.165, de 29 de setembro de 2015:

“Art. 2º .........................................................................

.............................................................................................

‘Art. 59-A. No processo de votação eletrônica, a urna imprimirá o registro de cada voto, que será depositado, de forma automática e sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado.

Parágrafo único. O processo de votação não será concluído até que o eleitor confirme a correspondência entre o teor de seu voto e o registro impresso e exibido pela urna eletrônica.’

.............................................................................................

“Art. 12. Até a primeira eleição geral subsequente à aprovação desta Lei, será implantado o processo de votação eletrônica com impressão do registro do voto a que se refere o art. 59-A da Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997.”

Brasília, 25 de novembro de 2015; 194º da Independência e 127º da República.

DILMA ROUSSEFF

Este texto não substitui o publicado no DOU de 26.11.2015


Eleições terão voto impresso a partir de 2018
https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/12/28/eleicoes-terao-voto-impresso-a-partir-de-2018
Fonte: Agência Senado
«1

Comentários

  • Especialistas defendem voto impresso para recontagem de resultado de eleição
    http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-15/especialistas-defendem-voto-impresso-para-recontagem-de-resultado-de-eleicao
    15/10/2013 - 12h47
    Política
    Carolina Gonçalves
    Repórter da Agência Brasil

    Brasília – Especialistas criticaram hoje (15) o fato de o Brasil ser o único país sem a confirmação impressa individual do voto. Durante audiência na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado, professores da Universidade de Brasília (UnB) e integrantes do Fórum do Voto Seguro na Internet disseram que o programa usado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não é seguro e defenderam que o processo eleitoral tenha um mecanismo que também confirme em papel a escolha do eleitor no momento da votação.
  • Câmara aprova proposta que cria voto impresso
    Urna deve imprimir comprovante, que será depositado em um compartimento lacrado

    O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 433 votos a 7 e 2 abstenções

    https://noticias.r7.com/brasil/camara-aprova-proposta-que-cria-voto-impresso-16062015
  • http://www.usp.br/agen/eleicoes/

    Adoção de comprovante de voto pode evitar fraudes contra urnas eletrônicas

  • Voto eletrônico volta a ser impresso a partir de 2014

    https://www.pdt.org.br/index.php/voto-eletronico-volta-a-ser-impresso-a-partir-de-2014/
    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou nesta terça-feira (29) a lei da reforma eleitoral aprovada no último dia 16/9 pela Câmara dos Deputados que, entre outras novidades, restabelece a impressão do voto eletrônico em todas as urnas a partir de 2014 – assegurando a recontagem dos votos por amostragem em parte delas e, desta forma, o respeito à verdade eleitoral. A impressão do voto eletrônico é antiga reivindicação de Leonel Brizola, do PDT e dos técnicos do Fórum do Voto Eletrônico (www.votoseguro.org) – página da Internet que questiona a segurança das urnas brasileiras desde 1998.
  • editado August 2021
    G1, PDT, especialistas tudo defendendo o voto impresso há décadas.

    Vem o Bolsonaro e defende e todos mudam de lado e o país que se foda.

    Bolsonaro tinha que ganhar por 50 mil votos caindo pra 13 mil após "recontagem" e "auditoria" que os defensores da tese de que é possível auditar as eleições como estão fosse feita.

    Aí queria ver a cara de quem comemorou no dia do enterro do voto impresso.

