Luis Felipe Pondé

13»

Comentários

  • stefanobahia disse: @Emmedrado
    Pondé disse a real. Os evangélicos são + práticos e ágeis. Ele se esqueceu de outro detalhe: Os dogmas evangélicos são mais "modernos"... inclusive pros pregadores! Pastor pode se casar. Mulher pode ser pastora.
    no lado católico.... padre e freira não podem se casar.. mulher não pode pregar....

    artigo da UFPR sobre a mudança religiosa no Brasil.

    capa da Veja do Natal de 1991. Essa decadência foi registrada em pleno apogeu do pontificado de Wojtyla.

    S_20575-MLB20193903253_112014-O.jpg
     

    Concordo 100% .
  • Qual o vínculo entre ceticismo e ser conservador? | Caio Coppolla

  • Saiu no domingo um caderno na Folha, tratando lá do 3º Congresso sobre a exploração sexual infantil. Falou-se que crianças também postam nudes, feitos por elas mesmas, mandando para coleguinhas de escola... Bem, quando internet não existia, as crianças, quando podiam brincavam de "eu mostro o seu e você mostra o seu". Mas, tanto quanto eu saiba, os pais nunca gostaram dessa brincadeira e continuam não gostando. Só que a tecnologia tornou possível brincar assim sem sair de casa e sem convocar os amigos: posta-se selfies de nudes. Nem os pais precisam saber. O problema é que um manda pro outro coleguinha, manda para mais um outro e um dia... Vai parar na Dark Web. Só que como fazer os pais entenderem isso e falar aos filhos se a fé cristã, judia, muçulmana dizem que falar de sexo, pensar em sexo, ver sexo, etc e tal é PECADO?
  • editado May 2019
    Botânico disse: Só que como fazer os pais entenderem isso e falar aos filhos se a fé cristã, judia, muçulmana dizem que falar de sexo, pensar em sexo, ver sexo, etc e tal é PECADO?
    Pois é, não digam nada às crianças. Elas serão abusadas e estupradas sem saber que aquilo é errado.
    Talvez até achem que a culpa é delas.

    Ou vão chegar à adolescência e engravidar ou pegar doenças também por ignorância.
  • Pois é... O Bolsonaro está muito preocupado em garantir a inocência das criancinhas. Alguém precisa avisar o cara: a criancinha é inocente; o pedófilo/tarado, não.
  • editado April 18
    stefanobahia escreveu: »
    @Emmedrado
    Pondé disse a real. Os evangélicos são + práticos e ágeis. Ele se esqueceu de outro detalhe: Os dogmas evangélicos são mais "modernos"... inclusive pros pregadores! Pastor pode se casar. Mulher pode ser pastora.
    no lado católico.... padre e freira não podem se casar.. mulher não pode pregar.... 

    A estratégia pentecostal e neopentecostal pode parecer eficaz no curto prazo, mas na verdade é um tiro no pé.
    Foi o populismo imediatista deles que permitiu a ascenção de figuras como Edir Macedo, Valdemiro Santiago e ... por Monã... Agenor Duque como lideranças evangélicas.
    Enquanto o modelo de líder dos católicos é o Papa João Paulo II.
    Quem já observou como igrejas pentecostais e neopentecostais se multiplicam por meiose (como comentei no Pequeno Manual para Entender os Crentes) pode entender que esta profileração indiscriminada é a fraqueza deles e não sua força.
    A multiplicação do neopentecostalismo se dá a custa da total perda de identidade, uma vez que na dura disputa de fieis com outras denominações neopentecostais, o que passa a ditar as abordagens de cada igreja é o marketing e não a doutrina.
    Quando um grupo perde a identidade, deixa de sê-lo, que é o que vem acontecendo com os neopentecostais cuja classificação pode ser requerida por qualquer um que bote uma Bíblia embaixo do braço e selecione dela as interpretações que melhor atendam a seu mercado.
    Enquanto a Igreja Católica continua seguindo seus postulados milenares.