    É estúpido. Sempre teve desconfiança do processo, acabar com ela beneficiaria a todos que votaram tanto no PT quanto no PSL.
  • A internet é pra sempre.
  • Política / Eleições 2022 - Em 20 pontos, TSE rebate declarações de Bolsonaro sobre sistema eleitoral

    Presidente fez ataques ao sistema eleitoral e à confiança das urnas eletrônicas; Tribunal divulgou respostas para cada acusação

    Por Mariana Muniz — Brasília 18/07/2022


    Em resposta aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral nesta segunda-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desmentiu os principais pontos trazidos pelo mandatário durante a reunião com embaixadores de diversos países. A Corte compilou uma série de publicações já feitas pelo projeto “Fato ou Boato”, uma parceria do TSE com agências de checagens, e respondeu às falas do presidente sobre ataques hackers, voto impresso e fraudes nas urnas em 20 pontos. A seguir, os principais argumentos de Bolsonaro desmontados pelo TSE:

    Alegação 1: Apenas dois países do mundo (Butão e Bangladesh) usam sistema semelhante ao brasileiro

    Resposta: Além de Brasil, Butão e Bangladesh (que também utiliza cédulas de papel), “os equipamentos utilizados pelo eleitorado de parte da França e dos Estados Unidos para realizar a escolha de representantes também não imprimem comprovante físico da votação”.

    Alegação 2: Hacker teve acesso a tudo dentro do TSE

    Resposta: “As investidas de hackers na época do pleito de 2020, com mais de 486 mil conexões por segundo, não obtiveram sucesso. Ou seja, o breve atraso na divulgação dos resultados do primeiro turno nada teve a ver com os ataques. Na verdade, o que aconteceu foi uma demora na entrega de um equipamento usado na totalização, fato que impediu os técnicos do Tribunal de realizarem os testes necessários”.

    Alegação 3: Hacker poderia excluir nomes de candidatos

    Resposta: “Em nenhum momento as urnas eletrônicas são conectadas à internet, nem possuem placa que dê acesso a outro tipo de conexão em rede (wi-fi ou bluetooth). Muito pelo contrário: o dispositivo funciona de maneira isolada e sequer realiza a transmissão dos resultados da votação, que já são conhecidos pela população logo após o término da eleição, com a impressão do Boletim de Urna (BU). Uma eventual manipulação na etapa de totalização seria facilmente identificada pela comparação entre o BU – que traz o resultado da votação em cada seção eleitoral – com os dados publicados no Portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”.

    Alegação 4: Logs [rastros do hacker] foram apagados

    Resposta: “Código-fonte é acessível, a todo o tempo, aos partidos políticos, à OAB, à Polícia Federal e a outras entidades que participam do processo. Uma vez assinado digitalmente e lacrado, não existe a possibilidade de adulteração. O programa simplesmente não roda se vier a ser modificado”.

    Alegação 5: PSDB disse que sistema é inauditável

    Resposta: “Mesmo sem a impressão do voto, as urnas eletrônicas podem ser auditadas. As verificações, acompanhadas de perto por diversas entidades respeitadas, ocorrem antes, durante e depois das eleições para assegurar o bom funcionamento do sistema eleitoral brasileiro”. Auditoria do PSDB citada por Bolsonaro não encontrou fraudes nas eleições

    Alegação 6: TSE não imprime voto mesmo com recomendação da PF

    Resposta: “Lei sancionada por ex-presidente da República [prevendo a impressão do voto] não chegou a entrar em vigor porque foi considerada inconstitucional pelo STF”.

    Alegação 7: Observadores internacionais não conseguirão analisar a integridade do sistema, pois não há voto impresso.

    Resposta: “Organismos internacionais especializados em observação, como OEA e IFES, já iniciaram análise técnica sobre a urna eletrônica. Contarão com peritos em informática, com acesso ao código-fonte e todos os elementos necessários para avaliarem a transparência e integridade do sistema eletrônico de votação”.

    Alegação 8: O ministro Edson Fachin (atual presidente do TSE) resolveu tornar o ex-presidente Lula elegível

    Resposta: “O ministro Luiz Edson Fachin ficou vencido no tema da execução da pena após a condenação em segunda instância e na competência da justiça eleitoral para julgar as ações oriundas de grandes esquemas de corrupção. Vencido, no entanto, não se furtou em aplicar a posição consolidada pelo Plenário. Sobre o tema do habeas corpus do ex-Presidente, na semana anterior a que o ministro Fachin proferiu a decisão, foi aplicado o mesmo entendimento para deslocar a competência de uma investigação relacionada à Transpetro”.

    Alegação 9: O ministro Luís Roberto Barroso indevidamente acusou Bolsonaro de vazar inquérito sigiloso, quando ele não era sigiloso

    Resposta: “Corregedoria da PF disse que o inquérito era sigiloso pelo fato de ainda estar aberto”.

    Alegação 10: É uma empresa terceirizada que conta os votos

    Resposta: “O sistema de totalização é feito no TSE e é apresentado as entidades fiscalizadoras com 1 ano de antecedência bem como é lacrado em cerimônia pública. Totalização dos votos é feita em computadores localizados na sala-cofre do Tribunal, em Brasília”.

    Alegação 11: O ministro Edson Fachin diz que auditoria não serve para questionar resultados

    Resposta: Frase retirada de contexto desta fala de Fachin: “Auditar trata-se de auditar os meios, instrumentos e procedimentos, e não veículo de uma preposição aberta direcionada aprioristicamente a rejeitar o resultado das urnas que por ventura retrate que a vontade do povo brasileiro é oposta aos interesses pessoais de um ou de outro candidato”.

    Alegação 12: O Ministro Fachin foi advogado do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra)

    Resposta: “O Ministro Luiz Edson Fachin nunca foi advogado do MST”.

    Alegação 13: O próprio TSE disse que em 2018 números podem ter sido alterados

    Resposta: “O TSE nunca emitiu tal informação”.

    Alegação 14: TSE não acolheu as sugestões das Forças Armadas

    Resposta: “O TSE acolheu, de forma completa ou parcial, 32 propostas feitas pelos integrantes da Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) ainda para as Eleições 2022. Esse número representa 72% do total de 44 propostas – o número inicial era 47, mas algumas repetições foram aglutinadas – e 25% delas (11 propostas) estão sendo avaliadas para as próximas eleições municipais. Apenas uma proposta foi rejeitada”.

    Alegação 15: Institucionalidade Voto impresso

    Resposta: O presidente do TSE disse que o sistema eletrônico de votação é auditável, não uma, mas dez vezes. E afirmou que a impressão do voto não resultará em mais um nível de auditoria, mas numa vulnerabilidade que poderá acarretar a suspeição das eleições e a judicialização dos resultados. ‘Há um grande risco de que, na recontagem manual, dê defasagem em relação ao voto eletrônico. E aí vão começar as ações judiciais pedindo a nulidade da urna, pedindo a anulação da votação naquela seção’, alertou

    Alegação 16: Supercomputador

    Resposta: “O TSE esclarece ser falsa a informação que circula em redes sociais afirmando que o supercomputador empregado para totalizar os votos na eleição, ou seja, que soma os votos enviados por todo o país, é um serviço de nuvem, e não um computador físico”.

    Alegação 17: Urna autocompleta voto [circulou na internet um vídeo no qual a urna, supostamente, autocompletava o voto para presidente].

    Resposta: “Avaliação de peritos em edição comprova que o vídeo é falso. Verificam-se cortes no filme, que confirmam que houve montagem. Além disso, no momento em que o primeiro número é apertado, o teclado da urna não aparece por completo, o que sugere que outra pessoa teria digitado o restante do voto. É possível, ainda, constatar, no programa de edição, o ruído de dois cliques simultâneos, o que reforça essa tese”.

    Alegação 18: Transparência do voto

    Resposta: “O TSE disponibiliza a qualquer pessoa um banco de dados que reúne informações das eleições de 1945 até 2020. O Repositório de Dados Eleitorais (RDE), que pode ser acessado no Portal do TSE, oferece arquivos e tabelas estatísticas contendo, por exemplo, resultados dos pleitos, perfil do eleitorado, prestação de contas e boletins de urna”.