  • editado April 19
    Acauan escreveu: »
    A multiplicação do neopentecostalismo se dá a custa da total perda de identidade, uma vez que na dura disputa de fieis com outras denominações neopentecostais, o que passa a ditar as abordagens de cada igreja é o marketing e não a doutrina.
    Quando um grupo perde a identidade, deixa de sê-lo, que é o que vem acontecendo com os neopentecostais cuja classificação pode ser requerida por qualquer um que bote uma Bíblia embaixo do braço e selecione dela as interpretações que melhor atendam a seu mercado.
    Duvido que algum crente analise cuidadosamente o que diz cada seita e sub-seita antes de escolher a qual delas vai se filiar.

    A "escolha" é resultado da propaganda, como já dito, das notícias ou boatos sobre a eficiência desta ou daquela igreja em realizar milagres (Já ouvi pastores descrevendo em seu programa como algum fiel que veio "daquela igreja sem poder" subitamente melhorou de vida ao vir para a igreja deles).

    Ou nem é uma escolha, mas um acaso. Num momento de depressão, a pessoa foi levada por um amigo para uma determinada igreja, sentiu-se melhor com o acolhimento que recebeu e ficou por lá mesmo. Nem por um momento se preocupou com a particular interpretação da doutrina que eles defendiam.
  • editado April 21
    Fernando_Silva escreveu: »
    Ou nem é uma escolha, mas um acaso. Num momento de depressão, a pessoa foi levada por um amigo para uma determinada igreja, sentiu-se melhor com o acolhimento que recebeu e ficou por lá mesmo. Nem por um momento se preocupou com a particular interpretação da doutrina que eles defendiam.

    Exato!
    Até os anos 80, os evangélicos eram uma pequena minoria ferrenhamete apegada a uma moral e disciplina férrea, que os distinguia da maioria da população.
    Se era sincera ou não são outros quinhentos, mas na época "ser crente" era um atestado de respeitabilidade, mesmo que só na aparência.
    Hoje tem crentes saindo pelo ladrão de todas as cidades, só que ser crente, evangélico, cristão ou como queiram chamar-se não significa mais absolutamente nada.
    Não dá prá acreditar que a expansão quantitativa deles foi uma vitória.

  • editado April 21
    Acauan escreveu: »
    Fernando_Silva escreveu: »
    Ou nem é uma escolha, mas um acaso. Num momento de depressão, a pessoa foi levada por um amigo para uma determinada igreja, sentiu-se melhor com o acolhimento que recebeu e ficou por lá mesmo. Nem por um momento se preocupou com a particular interpretação da doutrina que eles defendiam.

    Exato!
    Até os anos 80, os evangélicos eram uma pequena minoria ferrenhamete apegada a uma moral e disciplina férrea, que os distinguia da maioria da população.
    Se era sincera ou não são outros quinhentos, mas na época "ser crente" era um atestado de respeitabilidade, mesmo que só na aparência.
    Hoje tem crentes saindo pelo ladrão de todas as cidades, só que ser crente, evangélico, cristão ou como queiram chamar-se não significa mais absolutamente nada.
    Não dá prá acreditar que a expansão quantitativa deles foi uma vitória.
    Bom, a crentaiada que eu conheço continua mais afável e respeitosa que os seculares de forma geral. Mas isso é só uma amostragem ínfima que não refuta sua ilação.

    É possível e até procedente que a expansão dos evangélicos vá resultar em todos cada vez mais heterogêneos como aconteceu nos EUA, por exemplo. É o fenomeno da massificação qe não poupa nenhum estrato social em expansão contínua.

    Mas uma coisa é certa, o multifacetamento do protestantismo especificamente se deve em grande parte a customização do discurso dos pastores para atender aos gostos do rebanho, num flagrantemente indelével pragmatismo financeiro.

  • Pandemia política e moral | João Pereira Coutinho


  • editado May 9


  • Luiz Felipe Pandé...mia.
  • Luiz Felipe Pandé...mia.
    Emmedrado escreveu: »
    Pensar cientificamente é pleonasmo.
  • Pondé é um analfabeto funcional.
  • editado 2:23PM

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.