    Alegação 19: Confiabilidade do sistema eleitoral

    Resposta: “Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) concluíram que não foram identificados, até o momento, riscos relevantes quanto à realização das Eleições Gerais de 2022. A Corte de Contas também destacou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está alinhado às boas práticas internacionais e possui planos de contingência que oferecem proteção aos processos críticos na eleição capazes de impedir a interrupção das atividades em caso de incidentes graves, falhas ou desastre”.

    Alegação 20: A PF disse que o TSE é um queijo suíço uma peneira

    Resposta: “A Justiça Eleitoral não tem conhecimento de tal afirmação feita pela Polícia Federal”.
    https://oglobo.globo.com/politica/eleicoes-2022/noticia/2022/07/em-20-pontos-tse-rebate-declaracoes-de-bolsonaro-sobre-sistema-eleitoral-entenda.ghtml

    https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2022-07-18/tse-rebate-declaracoes-de-jair-bolsonaro-sobre-sistema-eleitoral.html
  • O Globo.

    Ok.
  • 3 palavras para os negacionistas eleitorais;

    Brasil Bangladesh e Butão
  • Percival escreveu: »
    O Globo.

    Ok.
    Não importa o mensageiro se a mensagem é verdadeira.

    Texto original na página do TSE:
    https://www.justicaeleitoral.jus.br/checagens/tse-reune-conteudos-que-explicam-alegacoes-do-presidente-jair-bolsonaro/#
  • O TSE. nas mãos daqueles que soltaram o Lula e perseguem rasgando a Constituição todos aqueles que não rezam segundo a cartilha deles?

    Ok. 🙄
  • editado July 20
    Cameron escreveu: »
    O TSE. nas mãos daqueles que soltaram o Lula e perseguem rasgando a Constituição todos aqueles que não rezam segundo a cartilha deles?

    Ok. 🙄

    E sendo promovido pela Globo.
  • não pode ter voto impresso, pq aí pode ocorrer de após a confrontação da cédula com o voto digital os dois não baterem e isso poderia gerar judicializaçao;

    na dúvida inventa que é inconstitucional e foda-se, toca o barco

    Qual a solução para não ter indício de fraude? não ter nada impresso.

    EUREKA! assim a urna está sempre 100% correta

    é tipo vc ouvir um barulho no carro de que algo está errado e aumentar o volume do som pra não ter que ouvir

    ou suspeitar que pegou HIV e não fazer exame, afinal, só pega aids quem faz exame

    GÊNIO



  • Antes não era inconstitucional, agora é.

    kkkk

    só dá gênio

    todo mundo que grita hoje contra o voto impresso, defendeu no passado

    Bolsonaro realmente fez um estrago na cabeça dessa galera. kkkkkkkkkk
  • aliás, do jeito que o forum anda, é capaz de post de forista ser excluído ou editado sob o argumento de "desinformação", "fake news" ou, o que está mais na moda, "atentado contra a democracia". talquei kkkkk
  • editado July 20


    quando ainda não era "inconstitucional";

    temos a CF pré-bozo e pós-bozo,

    CHORA ESQUERDALHA ENRUSTIDA
  • Kkkkkk
  • Agora não pode mais ligar o assassinato de Celso Daniel ao PT, mesmo diante do que diz Marcos Careca.

    Continua a poder jogar futebol com a cabeça do presidente e o associar à morte da vagabunda do PSOL.
    Fedidovisk escreveu: »

    Qual a solução para não ter indício de fraude? não ter nada impresso.

    EUREKA! assim a urna está sempre 100% correta

    é tipo vc ouvir um barulho no carro de que algo está errado e aumentar o volume do som pra não ter que ouvir

    ou suspeitar que pegou HIV e não fazer exame, afinal, só pega aids quem faz exame

    GÊNIO

    É um caso clássico de...
    download.jpg

  • editado July 20
    Ignorem a fonte. O que vale é a palavra dos próprios.
  • Lindo demais.
  • só tem fraude quem audita é o novo só tem HIV quem faz exame kkk
  • Fernando_Silva escreveu: »
    Política / Eleições 2022 - Em 20 pontos, TSE rebate declarações de Bolsonaro sobre sistema eleitoral

    Presidente fez ataques ao sistema eleitoral e à confiança das urnas eletrônicas; Tribunal divulgou respostas para cada acusação

    Por Mariana Muniz — Brasília 18/07/2022


    Em resposta aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral nesta segunda-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desmentiu os principais pontos trazidos pelo mandatário durante a reunião com embaixadores de diversos países. A Corte compilou uma série de publicações já feitas pelo projeto “Fato ou Boato”, uma parceria do TSE com agências de checagens, e respondeu às falas do presidente sobre ataques hackers, voto impresso e fraudes nas urnas em 20 pontos. A seguir, os principais argumentos de Bolsonaro desmontados pelo TSE:

    Alegação 1: Apenas dois países do mundo (Butão e Bangladesh) usam sistema semelhante ao brasileiro

    Resposta: Além de Brasil, Butão e Bangladesh (que também utiliza cédulas de papel), “os equipamentos utilizados pelo eleitorado de parte da França e dos Estados Unidos para realizar a escolha de representantes também não imprimem comprovante físico da votação”.

    Alegação 2: Hacker teve acesso a tudo dentro do TSE

    Resposta: “As investidas de hackers na época do pleito de 2020, com mais de 486 mil conexões por segundo, não obtiveram sucesso. Ou seja, o breve atraso na divulgação dos resultados do primeiro turno nada teve a ver com os ataques. Na verdade, o que aconteceu foi uma demora na entrega de um equipamento usado na totalização, fato que impediu os técnicos do Tribunal de realizarem os testes necessários”.

    Alegação 3: Hacker poderia excluir nomes de candidatos

    Resposta: “Em nenhum momento as urnas eletrônicas são conectadas à internet, nem possuem placa que dê acesso a outro tipo de conexão em rede (wi-fi ou bluetooth). Muito pelo contrário: o dispositivo funciona de maneira isolada e sequer realiza a transmissão dos resultados da votação, que já são conhecidos pela população logo após o término da eleição, com a impressão do Boletim de Urna (BU). Uma eventual manipulação na etapa de totalização seria facilmente identificada pela comparação entre o BU – que traz o resultado da votação em cada seção eleitoral – com os dados publicados no Portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”.

    Alegação 4: Logs [rastros do hacker] foram apagados

    Resposta: “Código-fonte é acessível, a todo o tempo, aos partidos políticos, à OAB, à Polícia Federal e a outras entidades que participam do processo. Uma vez assinado digitalmente e lacrado, não existe a possibilidade de adulteração. O programa simplesmente não roda se vier a ser modificado”.

    Alegação 5: PSDB disse que sistema é inauditável

    Resposta: “Mesmo sem a impressão do voto, as urnas eletrônicas podem ser auditadas. As verificações, acompanhadas de perto por diversas entidades respeitadas, ocorrem antes, durante e depois das eleições para assegurar o bom funcionamento do sistema eleitoral brasileiro”. Auditoria do PSDB citada por Bolsonaro não encontrou fraudes nas eleições

    Alegação 6: TSE não imprime voto mesmo com recomendação da PF

    Resposta: “Lei sancionada por ex-presidente da República [prevendo a impressão do voto] não chegou a entrar em vigor porque foi considerada inconstitucional pelo STF”.

    Alegação 7: Observadores internacionais não conseguirão analisar a integridade do sistema, pois não há voto impresso.

    Resposta: “Organismos internacionais especializados em observação, como OEA e IFES, já iniciaram análise técnica sobre a urna eletrônica. Contarão com peritos em informática, com acesso ao código-fonte e todos os elementos necessários para avaliarem a transparência e integridade do sistema eletrônico de votação”.

    Alegação 8: O ministro Edson Fachin (atual presidente do TSE) resolveu tornar o ex-presidente Lula elegível

    Resposta: “O ministro Luiz Edson Fachin ficou vencido no tema da execução da pena após a condenação em segunda instância e na competência da justiça eleitoral para julgar as ações oriundas de grandes esquemas de corrupção. Vencido, no entanto, não se furtou em aplicar a posição consolidada pelo Plenário. Sobre o tema do habeas corpus do ex-Presidente, na semana anterior a que o ministro Fachin proferiu a decisão, foi aplicado o mesmo entendimento para deslocar a competência de uma investigação relacionada à Transpetro”.

    Alegação 9: O ministro Luís Roberto Barroso indevidamente acusou Bolsonaro de vazar inquérito sigiloso, quando ele não era sigiloso

    Resposta: “Corregedoria da PF disse que o inquérito era sigiloso pelo fato de ainda estar aberto”.

    Alegação 10: É uma empresa terceirizada que conta os votos

    Resposta: “O sistema de totalização é feito no TSE e é apresentado as entidades fiscalizadoras com 1 ano de antecedência bem como é lacrado em cerimônia pública. Totalização dos votos é feita em computadores localizados na sala-cofre do Tribunal, em Brasília”.

    Alegação 11: O ministro Edson Fachin diz que auditoria não serve para questionar resultados

    Resposta: Frase retirada de contexto desta fala de Fachin: “Auditar trata-se de auditar os meios, instrumentos e procedimentos, e não veículo de uma preposição aberta direcionada aprioristicamente a rejeitar o resultado das urnas que por ventura retrate que a vontade do povo brasileiro é oposta aos interesses pessoais de um ou de outro candidato”.

    Alegação 12: O Ministro Fachin foi advogado do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra)

    Resposta: “O Ministro Luiz Edson Fachin nunca foi advogado do MST”.

    Alegação 13: O próprio TSE disse que em 2018 números podem ter sido alterados

    Resposta: “O TSE nunca emitiu tal informação”.

    Alegação 14: TSE não acolheu as sugestões das Forças Armadas

    Resposta: “O TSE acolheu, de forma completa ou parcial, 32 propostas feitas pelos integrantes da Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) ainda para as Eleições 2022. Esse número representa 72% do total de 44 propostas – o número inicial era 47, mas algumas repetições foram aglutinadas – e 25% delas (11 propostas) estão sendo avaliadas para as próximas eleições municipais. Apenas uma proposta foi rejeitada”.

    Alegação 15: Institucionalidade Voto impresso

    Resposta: O presidente do TSE disse que o sistema eletrônico de votação é auditável, não uma, mas dez vezes. E afirmou que a impressão do voto não resultará em mais um nível de auditoria, mas numa vulnerabilidade que poderá acarretar a suspeição das eleições e a judicialização dos resultados. ‘Há um grande risco de que, na recontagem manual, dê defasagem em relação ao voto eletrônico. E aí vão começar as ações judiciais pedindo a nulidade da urna, pedindo a anulação da votação naquela seção’, alertou

    Alegação 16: Supercomputador

    Resposta: “O TSE esclarece ser falsa a informação que circula em redes sociais afirmando que o supercomputador empregado para totalizar os votos na eleição, ou seja, que soma os votos enviados por todo o país, é um serviço de nuvem, e não um computador físico”.

    Alegação 17: Urna autocompleta voto [circulou na internet um vídeo no qual a urna, supostamente, autocompletava o voto para presidente].

    Resposta: “Avaliação de peritos em edição comprova que o vídeo é falso. Verificam-se cortes no filme, que confirmam que houve montagem. Além disso, no momento em que o primeiro número é apertado, o teclado da urna não aparece por completo, o que sugere que outra pessoa teria digitado o restante do voto. É possível, ainda, constatar, no programa de edição, o ruído de dois cliques simultâneos, o que reforça essa tese”.

    Alegação 18: Transparência do voto

    Resposta: “O TSE disponibiliza a qualquer pessoa um banco de dados que reúne informações das eleições de 1945 até 2020. O Repositório de Dados Eleitorais (RDE), que pode ser acessado no Portal do TSE, oferece arquivos e tabelas estatísticas contendo, por exemplo, resultados dos pleitos, perfil do eleitorado, prestação de contas e boletins de urna”.

    Alegação 19: Confiabilidade do sistema eleitoral

    Resposta: “Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) concluíram que não foram identificados, até o momento, riscos relevantes quanto à realização das Eleições Gerais de 2022. A Corte de Contas também destacou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está alinhado às boas práticas internacionais e possui planos de contingência que oferecem proteção aos processos críticos na eleição capazes de impedir a interrupção das atividades em caso de incidentes graves, falhas ou desastre”.

    Alegação 20: A PF disse que o TSE é um queijo suíço uma peneira

    Resposta: “A Justiça Eleitoral não tem conhecimento de tal afirmação feita pela Polícia Federal”.
    https://oglobo.globo.com/politica/eleicoes-2022/noticia/2022/07/em-20-pontos-tse-rebate-declaracoes-de-bolsonaro-sobre-sistema-eleitoral-entenda.ghtml

    https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2022-07-18/tse-rebate-declaracoes-de-jair-bolsonaro-sobre-sistema-eleitoral.html

    Estranho seria o TSE concordar.
  • Eles vão roubar a eleição. Roubaram em 2014, farão de novo e vai ficar por isso mesmo.
    Agora é abrir um tópico pra debater como será o governo Lula e como a mídia e o STF vão se comportar.
    A ruptura está no radar.
  • A eleição em que Bolsonaro defendeu urna eletrônica como antídoto contra fraude no voto impresso

    Em 1993, Bolsonaro defendeu que eleições fossem informatizadas pelo TRE

    Daniel Salomão Roque De São Paulo para a BBC News Brasil 04/08/2022


    "Esse Congresso está mais do que podre", gritou o então deputado federal Jair Bolsonaro no dia 20 de agosto de 1993. "Estamos votando uma lei eleitoral que não muda nada. Não querem informatizar as apurações. Sabe o que vai acontecer? Os militares terão 30 mil votos, e só serão computados 3.000".

    Bolsonaro, então filiado ao PPR (Partido Progressista Reformador) de Paulo Maluf, discursava para coronéis e generais da reserva na sede do Clube Militar do Rio de Janeiro em um evento para discutir a "salvação do Brasil". Fazia uma defesa da nascente urna eletrônica como um antídoto contra fraudes que ocorriam no voto impresso.

    A maior parte da reunião, segundo o Jornal do Brasil da época, ocorreu sob sigilo, com os participantes divididos em seus planos para a retomada do poder. Uns defendiam o lançamento de candidaturas para as eleições de 1994. Outros, como Bolsonaro, sustentavam que a via democrática era um "sistema viciado".

    "Independente das pequenas divergências, nós já somos uma força política, e estamos crescendo", disse no evento do clube militar Euclydes Figueiredo (1919-2009), irmão de João Figueiredo (1918-1999), último presidente da ditadura militar brasileira. "Não queremos o golpe, mas eles nos temem".

    No final daquele ano, enumeraria as providências que julgava necessárias para garantir a lisura do processo eleitoral — entre elas, a proibição do voto dos analfabetos, a exigência de segundo grau (o antigo ensino médio) para os candidatos e a informatização das eleições.
    https://www.bbc.com/portuguese/brasil-62311882
  • duhhhhh voto em papel = voto impresso auditável

    dumb-ding.gif

    Bozo construiu um Triplex na cabeça desse pessoal e tá morando de graça... talquei kkkkk

    Grande Abraço
  • Ding Ding
    Ding Ding
  • Que fase... honestidade passa longe.

    Pra um forum que teve seu começo numa proposta de ceticismo e questionar tudo... não me espanta que hoje seja apenas um espectro triste da grandeza que foi um dia.

    Como dizem os alemães:

    E6KeVuHXEAASQjs.jpg
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.